Seguidores

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

OITAVA PERSEGUIÇÃO DA IGREJA. "SANGUE QUE FALA"



Essa é mais um post da edição intitulada; "Os mártires, sangue que fala". Chegamos a oitava perseguição.Bom proveito e reflexão.


A oitava perseguição, sob Valeriano, 257 d.C.
Esta começou sob Valeriano, no mês de abril de 257 d.C., e continuou durante três anos e seis meses. Os mártires que caíram nesta penosa perseguição foram inúmeros, e suas torturas e mortes igual de variadas e penosas. Os mais eminentes entre os mártires foram os seguintes, embora não se respeitassem categoria, sexo nem idade.
Rufina e Secunda eram duas formosas e cumpridas damas, filhas de Astério, um cavaleiro eminente em Roma. Rufina, a mais velha, estava prometida em matrimônio a Armentário, um jovem nobre; Secunda, a menor, a Verino, pessoa de alcurnia e opulência. Os pretendentes, ao começar a perseguição, eram ambos cristãos; porém quando surgiu o perigo, renunciaram a sua fé para salvar suas fortunas. Se esforçaram então muito em persuadir às damas a fazer o mesmo mas, frustrados em seus propósitos, foram tão abjetos como para informar em contra delas que, arrestadas como cristãs, foram feitas comparecer ante Júnio Donato, governador de Roma, onde, em 257 d.C., selaram seu martírio com sangue.
Estevão, bispo de Roma, foi decapitado, aquele mesmo ano, e por aquele tempo Saturnino, o piedoso bispo ortodoxo de Toulouse, que recusou sacrificar aos ídolos, foi tratado com as mais bárbaras indignidades imagináveis, e amarrado pelos pés à cauda de um touro. Ao dar um sinal, o enfurecido animal foi conduzido escadas abaixo pelas escadarias do templo, com o qual foi destrocado o crânio do digno mártir até saírem os miolos.
Sixto sucedeu a Estevão como bispo de Roma. Supõe-se que era grego de nascimento ou origem, e tinha servido durante um tempo como diácono sob Estevão. Sua grande fidelidade, singular sabedoria e valor não comum o distinguiram em muitas ocasiões; e a feliz conclusão de uma controvérsia com alguns hereges é geral imputada à sua piedade e prudência. No ano 258, Marciano, que dirigia os assuntos do governo de Roma, conseguiu uma ordem do imperador Valeriano para dar morte a todo o clero cristão de Roma, e por isso o bispo, com seis de seus diáconos, sofreu o martírio em 258.
Aproximemo-nos ao fogo do martirizado Lourenço, para que nossos frios corações sejam por ele feitos arder. O implacável tirano, sabendo que não só era ministro dos sacramentos, senão também distribuidor das riquezas da Igreja, se prometia uma dupla presa com o arresto de uma só pessoa. primeiro, com o rastelo da avareza, conseguir para si mesmo o tesouro de cristãos pobres; depois, com o feroz ancinho da tirania, para agitá-los e perturbá-los, exauri-los em sua profissão, com um rosto feroz e cruel semblante, o cobiçoso lobo exigiu saber onde Lourenço tinha repartido as riquezas da Igreja; este, pedindo três dias de tempo, prometeu declarar onde poderia conseguir o tesouro. Enquanto isso, fez congregar uma grande quantidade de cristãos pobres. Assim, quando chegou o dia em que devia dar sua ro, o perseguidor ordenou-lhe que se mantivesse fiel à promessa. Então, o valoroso Lourenço, estendendo seus braços para os pobres, disse: "Estes são os preciosos tesouros da Igreja; estes são verdadeiramente o tesouro, aqueles nos que reina a fé de Cristo, nos que Jesus Cristo tem sua morada. Que jóias mais preciosas pode ter Cristo, senão aqueles nos que tem prometido morar? Porque assim está escrito: "Tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me" . E também "quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes" . Que maiores riquezas pode possuir Cristo, nosso Mestre, que o povo pobre no qual quer ser visto?"
Ah! Que língua pode expressar o furor e a raiva do coração do tirano? Agora chutava, lançava furiosos olhares, gesticulava ameaçador, se comportava como alienado: seus olhos lançavam fogo, a boca espumava como a de um javali, e mostrava os dentes como um infernal mastim. Não podia ser agora chamado de homem racional, senão melhor de leão rugidor e bramador.
"Acendam o fogo!", uivou ele, "E não poupem lenha! Tem enganado este vilão o imperador? Fora com ele, fora com ele: acoitem-no com chicotes, sacudam-no com varas, espanquem ele com socos, tirem seus miolos com paus. Zomba este traidor do imperador? Belisquem-no com pinças ardentes, apliquem nele placas incandescentes, tirem as correntes mais fortes, e os tridentes, e a grelha de ferro; ao fogo com ele; atem o rebelde de mãos e pés; e quando a grelhe esteja incandescente, lançai-o nela; assem-no, mexam ele, agitem-no: sob pena de nosso maior desagrado, que cada um de vós, carrascos, cumpra sua missão!"
Tão pronto foram emitidas estas palavras, foram cumpridas. Depois de cruéis tormentos, este manso cordeiro foi colocado, não direi que sobre sua cama candente de ferro, senão seu suave colchão de penas. De tal maneira Deus operou neste mártir Lourenço, de modo tão miraculoso moderou seu elemento fogo, que se converteu não numa cama de dor consumidor, senão num leito de repouso reparador.
Na África, a perseguição rugiu com uma violência peculiar; muitos milhares receberam a coroa do martírio, entre os quais podem mencionar-se as personalidades mas distinguidas:
Cipriano, bispo de Cartago, um eminente prelado e adorno da Igreja. O resplendor de seu gênio ia temperado pela solidez de seu juízo; e com todas as virtudes do cavaleiro combinava as virtudes de um cristão. Suas doutrinas eram ortodoxas e puras; sua linguagem, fácil e elegante; e suas maneiras gentis e atraentes; em resumo, era ao mesmo tempo um predicador piedoso e cortes. Em sua juventude tinha sido educado nos princípios dos gentios, e possuindo uma fortuna considerável, viveu em toda a extravagância do esplendor e em toda a dignidade do boato.
Por volta do ano 246, Cecílio, ministro cristão de Cartago, deveio um feliz instrumento de sua conversão, pelo qual, e pelo grande afeto que sempre sentiu para com o autor de sua conversão, foi chamado Cecílio Cipriano. Antes de seu batismo estudou cuidadosamente as Escrituras, e impressionado pelas belezas das verdades que continham, decidiu praticar as virtudes que nelas se recomendavam. Depois de seu batismo, vendeu suas possessões, distribuiu seu dinheiro entre os pobres, se vestiu de modo simples e começou uma vida de austeridade. Pronto foi nomeado presbítero, e sumamente admirado por suas virtudes e obras foi, após a morte de Donato em 248 d.C., escolhido quase unanimemente bispo de Cartago.
Os cuidados de Cipriano não se estendiam somente a Cartago, senão à Numídia e a Mauritânia. Em todas as transações teve sempre grande atenção em pedir o conselho de seu clero, sabendo que só a unanimidade poderia ser de serviço para a Igreja, sendo esta sua máxima: "Que o bispo estava na igreja, e a igreja no bispo, de modo que a unidade só pode ser preservada mediante um estreito vínculo entre o pastor e sua grei".
No 250 d.C., Cipriano foi publicamente proscrito pelo imperador Décio, sob o nome de Cecílio Cipriano, bispo dos cristãos; e o clamor universal dos pagãos foi: "Cipriano aos leões, Cipriano às feras". Não obstante, o bispo se afastou do furor do populacho, e suas possessões foram de imediato confiscadas. Durante seu retiro, escrevei trinta piedosas e elegantes epístolas a seu rebanho; porém vários cismas que tiveram então lugar na Igreja, provocaram-lhe grande ansiedade. A diminuir o rigor da perseguição, voltou a Cartago, e fez tudo o que estava a seu alcance para desfazer as opiniões errôneas. Ao desatar-se sobre Cartago uma terrível peste foi, como era costume, indiciada aos cristãos; os magistrados começaram então uma perseguição, o que ocasionou uma epístola deles a Cipriano, em resposta à qual ele vindicou a causa do cristianismo. Em 257 d.C., Cipriano foi obrigado a comparecer ante o pró-cônsul Aspásio Patumo, quem o desterrou a uma pequena cidade no mar da Líbia. Ao morrer o pró-cônsul, voltou a Cartago, mas foi prestamente arrestado e, levado diante do novo governador, foi condenado a ser decapitado, sentença que foi executada o catorze de 258 d.C.
Os discípulos de Cipriano, martirizado nesta perseguição, foram Lúcio, Flaviano, Vitórico, Remo, Montano, Juliano, Primelo e Doniciano.
Em Utica teve lugar uma terrível tragédia: trezentos cristãos foram trazidos, por ordem do governador, e colocados em volta de um forno de cozimento de cerâmica. Tendo preparado as brasas e incenso, foi-lhes ordenado que, ou sacrificavam a Júpiter, ou seriam lançados no forno. Recusando todos unânimes, pularam valorosamente na fossa, e foram de imediato asfixiados.
Fructuoso, bispo de Tarragona, na Espanha, e seus dois diáconos, Augúrio e Eulógio, foram queimados por serem cristãos.
Alexandre, Malco e Prisco, três cristãos da Palestina, e uma mulher do mesmo lugar, se acusaram voluntariamente de serem cristãos, pelo que foram sentenciados a serem devorados por tigres, sentença que foi executada.
Máxima, Donatila e Secunda, três moças de Tuburga, receberam como bebida fel e vinagre, foram duramente flageladas, atormentadas sobre um patíbulo, esfregadas com cal, assadas sobre umas grelhas, maltratadas por feras, e finalmente decapitadas.
É aqui oportuno observar a singular mas mísera sorte do imperador Valeriano, que durante tanto tempo e tão duramente perseguiu os cristãos. Este tirano foi feito prisioneiro, mediante um estratagema, por Sapor, imperador da Pérsia, quem o levou a seu próprio país, tratando-o ali com a mais inusitada indignidade, fazendo-o ajoelhar como o mais humilde escravo e colocando seus pés sobre ele a modo de banquinho quando montava em seu cavalo. Depois de havê-lo tido durante sete anos neste abjeto estado de escravidão, fez que lhe tirassem os olhos, embora tinha então oitenta e três anos. Não satisfeito ainda, pronto ordenou que o esfolassem vivo e que lhe esfregassem sal na carne viva, morrendo sob tais torturas. Assim caiu um dos mais tirânicos imperadores de Roma, e um dos maiores perseguidores dos cristãos.
No 260 d.C., sucedeu Gallieno, filho de Valeriano, e durante seu reinado (aparte de uns poucos mártires), a Igreja gozou de paz durante alguns anos.


Fonte: O Livro dos mártires- ( John Fox)

Nenhum comentário:

Postar um comentário