Seguidores

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Escola Biblica Dominical
Igreja Evangélica Assembleia de Deus
Rua Frederico Maia, 49 - Viçosa Alagoas

I – INTRODUÇÃO:

• Conhecer as profecias messiânicas e verificar que elas se cumprem fielmente à luz do N.T., é, deveras, um estudo bíblico dos mais agradáveis e compensadores. Alguém já disse que o N.T. está para o A.T., assim como a flor está para o seu botão. O N.T. é uma linda rosa cujas pétalas estão engastadas na corola do A.T.. Jesus mesmo disse: - “Examinai as Escrituras porque cuidais ter nelas a vida eterna e são elas mesmas que de mim testificam” – Jo 5:39.

II – TIPOS HUMANOS DE JESUS CONSTANTES DO A.T.:

II.1 – ADÃO:

• (1) – Como o primeiro homem na história da humanidade, Adão “é a figura daquele que havia de vir” (Rm 5.14c) - Cristo é o primeiro da nova criação. Pela ofensa de um morreram muitos, muito mais a graça, o dom abundou por um só homem, Jesus Cristo (Rm 5.15).

• (1.1) - Adão foi feito alma vivente (Gn 2.7). - Jesus Cristo é chamado “o último Adão em espírito vivificante” (l Co 15.45b). Como espírito vivificante, Ele tem poder de dar a vida pelas ovelhas (Jo 10.11).

• (1.2) - Pela desobediência de Adão muitos foram feitos pecadores. - Pela obediência de um, que é Jesus Cristo, muitos serão feitos justos (Rm5.19).

• (1.3) - O pecado de Adão impediu o caminho do paraíso, porque um querubim foi posto ali com uma espada inflamada. - O Senhor Jesus abriu um caminho novo e vivo para o Santuário de Deus (Hb 10.20). Ele é o caminho para o céu.

II.2 – ABEL:

• (2) - Gn 4.1-11 - Quando nasceu Caim, Eva teve uma expressão de alegria que é traduzida assim em nossas Bíblias: “Adquiri um varão com o auxílio de Jeová”. Sendo assim, a expressão de Eva foi: “Adquiri um varão, Jeová”. Pensava ela que Caim era Jeová, o varão prometido como a “semente da mulher” (Gn 3.15), que esmagaria a cabeça da serpente. De qualquer modo, Eva teve uma grande emoção de alegria com a chegada de Caim. Depois teve Abel e o chamou pelo nome de “Vaidade”, coisa sem muita importância. Como se dissesse: - “Já tenho Caim, vem mais este, para quê?”

• (2.1) - Abel foi chamado vaidade. - Jesus era desprezado e o mais indigno entre os homens (Is 53.3).

• (2.2) - Abel foi pastor de ovelhas. - Jesus é o Bom Pastor (Jo 10.11).

• (2.3) - Abel ofereceu maior sacrifício. - Jesus ofereceu Seu próprio sangue, num maior e mais perfeito Tabernáculo (Hb 9.11-12).

• (2.4) - Abel foi invejado. Caim ficou irado contra Abel porque Deus aceitou a oferta dele e não a sua (Gn 4.4-6). - Jesus foi entregue a Pilatos por inveja (Mt 27.18).

• (2.5) - Abel foi morto inocente. - Jesus foi morto sem ter culpa.

• (2.6) - Abel foi chamado justo (Mt 23.35). - Jesus foi chamado o Justo(At 3.14,15).

• (2.7) - O sangue de Abel fala (Gn 4.10). - O sangue de Jesus fala (Hb 12.24).

II.3 – MELQUISEDEQUE:

• (3) – Gn 14.18-20; Sl 110.4; Hb 5.6-10; 7.1-17 - Abraão reconheceu que Melquisedeque era sacerdote de Deus. Deu-lhe o dízimo e foi abençoado por ele.

• (3.1) - Abraão, sendo o pai do povo judeu, foi abençoado por aquele a cuja ordem Jesus pertence.

• (3.2) - A exposição de Hebreus 7 é para provar que Jesus Cristo é superior ao sumo sacerdote Arão, tanto que, antes de Arão, aparece Melquisedeque, um tipo de Jesus.

• (3.3) - É mencionado Melquisedeque, sem pai, sem mãe, sem genealogia. Os judeus davam grande valor à genealogia. Só podia exercer um cargo importante, sendo conhecida a origem familiar.

• (3.4) - Quando voltaram do cativeiro, no tempo de Esdras e Neemias, alguns que não provaram o registro das genealogias foram rejeitados, considerados imundos e proibidos de comerem das coisas sagradas (Ed 2.62-63; Ne 7.64-65).

• (3.5) - Cremos que Melquisedeque era homem descendente de Adão e Noé; sua genealogia era desconhecida e Deus não quer que o identifiquemos. Pela mentalidade dos judeus, não devia ser o sacerdote de Deus. Mas ele foi aceito como tal por Abraão, e da sua ordem vem Jesus.

• (3.6) – Melquisedeque era rei de Salém e rei de paz. Salém quer dizer paz e é o nome de Jerusalém. - Jesus Cristo, depois de destruir o reino do Anticristo, reinará em Jerusalém como Rei de paz.

II.4 – ISAQUE:

• (4) – Foi filho da promessa (Gl 4.23 e 28), e filho único. - Jesus foi o Unigênito (Jo l. 14); foi prometido como “semente da mulher” (Gn 3.15) e como Emanuel, Deus conosco (Is 7.14).

• (4.1) – O nascimento de Isaque foi sobrenatural. Os pais não estavam mais em condições de ter filhos (Rm 4.19). - O nascimento de Jesus foi sobrenatural.

• (4.2) - Isaque foi oferecido em sacrifício e obediente em tudo (Gn 22). - Jesus foi obediente em tudo até a morte e morte de cruz (Fp 2.8).

• (4.3) - No casamento de Isaque, Abraão resolveu providenciar; o servo Eliezer foi buscar e trouxe a noiva (Gn 24.1-67). - No casamento de Jesus Cristo com a Igreja (Ap 19.7-9; Ef 5.22-32), o Pai providenciou tudo com o Seu amor ao mundo; o Espírito Santo veio habitar conosco para convencer, ensinar e santificar a Igreja, que é a noiva, para a realização das bodas (Ap 21.1 -3).

II.5 – JOSÉ:

• (5) - Gn caps. 37 a 50

• (5.1) - Amado pelo pai (Gn 37.3). - Jesus (Mt 3.17).

• (5.2) - Odiado pelos irmãos (Gn 37.4). - Jesus (Jo 15.24).

• (5.3) - Enviado pelo pai (Gn 37.13-24). - Jesus (I Jo 4.14).

• (5.4) - Vendido (Gn 37.28). - Jesus (Mt 26.14-15).

• (5.5) - Tentado e venceu (Gn 39). - Jesus (Mt 4.1-11).

• (5.6) - Preso entre dois criminosos: um salvo; outro, condenado (Gn 40). - Jesus (Lc 23.32-33).

• (5.7) - Levantado e exaltado (Gn 41.14, 43-44). - Jesus (Mt 28.18).

• (5.8) - Com trinta anos, começou o ministério (Gn 41.46). - Jesus (Lc 3.23).

• (5.9) - A noiva não-hebréia (Gn 41.45). - Jesus (Ef 5.25, 27).

• (5.10) - A tribulação obrigou os irmãos a procurá-lo (Gn 42). - Jesus (Mt 24.21; Zc 12.10; Is 26.16).

• (5.11) - Por ele vieram reconciliação e bênção para os irmãos (Gn 45 e 46). - Jesus (Is 11, 12 e 35)

• (5.12) - Todos os povos abençoados por causa dele (Gn 41.57). - Jesus (Is 2.2-4; 11.10).

II.6 – BENJAMIM:

• (6) - Gn 35.16-19 - Quando Jacó chegou perto de Efrata, que é a mesma Belém, cumpriu-se o tempo para o nascimento de seu último filho. Raquel, a esposa amada, teve um parto difícil; como resultado, morreu logo em seguida.

• Pouco antes de morrer, sabendo que o filho estava bem, deu-lhe o nome de Benoni = filho de minha dor. Jacó não concordou; chamou-o Benjamin = filho da minha direita.

• (6.1) - Jesus Cristo nasceu em Belém, como estava profetizado por Miquéias (Mt 2.1, 5-6). Pode ser chamado “filho da minha dor”, uma vez que Simeão disse à Virgem Maria que uma espada transpassaria sua própria alma (Lc 2.34-35). Também para o Pai, contemplá-Lo pregado na cruz levando os pecados do mundo, é tê-Lo como filho da dor.

• (6.2) - Ao mesmo tempo Jesus é como Benjamim, filho da direita, porque “está à direita de Deus intercedendo por nós” (Rm 8.34).

II.7 – MOISÉS:

• (7) – É o personagem referido em maior número de livros da Bíblia. Seu nome aparece em trinta e um dos livros do volume sagrado e em número de 847 vezes. É chamado: servo do Senhor (Êx 14.3); fiel em toda a sua casa (Nm 12.7 e Hb 3.5); homem de Deus (Dt 33.1); profeta que não teve igual (Dt 34.10-11); o escolhido de Deus (Sl 106.23) e outros títulos. Como tipo de Cristo apresenta muitos pontos:

• (7.1) - Ameaçado de morte e preservado por Deus (Êx 2.2-10; Hb 11.23). - Jesus também (Mt213-15).

• (7.2) - Dominou a água do mar (Êx 14.21). - Jesus (Mt 8.26).

• (7.3) - Alimentou uma multidão (Êx 16.15-16; Jo 6.31). - Jesus (Jo 6.11-12).

• (7.4) - Teve seu rosto iluminado (Êx 34.35). - Jesus (Mt 17.1-5).

• (7.5) - Os irmãos estiveram contra ele (Nm 12.1). - Jesus (Jo 7.5).

• (7.6) - Intercedeu pelo povo (Êx 32.32). - Jesus (Jo 17.9).

• (7.7) - Escolheu 70 auxiliares (Nm 11.16). - Jesus (Lc 10.1).

• (7.8) - Esteve a sós com Deus 40 dias, em jejum (Êx 24.18). - Jesus (Mt 4.2).

• (7.9) - Andava com 12 tribos. - Jesus com doze apóstolos.

• (7.10) - Apareceu depois da morte (Mt 17.3). - Jesus (Atos 1.3).

II.8 – BOAZ:

• (8) – Rute caps. 2 a 4 - Os israelitas em sua terra não vendiam a herança. Quando alguém precisava de dinheiro, realizava uma venda provisória, espécie de hipoteca e penhor. Recebia o dinheiro e sua parte de terra ficava para uso de quem fez o negócio, mas só até o ano do jubileu, quando voltava para o primeiro dono.

• Elimeleque, quando foi para Moabe, fez este negócio, porém e os filhos morreram lá. Um deles fora casado com Rute; no entanto não deixou filho.

• Para a terra retornar à família, era necessário que alguém passasse ao credor o valor da terra que ele recebeu de Elimeleque. Além disso, precisava casar com Rute; o primeiro filho deste casamento seria o herdeiro. O parente mais próximo do falecido e que fosse solteiro era o que poderia fazer isto.

• Na história do livro de Rute, havia outro mais próximo do que Boaz. Aquele que devia ser o remidor disse que não podia (Rt 3.12; 4.4-6), por isso Boaz realizou o ato que se chamava redimir; casou-se com Rute, tornando-se um tipo de Jesus porque:

• (8.1) - Era varão valente e poderoso (Rt 2.1). - Jesus (Mt 28.18).

• (8.2) - Era natural de Belém (Rt 2.4). - Jesus nasceu em Belém (Mt 2.1).

• (8.3) - Era da tribo de Judá, a tribo do Rei (Mt 1.3-5). - Jesus é o leão da tribo de Judá (Apc 5:5)

• (8.4) - Teve compaixão de uma moça pobre que precisava de auxílio (Rt 2.8-15). - Jesus teve compaixão dos que formam a sua Igreja.

• (8.5) - Boaz se tornou o remidor e tomou a Rute como esposa (Rt 4.13). - Jesus foi e é o Remidor da Igreja, fazendo-a sua esposa.

II.9 – DAVI:

• (9) – Quando Samuel convocou a reunião dos filhos de Jessé para ungir um rei escolhido por Deus, Jessé não se lembrou de Davi. Esqueceu-se dele ou pensou que não era necessária a sua presença (I Sm 16.10,11). Assim, Davi é semelhante a Jesus:

• (9.1) - E era considerado sem importância para ocasiões espe¬ciais. - Jesus Cristo foi desprezado pelos homens que não fizeram dele caso algum (Is 53.2-3).

• (9.2) - Davi foi ungido por ordem de Deus (l Sm 16.1,12,13). - Jesus foi o Cristo, o Ungido de Deus (Lc 4.18; At 4.27; Hb 1.9).

• (9.3) - Davi enfrentou o gigante Golias, que desafiou o povo de Deus; tomou cinco pedras e, usando uma só, venceu o gigante (I Sm 17.40, 49, 51). - Jesus enfrentou o gigante Satanás, tendo à sua disposição cinco livros do Pentateuco, mas usou só um (o de Deuteronômio) e o Diabo o deixou (Mt 4.1-11).

• (9.4) - Davi era pastor de ovelhas (I Sm 16.11). - Jesus é o Bom Pastor (Jo 10.14) e o Sumo Pastor (I Pe 5.4).

• Uma particularidade digna de atenção é como Davi se identificou bem com o ofício de pastor de ovelhas. Sentia-se responsável pela proteção das ovelhas, enfrentando um leão e um urso. Em tudo isto ele reconhecia a dependência de Deus. Dizia: “O Senhor me livrou da mão do leão, e da do urso…” (I Sm 17.37a). Não confiava em sua força, mas em Deus.

• Pensando no castigo do povo por causa de um erro seu, considera-se pastor diante das ovelhas e pergunta a Deus:” …estas ovelhas que fizeram?…” (II Sm 24.17c).

• Há uma referência profética bem tocante, falando de Davi como pastor. “E levantarei sobre elas um só pastor…o meu servo Davi é que as há de apascentar; ele lhes servirá de pastor” (Ez 34.23).

• A solicitude de Davi pelo rebanho aparece como um exemplo de dedicação às ovelhas e ao pai. Não pensa em seu conforto, porém no bem-estar e na proteção das ovelhas. Por isso teve inspiração para aplicar a ilustração do pastor à proteção e de-pendência de Deus nas palavras do Salmo 23.

II.10 – JONAS:

• (10) – Os escribas e fariseus pediram a Jesus um sinal; Jesus respondeu que não lhes seria dado outro, senão o do profeta Jonas (Mt 12.38-41).

• Há quem diga que a narrativa de Jonas é lenda porque há ali dois pontos inacreditáveis: Jonas ter sido engolido, passando três dias vivo; e uma geração toda mudar de religião com a pregação de um estrangeiro.

• O Espírito Santo já sabia que haveriam de negar estes dois fatos e inspirou os evangelistas a escreverem esta declaração do próprio filho de Deus.

• Jesus afirmou que: - “.. .como Jonas esteve três dias e três noites no ventre do peixe, assim estará o Filho do homem três dias e três noites no seio da terra. Os ninivitas ressurgirão no juízo com esta geração, e a condenarão, porque se arrependeram com a pregação de Jonas…” (Mt 12.40-41b).

• Jonas já era profeta em Israel no tempo do rei Jeroboão II (2 Rs 14.25). Desobedeceu quando Deus o enviou a Nínive, não queria que aquele povo inimigo de Israel fosse perdoado. Foi castigado pela desobediência, mas Deus lhe deu uma segunda oportunidade. Ele foi, pregou e toda aquela geração se converteu. Jonas, é um tipo de Jesus, porque:

• (10.1) - Foi enviado a um povo condenado por Deus. - Jesus foi enviado a um mundo condenado.

• (10.2) - Os que se arrependeram com a pregação de Jonas foram perdoados. - Os que se arrependem com a mensagem de Jesus são perdoados.

• (10.3) - Jonas esteve três dias e três noites no ventre do peixe. - Jesus esteve três dias e três noites na sepultura.

• (10.4) - Jonas saiu vivo para continuar seu ministério. - Jesus saiu ressuscitado para continuar Sua obra.

• (10.5) - Jonas também é tipo do povo de Israel, escondido entre as nações durante quase 2000 anos, para aparecer num futuro glorioso. O peixe não pôde digerir Jonas. - As nações não destruíram Israel.

III – TIPOS NÃO HUMANOS DE JESUS:

III.1 – A LUZ:

• Gn 1.3-5 - Quando as trevas cobriam a face do abismo, tudo era caos. Deus disse: “Haja luz. E houve luz”. Foi o começo da obra da criação no sentido de preparar o ambiente para a criatura.

• A vinda de Jesus ao mundo foi de modo idêntico. O profeta Isaías teve uma visão, que expressou em forma de narrativa: “O povo que andava em trevas, viu uma grande luz” (Is 9.2a). Cumpriu-se esta profecia em Capernaum, quando Jesus começou a pregar. O evangelista diz: “Para que se cumprisse o que foi dito pelo profeta Isaías”. E em seguida transcreve as palavras do profeta (Mt 4.12-16).

• Estando o mundo em trevas, Deus enviou o seu Filho, que é a luz do mundo (Jo 9.5; 12.35, 46).

• Luz simboliza prosperidade (Is 58.8; Et 8.16) e alegria (Sl 97.11).

• A luz é chamada para a conversão. Paulo viu “…uma luz mais forte que o sol” (At 26.13a).

• A luz é a comunhão com Deus: “…vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz ” (I Pe 2.9b).

• A luz é o conforto e a segurança do crente: “O Senhor é a minha luz e a minha salvação, a quem temerei?…” (Sl 27.1a).

• Agora somos filhos da luz (Jo 12.36) “…no Senhor” (Ef 5.8a).

III.2 – A ARCA DE NOÉ:

• Gn caps. 6, 7 e 8 - “Então disse Deus a Noé: O fim de toda a carne é vindo perante a minha face… Faze para ti uma arca de madeira de Gofer… e entrarás na arca tu e os teus filhos, e a tua mulher, e as mulheres de teus filhos…” (Gn 6.13a, 14a, 18b).

• A ruína da humanidade veio pelo pecado, mas Deus preparou um remédio. Quem entrasse na arca escaparia do castigo; quem não entrasse, morreria afogado pelo dilúvio. A arca era o único meio para escapar do castigo. Neste sentido é tipo de Jesus Cristo, único meio de salvação da perdição eterna.

• O amor de Deus se manifesta, dando oportunidade para o perdão. Pedro apresenta a arca como figura de salvação por Jesus “…quando a longanimidade de Deus esperava nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca…Que também, como uma verdadeira figura, agora vos salva, batismo, não do despojamento da imundícia da carne, mas da indagação de uma boa consciência para com Deus, pela ressurreição de Jesus Cristo” (I Pd 3.20a, 21).

• A porta é Jesus. Quem entrar por Ele estará salvo. Quem não entrar, estará perdido.

• Acerca de sua vinda, Jesus disse: “E, como aconteceu nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do homem” (Lc 17.26). Os homens vivem descuidados, buscando só as coisas materiais; virá o juízo de Deus sobre eles.

III.3 – O CARNEIRO:

• Gn 22.13 - Deus resolveu submeter Abraão a uma prova e mandou que ele oferecesse seu filho Isaque em holocausto. A finalidade era ensinar ao Seu servo Abraão lições que, de outro modo, não poderia receber. Além disso, era para nos dar o exemplo de fé e obediência na pessoa do velho patriarca.

• Abraão não hesitou, obedeceu em tudo a ordem de Deus. Levou o filho ao lugar indicado, amarrou-o, pôs em ordem a lenha e tomou o cutelo para imolá-lo. Mas o anjo bradou desde os céus:”. ..Não estendas a tua mão sobre o moço…” (Gn 22.12a). Olhando para trás, viu um carneiro, que foi sacrificado em lugar de Isaque, do mesmo modo como Jesus foi crucificado por nós. Na apresentação de João Batista aos seus ouvintes, Jesus é chamado:”… o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (Jo l.29b).

• O ato de Abraão foi aceito por Deus como coisa consumada, porque diz: “Pela fé, ofereceu Abraão a Isaque, quando foi provado… considerou que Deus era poderoso para até dos mortos o ressuscitar. E daí também em figura ele o recobrou” (Hb 11.17-19).

• Quando iam caminhando, Isaque perguntou: “…onde está o cordeiro para o holocausto?” (Gn 22.7c). Abraão respondeu: “Deus proverá…” (v.8a). Depois que Deus mostrou o carneiro, que foi imolado, Abraão pode compreender ainda melhor que Deus proverá sempre todas as coisas.

• Aquela cena do sacrifício de Isaque foi no monte Moriá (Gn 22.2). Naquele terreno ficava a eira de Ornã ou Araúna, comprada por Davi (II Sm 24.18-25), onde Salomão construiu o Templo, em Jerusalém (II Cr 3.1). - Em Jerusalém, Jesus foi condenado à morte de cruz para que nós pudéssemos ser salvos.

• A pergunta de Isaque: “Onde está o cordeiro para o holocausto? ” (Gn 22.7c) foi respondida de um modo completo por João Batista em relação a Jesus: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo”’ (Jo 1.29b, 36c).

III.4 – A ESCADA DE JACÓ:

• Gn 28.10-17 - Jacó ia fugindo da casa do pai, porque, pela sua desonestidade, criara um ambiente de ameaça, provocando a ira do irmão. Apesar de tudo, Deus buscava a Jacó para o abençoar.

• Quando o Senhor Deus disse a Moisés: “Eu sou o Deus de Abraão, Deus de Isaque e Deus de Jacó…” (Êx 3.6a), trouxe um consolo para os que já andaram em caminhos distantes da vontade de Deus.

• Abraão foi o adulto, amadurecido, que ouviu o chamado de Deus para uma mudança de lugar e de companhia, e ele pron-tamente obedeceu pela fé. O pecador fraco diz: - “Não tenho sido obediente e fiel como Abraão. Deus é Deus de Abraão, não sei se é meu”.

• Isaque é exemplo duma vida inteira de fidelidade a Deus. Na infância e mocidade obediente ao pai, a ponto de ir para o sacrifício. Nos problemas de família, recorrendo a Deus (Gn 25.21). Na vida social tinha prejuízo para não questionar. Se os vizinhos tomavam seu poço, cavava outro e assim por diante (Gn 26.19-22). E na velhice adiantada mantinha toda a fé em Deus para pronunciar a bênção dos filhos segundo a vontade do Senhor.’ ‘Pela fé Isaque abençoou Jacó e Esaú, no tocante às coisas futuras” (Hb 11:20). A pessoa duvidosa diz: - “Eu não sou perseverante, nem manso, nem obediente como Isaque”.

• Mas Jacó foi ambicioso nas coisas materiais; enganou o pai e o irmão; mentiu para conseguir riquezas. Sua fuga era con-sequência de seus erros. Deus é o Deus de Jacó! Pode ser o Deus de todo aquele que tem errado até hoje, mas quer mudar de vida. Jacó falou assim quando teve a visão: “…Na verdade o Senhor está neste lugar; e eu não sabia” (Gn 28.16b). E fez um voto: “O Senhor será o meu Deus” (Gn 28.21b).

• “…uma escada era posta na terra, cujo topo tocava nos céus: e eis que os anjos de Deus subiam e desciam por ela… E eis que o Senhor estava em cima dela, e disse: …eis que estou contigo e te guardarei…” (Gn 28:12-15). Os anjos primeiro subiam, depois é que desciam pela escada. A escada é tipo de Jesus Cristo porque há as seguintes relações de semelhança:

• (4.1) - Pela visão da escada Deus falava com o pecador fazendo-lhe promessas de bênçãos. - Por Jesus Cristo, Deus fala nestes últimos dias (Hb 1.1) aos pecadores, dando-lhes oportunidades de encontrarem o perdão dos pecados, a paz com Deus, a felicidade eterna.

• Nas palavras ditas a Natanael, Jesus prometeu:”…daqui em diante vereis o céu aberto, e os anjos de Deus subirem e descerem sobre o Filho do homem ” (Jo l.51). Exatamente como na escada de Jacó, por onde os anjos subiam e desciam, também os anjos sobem primeiro, depois descem. Anjo tem o sentido de mensageiro ou enviado. A aplicação pode ser feita às nossas orações; são enviadas daqui da terra para Deus por Jesus, e as respostas de Deus vêm por Ele também. “E tudo quanto pedirdes em meu nome eu o farei…” (Jo 14.13).

III.5 – O CORDEIRO PASCOAL:

• Êx 12.3-14 - A palavra de Deus a Moisés trouxe esta ordem: “Este mesmo mês vos será o princípio dos meses; este vos será o primeiro dos meses…” (Êx 12.2). O calendário comum continua o seu curso. Mas quem se identifica com Deus começa uma nova contagem de tempo. Por isso Jesus disse a Nicodemos: - “Necessário vos é nascer de novo” (Jo 3.7b). Nesta nova contagem de vida, cada um devia tomar um cordeiro para sua casa (Ex 12.3).

• O sangue do cordeiro era posto nas umbreiras e vergas de cada casa. À meia-noite viria o castigo pela morte dos primogênitos de cada família (Ex 12.12-13, 29). Onde houvesse o sangue na porta, o primogênito permaneceria vivo. O sangue era sinal de obediência a Deus e de que um substituto morreu em lugar do primogênito. - O sangue de Jesus é um refúgio para quem obedece ao Evangelho.

• A carne do cordeiro era assada no fogo (Ex 12.8). - O Salvador para realizar a Sua missão teve de ser tentado, perseguido e maltratado pelos homens.

• Era comido o cordeiro com pães asmos (sinceridade) - (I Co 5.8); e ervas amargas (Ex 12.8), arrependimento. Tinham de estar com os trajes completos, prontos para viajar (Ex 12.11). - O crente tem de estar pronto, esperando a hora de partir para a eternidade. Isto se expressa pela palavra “Vigiai” (Mc 13.37b).

• João mostra Jesus como antítipo da Páscoa, aplicando-Lhe a frase: - “Nenhum osso será quebrado” (Êx 12.46b; Jo 19.36b). “…Porque Cristo, nossa páscoa…” (I Co 5.7b).

III.6 – A COLUNA DE FOGO:

• Êx 13.21 – “E o Senhor ia adiante deles, de dia numa coluna de nuvem, para os guiar pelo caminho, e de noite numa coluna de fogo, para os alumiar, para que caminhassem de dia e de noite”’. - Esta coluna representa Jesus Cristo como pastor que vai adiante de suas ovelhas (Jo 10.4) para levá-las aos pastos verdes da abundância e às águas tranquilas da paz verdadeira.

• A influência do Senhor Jesus é mencionada pelo Salmista deste modo: “O sol não te molestará de dia nem a lua de noite” (Sl 121.6).

• Enfrentando o calor no deserto, os israelitas, guiados por Deus, recebiam a proteção da nuvem, porque o Senhor é sombra contra o calor e refúgio contra a tempestade e a chuva (Is 4.6). Feliz o crente que se abriga à sombra do Onipotente (Sl 91.l), não temerá os males, nem os problemas imaginários.

• O fogo pode ser a proteção contra os inimigos, porque Deus é um fogo consumidor (Dt 4.24). O zelo de Deus se manifestava naquela coluna, impedindo que seu povo fosse atacado. Os egípcios marchavam contra Israel, por isso a coluna de fogo da proteção, durante a noite, estava atrás dos israelitas, separando-os dos egípcios. Enquanto servia para alumiar o povo de Deus, formava escuridão para os inimigos, de modo que não puderam chegar um ao outro (Êx 14.19-20).

• A proteção de Deus sobre os que lhe pertencem continua ilustrada por esta mesma figura, “…uma nuvem de dia, e um fumo, e um resplendor de fogo chamejante de noite…” (Is 4.5b). - Se a noite da fraqueza, da dúvida ou da angústia nos alcança, Ele é o fogo, é a luz. Se o calor das responsabilidades e a correria das obrigações querem nos vencer, Ele é a sombra, o repouso. Abrigado “…no esconderijo do Altíssimo …Não temerás espanto noturno, nem seta que voe de dia” (Sl 91.la, 5).

• O fogo é a justiça divina. Para impedir que o homem pecador entrasse no Éden, Deus colocou à entrada, um querubim com uma espada de fogo (Gn 3.24).

• A Palavra do Senhor é como o fogo (Jr 23.29). Corrige nossos erros, esclarece nosso caminho, afugenta as tentações.

• A coluna de fogo à frente do povo de Deus é a presença de Jesus e de Sua palavra. Ensino, vitória, paz e abundância.

III.7 – A ROCHA DE HOREBE:

• Êx 17.6 - Na viagem do crente para a eternidade é preciso que venham as várias provações e tentações, para fortalecimento da fé (Tg l.l-2; I Pe l .6-7). Enquanto estivermos nesta carne mortal, enfren¬taremos a correção de Deus.

• O povo de Israel, diante da vitória de Deus sobre os inimigos, cantou louvores ao Senhor (Êx 15.1-21). Três dias depois faltou água e eles se esqueceram das obras de Deus, murmurando contra Moisés (Êx 15.22-25). Deus mandou colocar um lenho nas águas amargas e elas ficaram doces.

• Pouco adiante chegam a Refidim e novamente falta água. Imagine-se a aflição das famílias com crianças e animais, num deserto sem encontrar água. O povo contendeu com Moisés exigindo dele água e perguntando: “…Por que nos fizeste subir ao Egito?…” (Êx 17.3b).

• Moisés renunciou às vantagens do trono do Egito para sofrer com o povo. Foram tirados do Egito os israelitas porque clamaram ao Senhor, não suportando o cativeiro, os açoites e o trabalho. Moisés foi o instrumento de Deus, o guia, o interme¬diário nas bênçãos e instruções vindas do Senhor. Os filhos de Israel eram tão incrédulos que murmuravam contra Deus e tão ingratos que acusavam a Moisés.

• Moisés clamou a Deus. Estava identificado com a direção de cima e entregava o problema a quem podia resolver. “Então disse o Senhor a Moisés: …toma contigo alguns dos anciãos de Israel: e toma na tua mão a tua vara, com que feriste o rio: vai. Eis que eu estarei ali diante de ti sobre a rocha, em Horebe e tu ferirás a rocha, e dela sairão águas, e o povo beberá…” (Ex 17.5-6a). - A rocha é o tipo de Jesus Cristo, que foi ferido pelo juízo de Deus para nos dar a água da vida: - “Mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede…” (Jo 4.14a). Moisés executou a ordem de Deu s e água saiu da rocha ferida. “E beberam todos duma mesma bebida espiritual, porque bebiam da pedra espiritual que os seguia; e a pedra era Cristo” (I Co 10.4).

• Continuou a viagem pelo deserto. Os israelitas, depois de mais de vinte paradas, chegaram a Cades (Nm 33.15-38). Novamente faltou água e o povo, esquecido da providência de Deus, acusa Moisés e Arão. Estes não podem resolver por si mesmos, e se prostaram diante do Senhor, buscando a solução (Nm 20.1-6). Outra vez é a rocha que vai dar de beber aos sedentos, mas a ordem de Deus é diferente: “…e falai à rocha… e dará a sua água…” (Nm 20.8a).

• Em Horebe a pedra foi ferida para fazer o povo beber, como Jesus Cristo foi ferido por nós. Merece atenção a vara que Moisés empunhava, por ordem de Deus: - “Toma a vara, e ajunta a congregação tu e Aarão, teu irmão, e falai à rocha…” (Nm 20.8a). A vara era a autoridade. Com ela Moisés feriu o rio no Egito e a água se transformou em sangue. Com ela Moisés feriu a rocha em Horebe e jorrou a água. Mas a vara já tinha feito sua obra. Agora não devia ser usada. - Jesus Cristo só podia ser ferido uma vez. “Porque também Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus…” (I Pe 3.18a). Para receber a água da vida, a salvação perfeita, só é preciso falar ao Filho de Deus. Moisés, aborrecido com a murmuração do povo, feriu a rocha duas vezes (Nm 20.11), quando Deus mandou falar. Em Horebe era preciso ferir, agora em Cades era só falar.

• Moisés, o homem mais manso da terra (Nm 12.3), se irritou. Às vezes o homem impetuoso se acovarda diante da tentação; aqui o mais manso perdeu a calma. Ninguém pode confiar em seu temperamento.

• Com este ato Moisés destruiu o tipo de Jesus, que só podia padecer uma vez. O castigo de Moisés foi a proibição de entrar na Terra de Canaã (Nm 20.12 e Dt 32.51-52).”…sucedeu mal a Moisés por causa deles; Porque irritaram o seu espírito” (Sl 106.32b, 33a).

III.8 – A SERPENTE DE METAL:

• Nm 21.4-9 - O lugar onde estavam os israelitas no deserto, devia ser perto do golfo de Akaba, onde ainda hoje há serpentes e escorpiões, que atacam quem passa por lá. Naquele tempo, como castigo da murmuração, Deus mesmo mandou serpentes em maior quantidade. Quando murmuravam, vieram serpentes atormentar e matar muita gente. Quando confessaram o pecado, Moisés orou por eles e Deus mandou o livramento, o remédio (Nm 24.7-9). - Sempre que o pecador confessa o seu pecado, recebe a graça de Deus. “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo, para nos perdoar…” (I Jo 1.9a).

• Quando o filho pródigo disse: “Pai, pequei contra o céu e perante ti…” (Lc 15.21a), foi recebido com festa pelo pai.

• O publicano da parábola não tinha relatório bom para apresentar a Deus, só disse: “…Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador” (Lc 18.13b). Voltou para casa justificado.

• O malfeitor que morreu ao lado de Jesus, reconheceu que pelos seus feitos só merecia o castigo da cruz. Depois de fazer esta confissão, apelou para Jesus, dizendo: - “Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino” (Lc 23.42b). Ouviu a resposta: - “…hoje estarás comigo no paraíso” (Lc 23.43b).

• No momento em que o povo de Israel disse: “…Havemos pecado…contra o Senhor e contra ti…” (Nm 24.7a), veio a providência de Deus; Moisés recebeu ordem de Deus para fazer uma serpente de metal, e colocá-la numa haste. Quem olhasse para a serpente ficaria curado, seria livre do veneno fatal. Colocada num mastro elevado, poderia ser vista de qualquer parte do acampamento. Seria livre da morte quem olhasse, em obediência ao Senhor que tinha poder para curar.

• Na palestra com Nicodemos, Jesus declarou: “E, como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado; Para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.14-15).

• A humanidade foi atingida pela serpente que tentou Adão e Eva (Gn 3.1-15; Ap 12.9) e está condenada à morte eterna. Só olhando para Jesus pela fé, recebe a vida.

• Aquele que foi levantado na cruz, fazendo-se pecado por nós, é o único meio de salvação, o único caminho para o céu, o único remédio para os males do pecado e da condenação.

• “Olhai para mim, e sereis salvos, vós, todos os termos da terra; porque eu sou Deus, e não há outro” (Is 45.22).

• “Olhando para Jesus, autor e consumador da fé…” (Hb 12.2a).

• No tempo dos reis, Ezequias, fazendo reformas religiosas e corrigindo os costumes, mandou destruir aquela serpente de metal, porque o povo estava prestando culto a ela (II Reis 18.4). Não tinha valor espiritual, foi só sinal para uma época, um tipo do Filho de Deus crucificado.

III.9 – A ESTRELA:

• Nm 24.17 – “Uma estrela procederá de Jacó e um cetro subirá de Israel” - É verdade que este pensamento foi pronunciado por Balaão, elemento classificado como profeta mau, rejeitado por Deus (Nm 31.8; II Pe 2.15). O rei dos moabitas chamou Balaão para amaldiçoar o povo de Israel, mas Deus trocou em bênção a maldição (Dt 23.4-5), de modo que as palavras dele são verdadeiras profecias de bênçãos, confirmadas por outras passagens das Escrituras.

• Jesus Cristo: é esta Estrela que procede de Jacó. O versículo citado aqui é em estilo poético. Apresenta um caso muito comum na poesia hebraica, o paralelismo, que consiste em repetição do pensamento em diferentes palavras. “Uma estrela procederá de Jacó” é a mesma ideia de “um cetro subirá de Israel”.

• Estrela, ou cetro na linguagem oriental, significa emblema de rei, de governo, de autoridade. Em Daniel 8.10 as estrelas são reis e governos. O Evangelho de Mateus apresenta Jesus como Rei dos Judeus. Começa com a genealogia chamando: “…Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão” (Mt 3.1). E logo na terceira geração está o nome de Jacó (Mt 1.1-12).

• Mateus é também o único que narra a história dos magos, que vieram a Jerusalém para adorar “o Rei dos Judeus” e foram avisados por Deus por meio de uma estrela.

• A estrela é Jesus Cristo em sua manifestação aos crentes quando veio buscar sua Igreja. Pedro recomenda a prestar atenção à palavra dos profetas, considerada como luz num lugar escuro “…até que o dia esclareça, e a estrela da alva apareça em vossos corações” (II Pe 1.19b).

• Quando voltar ao mundo, o Senhor Jesus será para os salvos como estrela da alva, que só é vista pelos que acordam cedo.

• Para julgar os incrédulos, no aparecimento com os seus santos (Jd 14,15), ele será como “…o Sol da Justiça…” (Ml 4.2a).

• No fim da revelação bíblica, Jesus mesmo se apresenta como a estrela da manhã. Depois das visões do juízo, nas admoestações do livro de Apocalipse, o Senhor Jesus Cristo tem uma palavra de conforto, recomendando aos seus servos a santificação: ‘ ‘Eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um segundo a sua obra” (Ap 22.12).

• Ele é o cetro e a estrela de Números 24.17: - “Eu, Jesus, enviei o meu anjo, para vos testificar estas coisas nas igrejas: eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandescente estrela da manhã” (Ap 22.16).

III.10 – URIM E TUMIM:

• Êx 28.30 – “Também porás no peitoral do juízo Urim e Tumim, para que estejam sobre o coração de Aarão, quando entrar diante do Senhor; assim Aarão levará o juízo dos filhos de Israel sobre o seu coração diante do Senhor continuamente.” - As palavras “Urim” e “Tumim” tem um sentido comum na língua hebraica: Urim significa luzes e Tumim perfeições. Mas como símbolo nos paramentos do sacerdote, não se sabe o que eram num sentido material.

• Os rabinos judeus e os teólogos evangélicos, na sua maioria, concordam que não havia um objeto com nenhum destes nomes. Era uma parte do cerimonial da apresentação do povo a Deus, pelo sacerdote. A única relação que se vê é com as pedras que representavam as doze tribos de Israel.

• Havia duas pedras, cada uma com seis nomes de tribos, que iam no éfode, que era roupa do sacerdote, em alguns de seus ofícios (Êx 28.9-12).

• Também no peitoral, numa peça que o sacerdote colocava sobre o éfode, havia as doze pedras de acordo com as doze tribos (Êx 28.15-21).

• O lugar do “Urim” e “Tumim” é o que vem no texto acima: - “Também porás no peitoral do juízo, Urim e Tumim…” (Êx 28.30).

• Concluímos então que, quando o sacerdote punha todos os paramentos, incluindo o peitoral e as pedras, com os nomes das doze tribos, estava com “Urim” e “Tumim”, apto para interceder pelo povo e representando o juízo de Deus.

• Colocado sobre o coração do sacerdote, estava ele qualificado como juiz e intercessor. Ia ao Santo dos Santos, punha a mão sobre aqueles símbolos, pedia pelo povo e Deus respondia no meio de sua glória.

• Aproveitando as expressões “sobre o coração de Aarão” e “continuamente”, poderemos entender que “Urim” e “Tumim” são tipos de Jesus Cristo: Ele leva os Seus remidos no coração porque “como havia amado os seus, que estavam no mundo, amou-os até o fim” (Jo 13.1). E “…permanece eternamente. ..vivendo sempre para interceder por eles” (Hb 7.24a, 25b).

• “Urim” e “Tumim”, com seus significados, falam das duas naturezas do Senhor Jesus: Luzes lembram sua divindade, porque Deus é luz; Perfeições expressam sua humanidade sem pecado.

• O fato dos significados destas palavras virem no plural, é a aplicação dos salvos: sendo muitos milhares e cada crente sendo a luz do mundo, os que forem lavados pelo sangue do Cordeiro serão muitos e brilharão como luzes. Do mesmo modo, os crentes de todas as épocas e de todas as nações, transformados pela graça de Deus, purificados do pecado, serão perfeições perante Ele.

• A humanidade perfeita de Jesus quer dizer Seu modo de andar por aqui no mundo. A palavra “Tumim”’ vem algumas vezes no Velho Testamento e pode ajudar a entender seu significado.

• “…Noé era varão justo e reto…” (Gn 6.9b). No hebraico a palavra reto é “Tumim”.

• Deus disse a Abraão: “…anda em minha presença e sê perfeito”. (Hebraico: Tumim- Gn 17:1).

• O cordeiro será sem mancha. (Sem mancha ou “sem mácula” - Hebraico: Tumim, Êx 12.5).

• Uma referência à obra de Deus: - “Ele é a Rocha, cuja obra é perfeita…”. (”Perfeita” - hebraico: Tumim - Dt 32.4a).

• O Senhor Jesus é o Sumo Sacerdote tipificado em “Urim” e “Tumim”, leva-nos sobre o coração com Seu amor eterno, intercedendo por nós perante o Pai. Quando Ele vier, nos levará para si mesmo. Transformados e revestidos de sua glória, os muitos milhares de crentes participarão destas luzes e perfeições. E Ele será glorificado nos seus santos.

IV – CONSIDERAÇÕES FINAIS:

• Conforme demonstrado, por intermédio de alguns tipos de Jesus, podemos concluir que Jesus é, de fato, o Messias que havia de vir ao mundo. O próprio Jesus disse aos discípulos a caminho de Emaús: - “Ó néscios e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram! Porventura não convinha que o Cristo (O Messias) padecesse e entrasse na sua glória? E, começando por Moisés, discorrendo por todos os profetas, expunha-lhes o que a seu respeito constava em todas as Escrituras…” – Lc 24:25-27

• Sejamos diligentes para crermos tudo o que os profetas disseram a respeito de Jesus. Isto porque, por detrás e por baixo da Bíblia, acima e além da Bíblia, está o Deus da Bíblia. Ela nos apresenta Jesus Cristo, o

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Igreja Evangélica Assembleia de Deus
Rua Frederico Maia, 49 Viçosa - Alagoas

LIÇÃO 08 – JOÃO BATISTA - O ÚLTIMO PROFETA DO ANTIGO PACTO
INTRODUÇÃO
A vida e ministério do profeta João Batista são relatados em algumas passagens dos evangelhos. Quem trás um relato mais minucioso de seu nascimento e atuação é o evangelista Lucas. Aquele que foi o último profeta veterotestamentário estava previsto no AT para ser o precursor do Messias. Em João Batista, as profecias referentes a Ele são concretizadas e a mensagem sobre arrependimento como condição para entrar no reino dos céus é ouvida em Israel. Nesta lição estudaremos sua vida e seu ministério profético.
I – O ANÚNCIO DO NASCIMENTO DE JOÃO BATISTA
O nascimento de João Batista foi vaticinado pelas Escrituras Sagradas em (Is. 40.3-7). Seiscentos anos depois a profecia seria cumprida na família do sacerdote Zacarias (Lc.1:5;17; Mt. 11.14). Neste tempo, Herodes, “o “Grande”, como ficou conhecido, era o governador da Palestina e parte da Transjordânia como rei dos Judeus, de 37 a 4 a.C. Os pais de João eram da linhagem aarônica e pertenciam ao grupo sacerdotal de Abias. As divisões das famílias arônicas em 24 grupos foi realizada por Davi e os descendentes de Abias formavam o oitavo grupo (1Cr. 24.10). Estima-se que nesta época existiam 20 mil sacerdotes espalhados por todo Israel. A oportunidade de entrar no santuário era única para um sacerdote daquele tempo, de qualquer um desses 24 grupos, para ofertar o incenso no altar pela manhã. Deus conduziu a situação, e, nesse momento singular para Zacarias, anunciou o nascimento de João. “Mas o anjo lhe disse: Zacarias, não temas, porque a tua oração foi ouvida, e Isabel, tua mulher, dará à luz um filho, e lhe porás o nome de João” (Lc 1:13). O nome João significa “O Senhor é gracioso”, isto aponta para o tempo da Graça, que iniciaria na pessoa de Jesus Cristo.
II – CARACTERÍSTICAS DO PROFETA JOÃO BATISTA
Como qualquer homem, ele tinha características próprias que o tornava uma pessoa única no mundo; mas, outras foram especialmente concedidas por Deus, que o tornou o personagem que marcou a transição do Antigo para o Novo Testamento “A Lei e os Profetas duraram até João; desde então, é anunciado o Reino de Deus, e todo homem emprega força para entrar nele.” (Lc 16:16). João foi o arauto da vinda do Messias para Israel, e, por isso, o Senhor o dotou de características que o diferenciaram de todos os outros, ao ponto de Jesus dizer: “Em verdade vos digo que, entre os que de mulher têm nascido, não apareceu alguém maior do que João Batista…” (Mt 11:11).
2.1 Foi cheio do Espírito Santo desde o ventre materno. “Porque será grande diante do Senhor, e não beberá vinho, nem bebida forte, e será cheio do Espírito Santo, já desde o ventre de sua mãe” (Lc 1:15). O texto em apreço, ao mencionar a proibição da “bebida forte”, mostra também o nazireado, um antigo voto de consagração total a Deus (Nm 6.1-8), observado por Sansão (Jz cap.13) e Samuel (1 Sm 1.11). Isso demonstra que João foi separado para realizar uma obra especialmente para Deus.
2.2 Chamado de Profeta do Altíssimo. “E tu, ó menino, serás chamado profeta do Altíssimo..” (Lc 1:76). Durante cerca de 400 anos (período inter-bíblico) não houve voz profética em Israel; mas, quando João aparece no deserto da Judéia, pregando o arrependimento, o povo o considerou como profeta. (Mc. 11.32).
2.3 O Arauto da vinda do Messias. “Como está escrito no profeta Isaías: Eis que eu envio o meu anjo ante a tua face, o qual preparará o teu caminho diante de ti. Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas.” (Mc 1:3). O profeta Isaías teve a oportunidade de predizer sobre o Messias prometido (Is. 53); o salmista falou dele no Salmo 22; mas, somente João Batista teve o privilégio de preparar suas veredas e também de batizá-lo (Mc. 1.9).
O que torna João Batista singular na história bíblica, além dessas características especiais dada por Deus, é o seu caráter que se mostra comprometido com o Senhor e sua Justiça (Lc. 3.11-14) e o momento certo de sua aparição no cenário religioso judeu (Lc. 3.2) quanto na plenitude dos tempos (Gl. 4.4). Estas características foram o que lhes deram as credenciais necessárias para o desenvolvimento de seu ministério profético, isto numa época em que a religiosidade era fria (Mt. 5.20; 7.3; 23.27) e a esperança messiânica se resumia na vinda de um líder que iria libertar Israel do jugo romano.
III – O MINISTÉRIO PROFÉTICO DE JOÃO BATISTA
O início do ministério profético de João se dá no quinto ano do reinado de Tibério César, imperador de Roma, e a Judeia estava sob o seu domínio. Anás e Caifás eram os sumos sacerdotes (Lc. 3.1). Embora Roma, através do seu oficial romano tivesse substituído Anás, os judeus ainda consideravam sua autoridade sacerdotal (Jo 18.13; At. 4.6). É por isso que Lucas o inclui neste período. Os grupos religiosos da época eram os fariseus e os saduceus; a vida religiosa era marcada pela hipocrisia e pelo legalismo (Mt. 6.16). É neste momento que a palavra do Senhor veio a João, assim como veio aos profetas do A.T. (Is 38.4; Jr.1.2; Ez 1.3; Os.1.1; Jl. 1.1). O local onde João encontrava-se era o lado ocidental do rio Jordão – o deserto da Judéia. Lugar onde ficou durante muito tempo até se mostrar a Israel: “E o menino crescia, e se robustecia em espírito. E esteve nos desertos até ao dia em que havia de mostrar-se a Israel.” (Lc. 1.80). A Bíblia não registra os eventos que ocorreram na vida de João durante este período no deserto, mas acreditamos que foram significativos para o desenvolvimento de sua chamada profética. Merecem destaque duas características de seu ministério profético:
3.1 Pregação Messiânica. A proclamação do advento de Cristo era não somente o tema da sua mensagem, mas a verdadeira razão da existência de seu ministério: “No dia seguinte, João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.” (Jo. 1.27).
3.2 Intolerância contra o pecado: João condenou a injustiça social (Lc. 3.12-13); o pecado de Herodes por causa de Herodias, mulher de Felipe, seu irmão (Mc. 6.17); e reprovou a hipocrisia dos fariseus, convocando-os a terem frutos dignos de arrependimento. (Mc. 3.7,8).
Com o encarceramento de João no ano 28 d.C. (Flávio Josefo, Historiador Judeu, afirma que a prisão ficava situada em Machareus, uma fortaleza de fronteira ao sul da Peréia e a leste do mar morto) e a posterior morte por decapitação, chegou ao fim o ministério daquele de quem o próprio Jesus disse: “Porque é este de quem está escrito: Eis que diante da tua face envio o meu anjo, que preparará diante de ti o teu caminho” (Mt. 11:10).
IV – A PREGAÇÃO DE JOÃO BATISTA
“Arrependei-vos, porque é chegado o Reino dos céus. Porque este é o anunciado pelo profeta Isaías, que disse: Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas.” ( Mt 3:3). A pregação de João Batista se constitui em três aspectos:
4.1 A vinda do Messias. Devido a dominação romana, os judeus esperavam um Messias guerreiro, que viesse libertar politicamente Israel. Mas, o Messias apresentado por João é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (Jo 1.29); veio para libertar os homens do poder das trevas (Jo 8.36); e não exigia força bruta, mas arrependimento de coração (Mt 4.17; 9.13).
4.2 A necessidade do arrependimento. O termo grego, “metanóia”, empregado nessa passagem, tem um significado mais profundo do que simplesmente arrepender-se; João estava convocando o povo para uma mudança profunda de mente, onde criaria um verdadeiro desejo de parar de pecar e voltar-se completamente para Deus.
4.3 A chegada do Reino do Céus. O reino de Deus proclamado por João é o governo de Deus realizado pelo Messias prometido e pela presença do Espírito Santo. Este Reino tem um aspecto tanto presente quanto futuro. No sentido presente, Deus começa Seu reino na terra, nos corações e no meio de Seu povo (Jo 14.23; 20.22). Não é um domínio político e governamental “Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo; se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui .” (Jo 18.36). É uma conquista de almas presas ao pecado, e o critério para entrar neste Reino é o verdadeiro arrependimento que conduz a uma nova vida. No sentido futuro, a manifestação da glória e do seu poder ocorrerá quando Jesus voltar para julgar o mundo (Lc. 21.27; Ap 19.11-20; 20.1-6) e triunfar sobre todo mal e oposição (1Co 15.24-28; Ap 20.7- 21.8).
CONCLUSÃO
A vida de João Batista se destaca não somente pelos eventos já estudados de sua história, tais como: seu nascimento anunciado pelos profetas, cheio do Espírito Santo no ventre materno, pregação messiânica e intolerância contra o pecado e a convocação ao arrependimento como condição essencial para entrar no Reino dos Céus; mas também pelo seu caráter comprometido com a justiça e a Santidade de Deus e o fiel cumprimento de sua missão como arauto do Messias.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Os Falsos Profetas

Igreja evangélica Assembleia de Deus
Rua fredrico maia, 49- Viçosas - Alagoas
Objetivo: Destacar o perigo que a igreja corre diante dos falsos profetas e mostrar que o falso ensinamento é combatido pela Palavra de Deus.

INTRODUÇÃO
O engano sempre se apresentou como alternativa diante da verdade. Os falsos profetas ostentam serem donos da verdade, mas vendem mentiras. Na aula de hoje, aprenderemos a avaliar os falsos profetas, tais como Hananias, que se opôs à mensagem apregoada por Jeremias.

1. VERDADEIROS E FALSOS PROFETAS
No Antigo Testamento, a palavra profecia é naba, cujo sentido primário é “anunciar” ou o de “ser chamado”. O fenômeno da profecia não se limitava a Israel, já que os profetas de Baal, no Carmelo, também profetizaram (I Rs. 19.29). Mas tais profecias não tinham o aval divino. O Deus de Israel chama seus profetas para denunciar os erros dos governantes, ainda que esses tenham o apoio de falsos profetas ( I Rs. 22.1-28). Os profetas Jeremias e Ezequiel também se posicionaram contra aqueles que profetizavam de acordo com os intentos pessoais (Jr. 14.14-16. Ez. 11.4; 13.2). Diferentemente dos falsos profetas, o verdadeiro profeta não fala de si mesmo, mas em nome do Senhor. Para evitar que o povo fosse conduzido pelo engano, fazia-se necessário testar as profecias, avaliar se as palavras provinham do Senhor (Dt. 18.21,22; 13.1-3) e se a vida do profeta condizia com o que proclamavam (Jr; 23.9-13). No Novo Testamento, a profecia, propheteia em grego, é uma predição a respeito do futuro, ainda que, em sentido amplo, se refira a todo e qualquer anúncio feito a partir de Deus (Ap. 19.10; 11.6). Há citações constantes, ao longo do Novo Testamento, às profecias do Antigo Testamento (Mt. 13.14; II Pe. 1.10,20; Jd. 14). João Batista (Lc. 1.76) e Jesus (Mt. 21.11; Jo. 4.44) são reconhecidos como profetas. Mas existem outras menções a profetas no Novo Testamento, tais como Judas e Silas, que encorajavam os irmãos (At. 15.32) e Ágabo que predizia o futuro (At. 21.10,11).

2. HANANIAS, UM FALSO PROFETA
Jeremias, por volta do ano 594 a C., teve um encontro com um falso profeta que estava animando e consolando o povo, com palavras de paz. Seu nome era Hananias e se destacava por não levar a sério a proclamação de juízo de Jeremias. O Profeta estava ciente da verdade em suas palavras, pois havia sido o próprio Senhor que havia falado. O cumprimento cabal da mensagem profética iria demonstrar, àquele falso profeta e a todo o povo descrente, que Deus velava pelas suas palavras para cumpri-las. A resposta de Jeremias, à incredulidade do falso profeta, foi sarcástica, disse ele: “Amém! Assim faça o Senhor; confirme o Senhor as tuas palavras, que profetizaste, e torne ele a trazer os utensílios da casa do Senhor, e todos os do cativeiro de Babilônia a este lugar” (v. 6). Dentro de poucos dias o povo de Judá estaria debaixo do jugo de Nabucodonozor, o rei da Babilônia. Aqueles que falam em nome do Senhor, em conformidade com a Sua Palavra, não precisam se exasperar, basta apenas esperar, pois passará os céus e a terra, mas não a Palavra que o Senhor falou (Mc. 13.31). No caso específico de Hananias, sua incredulidade resultou em ruína e sua morte foi iminente. O julgamento imediato de uma pessoa, com a morte imediata, como aconteceu com os seguidores de Coré (Nm. 16), Uzá (II Sm. 6), Hananias (Jr. 28.17), Pelatias (Ez. 11.13) e Ananias e Safira (At. 5.1-11) não pode ser generalizada, mas também não pode ser descartada, pois o Senhor, em Sua soberania, age como quer. Essa verdade deve motivar à obediência, afinal, “horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo” (Hb. 10.31).

3. O DOM ESPIRITUAL DE PROFECIA
Em I Co. 14 Paulo categoriza os dons espirituais que atuam na igreja, esses com vistas à edificação do Corpo de Cristo. Dentre eles o da profecia, o qual recebe certa singularidade, haja vista sua função espiritual, comparada a de falar línguas, uma vez que quem fala línguas edifica apenas a si mesmo, e quem profetiza edifica toda a igreja (I Co. 14.1-4). Ainda assim é necessário que o dom profético seja manifestado com decência e ordem. Entre os que profetizam apenas dois ou três podem falar, e devem saber que a profecia está sujeita a julgamento. Como os bereanos, os crentes, na igreja, devam julgar a profecia à luz da palavra de Deus (At. 17.11). Isso porque existem profecias que partem dos próprios sentimentos humanos (At. 21.4,12). Alguns princípios devam ser observados em relação ao dom de profecia: 1) qualquer crente que tenha experimentado o enchimento do Espírito pode profetizar (At. 2.16-18); 2) a igreja não deve ter o dom profético como infalível (I Jo. 4.1; I Ts. 5.20,21); 3) toda profecia precisa ser avaliada pela Palavra de Deus e contribuir para a santificação da igreja; e 4) a direção do Espírito, através da profecia, é dada à igreja (I Co. 12.11). Portanto, urge que a igreja valorize os dons espirituais, principalmente o da profecia. Nesses tempos materialistas, há igrejas que não mais se importam com os dons espirituais. A esse respeito é válida a recomendação de Paulo: “Não extingais o Espírito” (I Ts. 5.19). Mas é preciso também atentar para o fruto do Espírito, pois o amor é o caminho sobremodo excelente (I Co. 13) e o andar no Espírito uma instrução para todo crente (Gl. 5.22).

CONCLUSÃO
Existem profecias que são falsas e verdadeiras. O Espírito Santo, porém, não é Deus de confusão. Por essa razão, não precisamos fugir das profecias dadas pelo Senhor. Antes devemos buscar, com zelo, os dons espirituais, dentre eles o de profetizar. Em relação às falsas profecias, como Jeremias, precisamos ficar atentos à voz de Deus. Quando conhecemos a verdade de Deus, identificamos facilmente o engano. As profecias verdadeiras, por sua vez, atuam poderosamente sobre a igreja, exortando, consolando e edificando os crentes (I Co. 14.3).

Os falsos Profetas

Igreja Evangélica Assembleia de Deus
Rua Frederico Maia, 49- Viçosa Alagoas

Leitura Bíblica em Classe
Romanos 9.25-29

I. A falsa mensagem profética
II. O falso profeta desmascarado
III. O dom de discernimento é o grande inimigo dos falsos profetas
ACAUTELAI-VOS. OUTRA VEZ VOS DIGO: ACAUTELAI-VOS!

Prezado professor, veja o que diz o texto de Mateus 7.15-20:

Acautelai-vos [grifo nosso], porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores.
Por seus frutos os conhecereis. Porventura, colhem-se uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos?
Assim, toda árvore boa produz bons frutos, e toda árvore má produz frutos maus.
Não pode a árvore boa dar maus frutos, nem a árvore má dar frutos bons.
Toda árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo.
Portanto, pelos seus frutos os conheceres.

A presente perícope (ou parágrafo) do Evangelho de Mateus inicia-se com uma expressão imperativa: Acautelai-vos. O texto orienta o leitor a viver de maneira prudente, vigilante e sóbria.

Por que existe essa necessidade no meio de um povo que confessa o nome de Deus? Porque é no seio desse povo que os falsos profetas manipularão o maior número possível de pessoas destacando as suas principais características:

Simulação da espiritualidade cristã;
O uso da linguagem do povo cristão;
Apresentação de uma suposta autoridade espiritual;
O uso do nome de Jesus para justificar sua fala.
Além das características acima, de acordo com a Didaquê [1] os falsos profetas têm um apego desenfreado ao dinheiro. O seu verdadeiro deus é a riqueza material. Tudo o que fazem gira em torno da aquisição de tal riqueza. Através da manipulação de um povo carente e simples, os falsos profetas atingem seus objetivos.

Eles, os falsos profetas, também “amam” a multidão. Ela é o seu sustento de vida. Os falsos profetas têm poder porque a multidão, uma vez transformada em sujeito coletivo, proporciona a plataforma ideal para forjá-los como ídolos. E o ídolo é inquestionável, obedecido cegamente, está acima de tudo e de todos. Sua palavra sempre denotará ordem, e se esta não for cumprida há uma “promessa” de maldição na vida do desobediente.

Tudo o que os falsos profetas desejam é serem aclamados como ídolos do povo. Eles sabem que é a multidão que os nomeiam e ratifica suas “autoridade”.

“Acautelai-vos“! Esse é o imperativo de Jesus Cristo. Ele nunca foi tão atual! Se os falsos profetas não fossem tão parecidos com os verdadeiros, essa expressão não faria sentido. Por isso o Mestre de Nazaré propõe uma inserção de sobriedade, coerência e senso crítico na mente de todos que buscam honestamente fazer a vontade de Deus.

A melhor maneira de reconhecer a falsidade do profeta é atentando para a produção de seu suposto ministério. Nesse caso algumas perguntas devem ser feitas:

1. A pregação e a vida de tal profeta coadunam?
2. Há simplicidade no seu estilo de vida?
3. Ele costuma bajular uma liderança eclesiástica em detrimento do povo?
4. O profeta é fissurado em multidão e indiferente aos indivíduos?
5. Ele sempre deseja os lugares mais altos?

A lista de perguntas pode continuar porque ela é imensa. O povo de Cristo precisa entender que o exercício de investigar, questionar e enxergar não é pecado. O Senhor Jesus Cristo deu todo o aval para que seu povo busque a defesa em sua Palavra. O apóstolo Paulo em sua despedida encorajou os presbíteros de Éfeso a serem cuidadosos por causa dos falsos obreiros que surgiriam entre eles (At 20.30,31). O apóstolo Pedro também foi enfático nessa necessidade informando até que os falsos mestres fariam da igreja negócios (2 Pe 2.3). A realidade é dura: nos últimos dias a avareza tomará conta de todas as relações majoritárias da igreja (2 Tm 3.1-9). Por isso a cautela, o imperativo de Cristo, deve estar nas mentes, dos filhos de Deus, como um software programado está no computador. Os filhos de Deus precisam ser autônomos, como é o software no computador, para discernir, descobrir e enxergar as incoerências feitas em nome de Jesus.

Professor, precisamos colocar essas questões diante dos nossos alunos sem economizar nos detalhes da análise. O seu aluno precisa criar instrumentos autônomos para identificar aquilo que é maléfico para sua vida. O seu trabalho, na lição deste domingo, é conscientizá-lo de que o discernimento, o senso crítico e a prudência são fatores indispensáveis nos dias em que a “mesa do reino” tem sido tão maltratada.

Boa Aula!