Seguidores

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

9ª lição do 1º trimestre de 2014: UM LUGAR DE ADORAÇÃO A DEUS NO DESERTO


Texto Básico: Êxodo 25:1-9


 “E me farão um santuário, e habitarei no meio deles” (Êx 25:8).

INTRODUÇÃO

Desde o inicio, na criação, Deus estabeleceu com os homens um relacionamento íntimo e de comunhão (Gn 3:8), para que lhe fosse prestado um culto de louvor. Noé e seus descentes, assim como os patriarcas Abraão, Isaque e Jacó mantinham viva essa relação cultual por meio de sacrifícios prestados em altares de pedra (Gn 8:20; Gn 12:7; 26:25; 35:1,2). Após o êxodo, Deus queria habitar no meio de Israel, por isso Ele ordenou e orientou a Moisés que, juntamente com o povo recém-liberto da escravidão do Egito, estabelecesse um local e um ritual para o culto que deveriam prestar a Ele (Êx 25-30). Esse lugar seria o “Tabernáculo” (hebraico mikadesh,santuário), um lugar de adoração ao único Deus verdadeiro. O Tabernáculo foi, durante os anos de peregrinação pelo deserto, o lugar de encontro de Deus com o seu povo; ali, o Todo-poderoso revelou-se e recebeu adoração (Êx 40:34,35). Esse santuário simboliza a verdade de que lugares secos e áridos enchem-se de vida com a presença de Deus entre o Seu povo! (Sl 58:11; 2Tm 1:10).

A ideia central do Tabernáculo era que Deus habitava entre o seu povo; sua plena realização encontra-se na encarnação de Cristo: “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós” (literalmente, fez tabernáculo entre nós, João 1:14). Daí que se chama Emanuel, “Deus conosco” (Mt 1:23). Em nossos dias a presença de Deus se manifesta na igreja por meio do Espírito Santo que habita nos cristãos (Ef 2:21,22).

Nesta Aula trataremos sobre o verdadeiro culto com os princípios eternos subjacentes nas instruções divinas para a construção do Tabernáculo, um lugar de adoração a Deus no deserto.

I. AS INSTRUÇÕES PARA A CONSTRUÇÃO DO TABERNÁCULO



Quando o povo de Israel saiu do Egito em direção à Terra Prometida, Deus mandou Moisés construir o Tabernáculo - “E me farão um santuário, para que eu possa habitar no meio deles”(Ex 25:8). Foi construído conforme as orientações concedidas por Deus a Moisés, para que Ele pudesse manifestar Sua presença e receber a devida adoração.

Sempre que se procedia à montagem do Tabernáculo, era feita de dentro para fora, ou seja, do Santo dos Santos para o Pátio, simbolizando a forma como Deus opera na vida do ser humano: a partir do seu interior. A tarefa de montar e desmontar o Tabernáculo cabia apenas aos levitas (Nm 3:6-8).

O Tabernáculo tinha vários nomes. Em regra geral, chamava-se "tenda" ou "tabernáculo" por sua cobertura exterior que o asseme­lhava a uma tenda; também se denominava "tenda da congregação", porque ali Deus se reunia com o seu povo (Êx 29:42-44); visto como continha a Arca e as tábuas da lei, chamava-se "tabernáculo do testemunho" (Êx 38:21) - testificava da santidade de Deus e da pecaminosidade do homem; chamava-se, além disso, "santuário" (Êx 25:8), porque era um lugar de culto ao Senhor e de sua santa presença.

1. O propósito divino.  Embora em sentido literal seja impossível que a presença de Deus se limite a um lugar (Atos 7:48,49), pois "o Altíssimo não habita em templos feitos por mãos", o Tabernáculo tinha um propósito precípuo: lembrar ao povo que ele possuía o privilegio incomparável de ter o Senhor no meio de Israel. No Tabernáculo, Deus se fazia presente como Rei do seu povo e recebia culto de louvor e adoração. Para além disso, o Tabernáculo também era o símbolo do relacionamento e da intimidade do ser humano com Cristo - “Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne, e tendo grande sacerdote sobre a casa de Deus, aproximemo-nos, com sincero coração (…). Guardemos firme a confissão da esperança, sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel”(Hb 10:19-23).

Entendendo melhor...

O Tabernáculo tinha os seguintes propósitos:

a) Proporcionar um lugar onde Deus se manifestasse entre seu povo (Êx 25:8; 29:42-46; Nm 7:89). Aí o Rei invisível podia encontrar-se com os representantes de seu povo e eles com o Rei. Até aquele momento, Deus já havia se manifestado várias vezes em favor de Israel, mas não fora visto ainda “no meio deles”. Quando Deus falava a Moisés no monte, o povo assistia à distância, impactado pela visão dos raios projetados lá de cima. Agora, porém, Deus está dizendo que a sua presença, que os assistira até ali, estaria permanentemente no meio do arraial, representada por um santuário erguido sob Sua orientação. O Tabernáculo lembrava também aos israelitas que Deus os acompanhava em sua peregrina­ção.

b) Ser o centro da vida religiosa, moral e social. O Tabernáculo sempre se situava no meio do acampamento das doze tribos (Nm 2:17), e era o lugar de sacrifício e centro de celebração das festas nacionais.

c) Representar grandes verdades espirituais que Deus desejava gravar na mente humana, tais como sua majestade e santidade, sua proximidade e a forma de aproximar-se de um Deus santo. Os objetos e ritos do Tabernáculo também prefiguravam as realidades cristãs (Hb 8:1,2, 8-11;10:1). Desempenhavam um papel importante em preparar os hebreus para receber a obra sacerdotal de Jesus Cristo.

Observação: o “Tabernáculo” não se trata de morada de Deus. O principal objetivo do Tabernáculo (Mikadesh, santuário) é “... e habitarei no meio deles” (Êx 25:8b), ou seja, entre eles, e não “nele” (“shakan”); com isso se chega à absoluta negação do antropomorfismo, no sentido de morada de Deus. O Templo, Tabernáculo, não é morada de Deus, mas dos homens, e seu principal objetivo é o de aperfeiçoar a condição humana à condição divina.

2. As ofertas. O Tabernáculo foi construído com as ofertas voluntárias do povo hebreu (cf. Êx 25:2-7). Deus desejava ver um coração bem disposto. Ninguém foi obrigado a ofertar, mas não poderia ofertar qualquer coisa; teriam que se enquadrar dentro de uma lista predeterminada pelo Senhor (Êx 25:3-7). Eram ofertas custosas, pois se calcula que por si sós equivaleriam hoje a mais de um milhão de dólares.

Êxodo 35:4-29 demonstra quão importante era para o Senhor que cada um tivesse a oportunidade de dar alguma coisa. Precisava-se de metais, materiais e tecidos de todos os tipos. Todos podiam dar segundo o que possuíam. Deus não depende de uns poucos homens ricos para pagar as contas. Deseja que todos desfrutem a emoção e a bênção de partilhar o que têm. Os israelitas deram com alegria, e foi tão abundante que foi necessário suspender a oferta (Êx 36:5-7). Para o povo de Deus da nova aliança, a Palavra de Deus nos ensina que o fator motivante para a contribuição do crente é a alegria (2Co 9:7).

Além das ofertas materiais, Deus exigiu deles habilidade, conhecimento e trabalho (cf. Êx 35:25,26; 36:2,4). As mulheres, também, emprega­vam suas habilidades fiando tecidos primorosos. Bezaleel e Aoliabe foram chamados pelo Senhor e ungidos com o Espírito para desenvolver projetos, trabalhar os metais e ensinar a outros. Deus concede ministérios especiais a alguns e trabalho para todos.

3. Tudo segundo ordenança divina. Quem fez a planta do tabernáculo? Todos os detalhes foram feitos de acordo com o desenho que Deus mostrou a Moisés no Monte Sinai (Êx25:9,40;26:30;35:10). Isto nos ensina que é o próprio Deus quem determina os pormenores relacionados com o culto verdadeiro. Ele não aceita as invenções religiosas humanas nem o culto prestado segundo prescrições de homens (Cl 2:20-23); temos de adorar a Deus da forma indicada em sua Palavra.
Ao construir o Tabernáculo estritamente conforme às ordenanças de Deus, os israeli­tas foram recompensados, pois a glória do Senhor encheu a “tenda” e a nuvem do Senhor permaneceu sobre ela (Êx 40:34-38). Igualmente conosco, se desejamos a presença e bênção divinas, temos de cumprir as condições expressas na Palavra de Deus.
O Tabernáculo, assim como o homem é composto de três partes principais: o Pátio, o           Lugar santo e o Santo dos santos (visto de fora para dentro).

Uma curiosidade é que quando o Tabernáculo era montado, a cada vez que o povo de Israel parava no deserto, ele era montado de dentro para fora, ou seja, do Santo dos santos até o Pátio! Aprendemos aqui que o Eterno inicia seu tratamento conosco a partir de dentro, daquilo que temos de mais interior: o espírito.

As divisões citadas do tabernáculo representam corpo, alma e espírito. E é justamente por causa disso que o Eterno inicia seu processo de redenção no homem a partir do espírito, pois o Espírito de Deus tem comunhão com o nosso espírito nos religando ao nosso Criador.

II. O PÁTIO DO TABERNÁCULO

1. O pátio. “Farás também o pátio do tabernáculo” (Êx 274:9). Esse Pátio tinha um formato retangular e media cerca de 45 metros de comprimento por 22 metros de largura (Êx 27:18). Ele era cercado por cortinas e havia uma única entrada para ele. O Pátio cercado por cortinas simbolizava a separação que deve haver para adoração a Deus. Silas Daniel citando Mattew Henry diz que o “pátio era um tipo da igreja, fechada e separada do resto do mundo, encerrada por colunas, indicando a estabilidade da igreja, fechada com o linho limpo, que está escrito que é a justiça dos santos (Ap 19:8). Este eram os átrios pelos quais ansiava Davi e onde ele anelava residir (Sl 84:2,10), e onde o povo de Deus entrava com louvor e agradecimentos” (Sl 100:4).

O Pátio ficava na parte mais exterior do Tabernáculo e era descoberto. Isso significa que quem está ali (e a maioria dos crentes ainda estão no pátio) está exposto às intempéries do tempo - sol, chuva, ventos, etc... além de tipificar a primeira experiência que todo homem deve ter para com Deus. Esta fase nos fala que o Pátio é somente uma parte do caminho a ser percorrido.

O Pátio compunha-se de três elementos: a Porta, o Altar e a Pia.

a) A PORTA. Só existia uma Porta de entrada para o Pátio; representava Cristo, que é a Única Porta de acesso a Deus, o Único Caminho para o Céu (João 10:9;14:6). A Porta do Tabernáculo ficava virada para o leste, o lado onde nasce o sol. Quando o dia nascia a primeira coisa que viam era o nascimento do sol, que simboliza Jesus Cristo. Isto nos fala de nossa primeira experiência com o Eterno: a salvação. Quando passamos pela Porta (Jesus), saímos do mundo e entramos numa nova vida. Nossa vida recomeça então a partir do zero, pois iniciamos uma nova caminhada, só que agora com Deus. Nosso objetivo e alvo é crescermos até a estatura de varão perfeito em Cristo.

b) O ALTAR. A primeira coisa que era vista pela pessoa que adentrava o Pátio era o Altar dos Holocaustos, que era feito de madeira de cetim (acácia) coberta de bronze e seu formato era de um quadrado com 2,25 metros de cada lado por 1,35 metro de altura (Êx 27:1,2). Cada canto do Altar tinha um chifre, ponta que se sobressaía em forma de chifre de boi. Os animais para o sacrifício eram atados a este chifre (Salmo 118:27). Também, se alguma pessoa era perseguida, podia apegar-se aos chifres do altar a fim de obter misericórdia e proteção (1Reis 1:50,51). Ali os animais eram imolados em sacrifício para expiação dos pecados. O sangue das vítimas era colocado nas pontas do altar e o restante dele era derramado na sua base (Lv 4:7).

Portanto, o Altar é o local de morte. É ali que nossa vida é colocada como um sacrifício para Deus. No Altar nós morremos para as nossas próprias convicções, vontades, desejos, expectativas, etc.. No Altar tem fim o velho homem. O desejo do coração do Eterno é que, após termos um verdadeiro encontro com Ele, possamos verdadeiramente morrer.

Quando o sacrifício queimava, subia um cheiro que se desprendia da vítima. E é isso que o Deus espera, que quando nossa vida for a Ele oferecida, possamos liberar um cheiro suave a fim de agradarmos ao Senhor - “Assim queimarás todo o carneiro sobre o altar; é um holocausto para o Senhor, cheiro suave; uma oferta queimada ao Senhor” (Êx 29:18).

c) A PIA DE BRONZE (Êx 30:17-21). A Pia de bronze era utilizada para o sacrifício de purificação (Êx 30:17-21). Essa lavagem cerimonial era feita com água constantemente substituída, já que não havia sistema de torneiras ou bicas disponíveis. Os sacerdotes deveriam se lavar sempre nela antes de ministrarem no interior do Tabernáculo ou no Altar dos Holocaustos.

Para o cristão, a Pia nos simboliza mais um aspecto: o batismo. Após a nossa morte, agora temos de consolidar nossa vida cristã testemunhando de forma plena a experiência da conversão. Por isso a Pia nos fala de limpeza, onde os pecados são lavados publicamente e somos integrados a uma nova realidade. Tipifica nossa morte e ressurreição a fim de vivermos uma nova vida com Cristo - “De sorte que fomos sepultados com Ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do pai, assim andemos nós também em novidade de vida” (Rm 6:4).

III. O LUGAR SANTO



LUGAR SANTO é uma fase mais interior do Tabernáculo e ele representa a alma. É ali que adentramos na presença do Eterno, pois todos os mobiliários do Lugar santo são de ouro, e o ouro nos fala da divindade, nos fala da realeza e da eternidade. Nesse lugar ficavam o Castiçal de ouro, a Mesa dos pães da proposição e o Altar do incenso. Estima-se que este lugar media 9 metros de extensão.

1. O Castiçal de ouro (Êx 25:31-40). No lado esquerdo de quem entra no Santuário está o Candelabro de Ouro com suas sete lâmpadas, feito com ouro batido (pesando 30 quilos) – “As suas maçãs e as suas canas serão do mesmo; tudo será de uma só peça, obra batida de ouro puro” (Êx 25:36). Sua "cana" ou tronco descansava sobre um pedestal. Tinha sete braços, três de cada lado e um no centro. Cada um com figuras de maçãs, flores e copos lavrados em derredor.

O Castiçal de ouro simbolizava o povo de Deus, Israel. Ensinava que Israel devia ser “luz dos gentios” (Is 49:6; 60:1-3; Rm 2:19), dando testemunho ao mundo por meio de uma vida santa e da mensagem proclamada do Senhor.

O apóstolo João utiliza a figura do castiçal: representa as sete igrejas da Ásia como sete castiçais (Ap 1:12-20); portanto, o Castiçal prefigura a Igreja de Jesus Cristo. Assim como o tronco do castiçal unia os sete braços e suas lâmpadas, assim também Jesus Cristo está no meio de suas igrejas e as une. Embora as igrejas locais sejam muitas, constituem uma só Igreja em Cristo (Hb 12:23). Também Jesus disse aos seus discípulos: “Vós sois a luz do mundo” (Mt 5:14).

O azeite utilizado no Castiçal era símbolo do Espirito Santo. Todas as tardes os sacerdotes limpavam as mechas e enchiam as lâmpadas com azeite puro de oliva a fim de que ardessem durante toda a noite (Êx 27:20,21;30:7,8). Do mesmo modo o crente necessita receber todos os dias o azeite do Espirito Santo (Sl 92:10) para que sua luz brilhe diante dos que andam na escuridão espiritual. Se o crente não tem a presença e o poder do Espirito Santo em sua vida, não será uma boa testemunha. “Enchei-vos do Espírito” (Ef 5:18) é a recomendação do apóstolo Paulo.

2. Os pães da proposição (Êx 25:30) – “E sobre a mesa porás o pão da proposição perante a minha face continuamente”. A Mesa dos pães da proposição ficava à direita do Lugar Santo. Era feita de acácia e revestida de ouro. Todos os sábados os sacerdotes punham sobre a mesa doze pães asmos, ou seja, sem fermento, e retiravam os pães envelhecidos que os sacerdotes comiam no Lugar Santo.

A frase “pães da proposição” significava literalmente “pães do rosto”, e em algumas versões da Bíblia se traduz “pão da presença”, pois o pão era colocado continuamente na presença de Deus. Os doze pães colocados na mesa representavam uma oferta de gratidão a Deus da parte das doze tribos de Israel, pois o pão era ao mesmo tempo uma dádiva de Deus e fruto dos esforços humanos. Por isso o povo reconhecia que havia recebido seu sustento de Deus e ao mesmo tempo consagrava a Ele os seus frutos de seu trabalho. Portanto, a Mesa dos pães refere-se também à mordomia dos bens materiais.

3. O Altar do incenso (Êx 30:1-10). Diante do Véu no lugar santo estava o altar do incenso. À semelhança dos outros móveis da tenda, era feito de acácia e revestido de ouro. Todas as manhãs e todas as tardes, quando preparavam as lâmpadas, os sacerdotes queimavam sobre esse altar o incenso utilizando-se de fogo tirado do Altar do holocausto. O Altar do incenso relacionava-se mais estreitamente com o Lugar santíssimo do que com os demais móveis do Lugar santo. É descrito como o Altar "que está perante a face do Senhor" (Lv 4:18), como se não existisse o Véu entre ele e a Arca. Portanto, era considerado em conjunto com a Arca, com o Propiciatório e com a Shekinade glória.

O Altar do incenso estava no centro. Isto ensina-nos que uma vida de oração é imprescindível para agradar a Deus, já que o incenso simbolizava a oração, o louvor e a intercessão do povo de Deus, tanto no Antigo como no Novo Testamento (Salmo 141:2; Lc 1:10; Ap 5:8; 8:3).

Assim como o perfume do fumo, que o incenso desprendia, subia ao céu, os louvores, as rogativas e as intercessões sobem ao Senhor como cheiro agradável.

Duas vezes por dia acendia-se o incenso sobre o Altar e provavelmente ardia durante o dia todo. Isto ensina que os filhos de Deus devem ser constantes na oração.

Acendia-se o incenso com o fogo do Altar dos holocaustos, o que nos leva a notar que a oração aceitável ao Senhor se relaciona com a expiação do pecado e a consagração do crente.

Também se destaca a importância do fogo para consumir o incenso. Se o incenso não ardia, não havia cheiro agradável. Igualmente, o crente necessita do fogo do Espírito Santo para que faça arder o incenso da devoção (Ef 6:18). As orações frias não sobem ao trono da graça.

Finalmente, observamos que o sumo sacerdote espargia sangue sobre os cantos do Altar do incenso uma vez por ano, demonstrando que, embora o culto humano seja imperfeito (Rm 8:26, 27), somos "agradáveis a si no Amado" por seu sangue expiador e sua intercessão perpétua (Ef 1:6,7; Rm 8:34; Hb 9:25).

Como a Mesa dos pães e o Castiçal estavam relacionados com o Altar do incenso, a consagração e o testemunho do fiel estão relacionados com a vida de oração. Se o cristão não tem comunhão com Deus, logo deixará de consagrar ao Senhor os frutos de seu trabalho, e sua luz deixará de alumiar os homens.

IV. O SANTO DOS SANTOS

1. O Santo dos Santos e a Arca da aliança (Êx 25:10-22). Este é o lugar mais interior do Tabernáculo. Ali havia somente a Arca do concerto, o objeto mais sagrado de Israel. Neste lugar somente o sumo sacerdote poderia entrar, e apenas uma vez ao ano (Hb 9:7), para aspergir sobre o propiciatório - isto é, a tampa da Arca -, o sangue que havia sido derramado do sacrifício anual feito para expiação dos pecados de todo o povo (Lv 16:14,15; 17:11). Hoje, tal expiação não é mais necessária, porque Jesus, o nosso Sumo Sacerdote por excelência, já entrou na presença do Pai oferecendo o seu próprio sangue como propiciação definitiva pelos nossos pecados (Rm 3:24,25; Hb 9:11-15; 10:10,12), de maneira que todos quanto o recebem como único e suficiente Salvador e Senhor, aceitando seu sacrifício em nosso favor e entregando sua vidas totalmente a Ele, têm livre acesso à presença de Deus (Hb 10:19-23).

- O VÉU é a única coisa que separa o Lugar Santo do Lugar Santíssimo. O Véu que separava o Lugar santíssimo do Lugar santo e excluía todos os homens com exceção do sumo sacerdote, acentuava que Deus é inacessível ao homem pecador. Somente por via do mediador nomeado por Deus e do sacrifício do inocente podia o homem aproximar-se de Deus. Com a morte de Jesus, algo aconteceu: o Véu do Templo se rasgou em dois, de alto a baixo (Mc 15:38). Agora temos livre acesso à presença do Senhor Deus.

- A Arca da Aliança representava a própria presença de Deus entre o povo. Era um cofre de 1,15m por 0,70m, construído de acácia e revestido de ouro por dentro e por fora. Sobre a coberta da Arca ficavam dois querubins (seres angelicais) diante um do outro, feitos de ouro, que com suas asas cobriam o local conhecido como “propiciatório”(a tampa da Arca). Segundo Silas Daniel, “o propiciatório recebia este nome porque era o lugar da expiação, onde estava simbolizada a misericórdia”.

Neste lugar Deus manifestava a sua glória. As figuras dos querubins, com as asas estendidas para cima, e o rosto de cada um voltado para o rosto do outro, representavam reverência e culto a Deus. Só podia ser carregada pelos sacerdotes (Nm 9:15-17; 2Sm 6:1-15), que a carregavam nos ombros, assim como faziam com todas as peças do santuário (Nm 7:9).

Dentro da Arca havia três objetos: as duas tábuas da Lei, um vaso com maná, e mais tarde se incluiu a vara de Arão. Todos esses objetos lembravam a Israel o concerto e o amor de Deus.

a) As tábuas da Lei. As tábuas da lei(o Decálogo) simbolizavam a santidade de Deus e a pecaminosidade do homem. Também lembrava aos hebreus que não se pode adorar a Deus em verdade sem se dispor a cumprir sua vontade revelada.

b) O Maná. Moisés, sob ordens divinas, ordenou que fosse colocado diante do Senhor um vaso contendo um gômer (3,7 l) cheio de maná (Êx 16:32,33). Este recipiente seria guardado para as gerações futuras. Simbolizava a constante provisão divina. O fornecimento do maná era diário. A lição de Deus para Israel, como também para os cristãos, é que os crentes têm de depender de Deus dia após dia.

c) A Vara de Arão que florescera. A Vara nos fala da autoridade conferida a alguém. A Bíblia diz que Deus fez com que essa vara miraculosamente florescesse para confirmar diante do povo a chamada de Arão para ser o sumo sacerdote (Nm 17:7-11; Hb 9:4). Nossa autoridade quando colocada diante de Deus brota, aparece para que todos vejam e saibam que nosso ministério foi realmente dado a nós por Deus.

CONCLUSÃO

O Tabernáculo não existe mais, porém a Bíblia diz que, desde o dia em que entregamos nossa vida a Cristo, passamos a ser templos – tabernáculos - do Espirito Santo (1Co 6:19,20), peregrinando no deserto desta vida, aguardando o Dia em que seremos transportados para a nossa Terra Prometida – a Cidade Celestial (Fp 3:20). Portanto, onde quer que estejamos, carreguemos e manifestemos a glória do Senhor em nossa vida; e para que isso se torne uma realidade, que os seus mandamentos estejam sempre gravados no fundo do nosso ser. Amém!

Fonte: ebdweb

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

8ª lição do 1º trimestre de 2014: MOISÉS, SUA LIDERANÇA E SEUS AUXILIARES


Texto Básico: Êxodo 18:13-22

 
“Ouve agora a minha voz; eu te aconselharei, e Deus será contigo [...]” (Êx 18:19)

INTRODUÇÃO

Nesta Aula trataremos acerca do estilo de liderança de Moisés. Até hoje, ele é o grande exemplo seguido pelo povo de Israel. Ele foi um líder que demonstrou humildade em ouvir sábios conselhos e colocá-los em prática para o bem do povo de Deus. Sobre os ombros de Moisés recaía a tarefa de organizar uma multidão de mais ou menos dois milhões de pessoas e julgar o povo mesmo nas coisas insignificantes que surgiam entre eles a cada momento. Ele procurava fazer tudo em vez de repartir trabalhos e responsabilidades entre diversas pessoas. Quando seu sogro Jetro o visitou, trazendo-lhe sua esposa e filhos, Moisés recebeu seu conselho. Organizou o povo em grupos e colocou chefes, de acordo com os dons deles, sobre estes para resolver as dificuldades. Assim, Moisés deixou de ministrar apenas e passou a liderar. Desta feita, o governo de Israel cresceu representativamente. Creio que é assim que Deus quer.

I. O TRABALHO DO SENHOR E OS SEUS OBREIROS

1. Despenseiro e não dono (Êx 18:13-27). No sentido bíblico, despenseiro é aquele que administra bens alheios. Então, todo líder do povo de Deus não pode ter dúvida de que ele é apenas um despenseiro dos recursos, dos dons e das pessoas que estão sob a sua responsabilidade. Ele é apenas um líder servo.

Moises, como líder, era um despenseiro do Senhor e não dono dos israelitas. Alguns líderes, com o passar do tempo, acabam achando, erroneamente, que são os donos das ovelhas e da Obra do Senhor. Ledo engano! A Bíblia cita um exemplo clássico: Diótrefes (3João 9,10). Este mau obreiro via a congregação que dirigia como propriedade sua. Seu nome significa "filho adotivo de Zeus", o que sugere que ele seja de descendência grega. Era um líder soberbo em vez de ser um líder servo. Ele queria ser o maior, em vez de ser servo de todos. Ele buscava a honra de seu próprio nome, em vez de buscar a glória de Cristo. Ele era um líder na igreja local e, de modo egoísta, tirava vantagem de sua posição de liderança. Ele gostava de ser o primeiro. Em vez de servir à igreja, ele se recusava a reconhecer a autoridade superior. Ele próprio desejava governar a igreja. Ele agia de maneira contrária à instrução de Jesus: "Quem quiser tornar-se grande entre vós, será esse o que vos sirva; e quem quiser ser o primeiro entre vós, será vosso servo" (Mt 20.26,27).

Diótrefes era um homem amante da preeminência (3João v. 9). Veja o que o apóstolo João disse sobre ele: "Escrevi alguma coisa à igreja; mas Diótrefes, que gosta de exercer a primaziaentre eles, não nos dá acolhida". A expressão "gosta de exercer a primazia" significa querer ser o primeiro, querer ser o líder-proprietário, orgulhar-se de ser o primeiro. Diótrefes era um homem megalomaníaco. Ele gostava dos holofotes. Ele buscava ficar sob as luzes da ribalta.

Diótrefes ele era um narcisista. A expressão "gosta de exercer a primazia" significa ambição, o desejo de preeminência em todas as coisas. Ele se amava mais do que aos outros. Seu eu, e não Cristo, estava no trono da sua vida. Seu eu vinha sempre na frente dos outros. Ele buscava os seus interesses e não os de Cristo. Ele buscava não o interesse dos irmãos, mas o seu próprio. Ele construía monumentos a si mesmo, em vez de buscar a glória de Cristo. A atitude de Diótrefes era oposta à de João Batista: "Convém que ele [Cristo] cresça e que eu diminua" (João 3:30).

Por ser amante dos holofotes, e gostar de ser o primeiro em tudo, ele via o apóstolo João como uma ameaça à sua posição. A rejeição possivelmente não era doutrinária, mas pessoal. Seu problema não era heresia, mas egoísmo.

Os líderes do povo de Deus devem se lembrar de que foram dados por Deus à igreja e que, portanto, não cuidam senão de rebanho alheio, não podendo demonstrar domínio sobre algo que não lhes pertence (1Pedro 5:1-3).

2. Falta de percepção do líder (Êx 18:14-17). O excesso de atividades que Moisés detinha no dia-a-dia vedou-lhes o sentido perceptivo das coisas e das decisões a serem tomadas para que a sua liderança fruísse os resultados profícuos como deveria ser. Às vezes é necessária a reação de pessoas mais experientes em questões de liderança, que tem uma intuição mais aguçada de nossa administração. Deus, muitas vezes, assim age, porque Ele visa o bem-estar de sua Obra.

Foi o que aconteceu com Moisés. Jetro, seu sogro, que era um líder intuitivo, percebeu logo que alguma coisa estava errada na maneira de Moisés conduzir o povo e atender às suas demandas; ele percebeu que Moisés estava centralizando o poder, monopolizando. Essa maneira de administrar de Moisés estava consumindo o tempo das pessoas e dele próprio, além de provocar nele mesmo cansaço intenso que o impediria de tomar decisões corretas.

Um líder intuitivo pode, rapidamente, avaliar uma situação. Jetro assistiu a Moisés em ação durante um dia e imediatamente reagiu. Jetro não precisou contratar um consultor, formar uma comissão ou realizar profunda pesquisa. Instantaneamente, identificou um problema de liderança. Nem todos os lideres são capazes de vislumbrar uma solução tão rapidamente quanto Jetro, mas, quando confiam na sua intuição, percebem, imediatamente, que a situação requer sua atenção.

Um líder intuitivo vê o que está acontecendo no presente e compreende onde uma organização está situada. Jetro pôde ver Moisés se metendo em problemas. Ele falou ao seu genro: “Sem dúvida, desfalecerás, tanto tu como este povo que está contigo; pois isto é pesado demais para ti; tu só não o podes fazer”(Êx 18:18). Talvez Moisés resolvia conflitos com eficiência; talvez não. Mas, mesmo se fosse capaz de dar conta de tudo, não podia suportar tudo. Com o crescimento da população, a sua situação ficaria pior. Jetro sabia que Moisés enfrentaria desastre caso não mudasse.

Todo trabalho de liderança é propenso a inúmeros problemas: de ordem social e espiritual. Talvez você não esteja percebendo isso, mas eles existem e não devem ser ignorados. Oremos para que Deus levante líderes intuitivos como Jetro que sabem desembaraçar a sua visão.

3. O líder necessita de ajudantes (Êx 18:18). Nenhum líder pode florescer sem contar com colegas de equipe, fato esse que a vida de Moisés ilustra. Quando Josué e suas tropas lutaram contra os amalequitas, Moisés segurou o cajado de Deus em suas mãos, assistidos por Arão e Ur, membros do seu circulo intimo. Portanto, nenhum líder jamais devia tomar o caminho ou o crédito sozinho.

Caso Moisés não seguisse o conselho de Jetro, acabaria desfalecendo por causa de seu excesso de atividades, além de não ter tempo para interceder pelo povo de Deus. Na verdade, esta era a função que Deus pretendia para Moisés, mas até aquele momento, o legislador estava sobrecarregado atendendo às demandas do povo, sem ajuda de auxiliares idôneos.

Por conseguir o conselho de Jetro Moisés pôde exercer melhor seu ministério e partilhar sua autoridade com homens dignos de confiança e que honrariam o nome do Senhor. Moisés deixou de ministrar apenas e passou a liderar.

Essa foi a lição que Moisés aprendeu: não se pode fazer tudo sozinho. É necessário delegar autoridade a outras pessoas de confiança e que possuam caráter irrepressível. Além do mais, é imprescindível que o líder reserve tempo para estar com sua família. Também, precisamos entender que nenhuma pessoa é insubstituível na Obra de Deus; mais cedo ou mais tarde, cada um de nós será substituído; nós passamos, mas a obra de Deus continua. Pense nisso!

II. OS AUXILIARES DE MOISÉS NO MINISTÉRIO

Moisés é um exemplo a ser seguido no tocante à descentralização. Antes mesmo de receber e aplicar o conselho de Jetro, Moisés já determinara a Josué que comandasse o exército na guerra contra Amaleque. Depois da visita do sogro, criou os maiorais de dez, cinquenta, cem e mil, para ajudá-lo nos julgamentos dos litígios no meio do povo e, por fim, pediu a Deus auxiliares na própria tarefa de direção do povo, quando lhe foram dados setenta anciãos.  Moisés mostra-nos que o líder não deve ser o faz-tudo, mas deve ter juntamente com ele pessoas capazes, tementes a Deus e que aborreçam a avareza para ajudá-lo no ensino e na jornada do povo rumo à Terra Prometida.

1. Deus levanta auxiliares (Êx 18:21). “E tu, dentre todo o povo, procura homens capazes, tementes a Deus, homens de verdade, que aborreçam a avareza; e põe-nos sobre eles por maiorais de mil, maiorais de cem, maiorais de cinquenta e maiorais de dez”.

Deus sempre foi a favor que os lideres do seu povo tivessem auxiliares para maior eficiência e resultados na Sua obra. O conselho que Jetro deu a Moises, sobre delegação de autoridade a homens de Deus, continua válido hoje. O texto supra, menciona várias qualificações de líderes do povo de Deus, os quais devem ser: (a) pessoas capazes, (b) pessoas que temem a Deus, (c) pessoas instruídas na verdade e totalmente dedicadas à sua causa, (d) pessoas que abominam o ganho desonesto e que, por isso, estão livres da cobiça e do amor ao dinheiro.

Moisés tanto aprendeu a lição da descentralização e da necessidade de ajuda que, mais tarde, pediu a Deus que houvesse ainda mais uma repartição de suas funções, desejo este tão de acordo com a vontade do Senhor que foi atendido, tendo, então, o Senhor dado do Espírito a setenta anciãos, que com ele compartilhassem a direção espiritual do povo (Nm 11:11-30).

Na Igreja, o líder necessita de auxiliares, cooperadores, colaboradores. Quando a Igreja em Jerusalém precisou de pessoas para ajudar os apóstolos em afazeres especificamente voltados à questão social, atendendo às viúvas no tocante a ajudas oferecidas pelo grupo, a recomendação dos apóstolos foi: “escolhei irmãos, dentre vós, sete varões de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais constituamos sobre este importante negócio” (At 6:3). Veja que não podia ser qualquer pessoa; tinha que ter qualidades específicas: “boa reputação”, “cheios do Espirito Santo”, cheios de “sabedoria” e de caráter ilibado.

O apóstolo Paulo, sem os seus cooperadores e auxiliares, não teria avançado em seu ministério (cf. Rm 16:3,21; 2Co 8:23).

2. Os auxiliares de Moisés (Êx 18:25). “e escolheu Moisés homens capazes, de todo o Israel, e os pôs por cabeças sobre o povo: maiorais de mil e maiorais de cem, maiorais de cinquenta e maiorais de dez”.

Todo o bom líder trabalha bem ao lado de outros líderes. Faz parte da liderança saber delegar funções, atribuir tarefas e missões a quem o Senhor preparou para exercê-las. É capaz de aceitar a posição de líder intermediário, seguindo os outros com lealdade e respeito. E ele pode nomear líderes auxiliares, confiando-lhes o controle de determinadas tarefas. A ênfase disso recai sobre a humildade, a confiança nas outras pessoas e o respeito pelas outras pessoas. Portanto, os dons e as chamadas de todos devem ser respeitados. Somos instruídos assim: “Sujeitando-vos uns aos outros no temor de Deus” (Ef 5:21). Paulo deixou o exemplo para os líderes cristãos, nas suas frequentes expressões de apreciação pelos seus cooperadores e pelos que o ajudavam. Entre as muitas referências a esse aspecto, temos Filipenses 4:1-3; Colossenses 4:7-14 e 1Tessalonicenses 1:2-4. 

Dentre os vários líderes auxiliares de Moisés, a Bíblia registra: a) Miriã, irmã de Moisés - Era profetiza e cantora (Êx 15:20,21); b) Arão, irmão de Moisés – Era seu porta-voz e foi escolhido por Deus para ser sacerdote em Israel (Êx 4:14-16; 7:1,2); c) Os anciãos - Eram líderes e representantes do povo (Dt 1:13-15; Êx 3:16,18). Foram pessoas que muito auxiliaram Moisés em sua liderança na condução do povo à Terra Prometida; d) Josué, que foi o seu sucessor - Ele é mencionado pela primeira vez em Êx 17:9, quando da sua designação para comandar a batalha contra os amalequitas. Portanto, era um combatente, um homem de armas, e foi usado por Deus para abrir o caminho das conquistas ordenadas por Deus. Além disso, era um líder temente a Deus e bastante obediente à liderança de Moisés.

É, realmente, lamentável o que se tem observado em muitas igrejas locais na atualidade. A arrogância e a ganância pelo poder fazem com que muitos líderes não escolham pessoas capazes e tementes a Deus para estarem a seu lado, mas escolhem “capachos”, que não têm qualquer capacidade e só servem para bajular e dizer “amém”. O resultado é o esgotamento físico e mental da liderança, liderança esta que não subsiste, bem como a falta de paz no meio do povo de Deus. Livremo-nos destas pretensões enganosas, destes temores totalmente sem respaldo bíblico e aproveitemos aqueles que o Senhor tem levantado no meio da igreja para ajudar o povo de Deus a chegar ao céu.

III. QUALIDADES DE MOISÉS COMO LÍDER

Quando Israel saiu do Egito, Moisés, embora tivesse sua liderança confirmada pelos fatos, não deixou de reconhecer que o senhorio era de Deus. Saindo do Egito, não tomou o caminho que lhe pareceria mais fácil, mas seguiu a direção de Deus. Moisés estava à frente do povo, mas a orientação, a direção era de Deus (Ex.13:17). Que exemplo a ser seguido!

1. Mansidão e humildade (Nm 12:3) – “E era o varão Moisés mui manso, mais do que todos os homens que havia sobre a terra”.

a) Moisés, um líder manso. Moisés, durante os quarenta anos do “curso do deserto”, aprendeu a ser manso, um requisito indispensável para quem lidera o povo de Deus, mormente quando sabemos que o Senhor Jesus mandou que aprendêssemos dEle a mansidão(Mt.11:29). A mansidão de Moisés é um resultado de sua intimidade intensa com o Senhor. Moisés, antes tão agressivo e violento, sempre se portou com mansidão, mesmo nas horas mais difíceis em que se teve de enfrentar o povo rebelado. Moisés clamava a Deus, não se envolvendo nas atividades revoltosas, mantendo uma certa distância de tudo aquilo que não correspondia à vontade divina, sem deixar de advertir o povo a respeito dos seus erros. Foi assim, por exemplo, no episódio da guerra empreendida pelos israelitas depois da morte dos espias. Moisés, sem deixar de avisar o povo de que a guerra seria em vão, não impediu o povo de ir guerrear, embora não o tenha acompanhado. Após a derrota militar, sua postura foi decisiva para que o povo se recompusesse e se submetesse aos 38 anos de jornada em círculo até a morte daquela geração incrédula (Nm 14).

Mesmo nos momentos mais difíceis de seu ministério, Moisés nunca quis se sobrepor sobre o povo, demonstrando autoridade consoante a ordem de Deus que, mais de uma vez, interveio diretamente para mostrar que Moisés era o homem chamado por Ele para liderar o povo, como no episódio da sedição de Miriã  e Arão (Nm 12:1-10). Quando precisou usar de sua autoridade, fê-lo debaixo da chamada e do senhorio divinos na sua vida, como no episódio da rebelião de Datã, Abirão e Coré (Nm 16).

b) Moisés, um líder humilde. Quando Moises foi chamado por Deus (Ex 3:10), no Monte Horebe, para libertar o pode Israel do Egito, reconheceu diante do Senhor a sua nulidade: “Quem sou eu que vá a Faraó e tire do Egito os filhos de Israel? “(Ex 3:11). Moisés dá um passo importante para se tornar líder: elimina o seu “eu”. Isso é humildade. Ah! se muitos líderes no meio do povo de Deus tomassem esta decisão de anular o seu “eu” e compreender que sem Jesus nada pode ser feito! (João 15:5). Se dissessem “quem sou eu”, teriam boa parte dos problemas que hoje enfrentam resolvidos. Foi por ter achado que era ninguém que Moisés, antes de criar um obstáculo, credenciou-se para ser o libertador do povo de Israel.

Moisés também demonstrou humildade quando aceitou receber um conselho da parte de seu sogro, que não era nem mesmo israelita. Ao ver que Moisés decidia sozinho todas as causas do povo, que se aglomerava todos os dias para ser atendido por ele, Jetro, dentro de sua experiência, sugeriu a Moisés que efetuasse a descentralização do poder, resolvendo apenas as causas mais graves, criando maiorais de mil, de cem, cinquenta e de dez para resolver as “pequenas causas”, trazendo agilidade e paz para o povo de Israel. Moisés prontamente atendeu ao conselho de Jetro(Ex 18:24), demonstrando ser uma pessoa humilde e receptiva a criticas. Esta é uma qualidade imprescindível para quem exerce liderança no meio do povo de Deus: o de ouvir conselhos.

Muitos, na atualidade, são arrogantes e soberbos, que não aceitam os conselhos de pessoas mais experientes e que muito podem ajudar na eficácia da liderança. Se é certo que o líder deve seguir a orientação divina, também é certo que Deus, como escolheu um povo, põe à disposição dos líderes pessoas que têm capacidades e habilidades para dar bons conselhos e auxiliar no sucesso e êxito da obra do Senhor. Salomão, o homem mais sábio de toda a terra, não abriu mão dos conselheiros e, inspirado pelo Espírito de Deus, disse o seguinte: “Onde não há conselho os projetos saem vãos, mas, com a multidão de conselheiros, se confirmarão” (Pv.15:22).

Na atualidade, muitos líderes não querem ouvir conselhos, nem aceitam que surjam conselheiros e, muito menos, auxiliares. Querem ter súditos, pessoas que somente saibam dizer “amém”, mas que não têm qualquer poder decisório. O resultado é a ineficiência, o esgotamento do líder e um acúmulo cada vez maior de problemas sem solução, causando um prejuízo muito grande à obra de Deus. Como ensinou Jetro, a descentralização, o aproveitamento de homens e mulheres que o Senhor põe à disposição do seu povo é fundamental para que o líder subsista e o povo de Deus venha em paz ao seu lugar (Ex.18:23), que é o céu.

2. Moisés, um líder de profunda intimidade com Deus. Um líder do povo de Deus precisa ter contínua e cada vez maior intimidade com Deus. Não é possível liderar com triunfo sem que se tenha tal intimidade, pois para se ter a direção de Deus é absolutamente necessário que haja um perfeito entrosamento entre a nossa vontade e a vontade do Senhor.

A partir do episódio da sarça, vemos Moisés, cada vez mais, aprofundando a sua intimidade com o Senhor, tanto que o próprio Senhor testifica que Moisés foi o profeta que mais intimidade teve consigo, um profeta com quem Deus falava “boca a boca” (Nm 12:8), conhecido de Deus “face a face”(Dt 34:10).

Uma outra demonstração da intimidade de Moisés com Deus está no episódio em que o rosto de Moisés resplandeceu a glória divina (Êx 34:29-35), onde vemos que a intimidade com Deus faz com que cada vez mais o líder não apareça, mas faça Deus aparecer para os seus liderados. Quanto mais o líder se aproxima de Deus, mais o Senhor aparece. As palavras e atitudes do verdadeiro líder devem sempre repetir a fala de João Batista: “é necessário que Ele cresça e que eu diminua” (João 3:30).

3. Fiel (Nm 12:7; Hb 3:2,5). Moisés foi um líder fiel a Deus, ao seu povo, à sua família. Esta é uma virtude essencial que deve ser encontrada no despenseiro (1Co  4:2). Os olhos do Senhor estão à procura dos que são fiéis (Sl 101:6). O ser humano valoriza a astúcia, a sabedoria, a riqueza e o sucesso; mas Deus procura aqueles que estão dispostos a ser fiel a Ele em todas as coisas. Nenhuma amizade, ou política, ou dinheiro, ou circunstância deve nos demover de um ministério fiel centralizado em Cristo.

Infidelidade, deslealdade, traição, é um sentimento que não pode existir na vida de um homem de Deus, de um homem de fé. Quem possui a verdadeira fé, é fiel, é leal, é sincero, é verdadeiro.

Que glorioso tributo a Epafras e a Tíquico de que Paulo chamá-los de "ministro fiel”: “Como aprendestes de Epafras, nosso amado conservo, que para vós é um fiel ministro de Cristo”(Cl 1:7). “Ora, para que vós também possais saber dos meus negócios, e o que eu faço, Tíquico, irmão amado, e fiel ministro do Senhor, vos informará de tudo”(Ef 6:21). “Tíquico, irmão amado e fiel ministro, e conservo no Senhor, vos fará saber o meu estado”(Cl 4:7). Eles atingiram aquilo porque nós todos deveríamos nos esforçar. Como seria doce ouvir o Senhor nos dizendo: "Bem está, servo bom e fiel... entra no gozo do teu senhor" (Mt 25:21).

CONCLUSÃO

Aprendemos com os conselhos de Jetro, que foram conselhos sábios, orientados pelo próprio Deus, e que funcionaram. Aprendemos com Moisés que soube ser humilde o suficiente para mudar o seu estilo de liderar o povo de Deus, reproduzindo-se; ou seja, descentralizando as tarefas, fazendo somente o que estava sob sua alçada em questões intransferíveis. O resultado disso foi o crescimento representativo de Israel. A Igreja tem muito a aprender com Moisés, pois também há a necessidade de a liderança ser plasmada pelo Espírito Santo até que o Senhor venha buscar a sua Igreja.

Faz-se necessário que o líder saiba delegar tarefas, tudo fazendo segundo a orientação divina, mas jamais se esquecendo de que o fato de ter sido chamado à liderança não significa que tenha de fazer tudo sozinho. Portanto, prezado irmão, caso você exerça liderança no meio do povo de Deus, reparta com outros a responsabilidade de levar a obra até o fim, quando então, todos receberão a recompensar (1Co 3:13,14;15:58). Amém?

fonte: ebdweb