Seguidores

quarta-feira, 30 de março de 2016

1ª lição do 2º trimestre de 2016: A EPÍSTOLA AOS ROMANOS


BEM VINDO AO 2º TRIMESTRE DE 2016

Texto Base: Romanos 1:1-17

 “Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego” (Rm 1:16).

 

INTRODUÇÃO

Com esta Aula, damos início ao estudo do 2º Trimestre letivo de 2016. São treze temas propostos, tendo como texto base a Epistola do apóstolo Paulo aos Romanos. Alguém disse que a Epístola aos Romanos é “a Catedral da Fé”. Em termos teológicos, Romanos é a Epístola mais importante do Novo Testamento, pois constitui o texto bíblico mais próximo de uma apresentação sistemática da fé cristã. Segundo John Stott, “ela é a mais completa, a mais pura e a mais grandiosa declaração do Evangelho encontrada no Novo Testamento. Sua mensagem é a de que os seres humanos nascem em pecado e escravidão, mas que Jesus Cristo veio para libertá-los. Nela se anuncia a boa nova da libertação: libertação da ira de Deus contra toda impiedade; libertação da alienação para uma vida de reconciliação; libertação da condenação da lei de Deus; libertação do medo da morte; e libertação para dedicar-nos em amor a uma vida de serviço a Deus e aos outros. Lutero disse que todo cristão deveria não apenas conhecer de coração a Epístola aos Romanos, palavra por palavra, mas também ocupar-se com ela a cada dia, como pão cotidiano para a sua alma”. Ao lermos a Epístola aos Romanos, vemos qual a condição do homem diante de Deus por causa do pecado e como o Senhor, na Sua infinita graça e misericórdia, proporciona a salvação em Cristo e como esta salvação transforma a criatura humana, tornando-a um filho de Deus, um ser separado e livre do pecado, pronto a servir ao Senhor e a ser inundado pelo amor divino que foi o motor de todo este glorioso processo.

Na atualidade, muitos não compreendem o que é a salvação e como ela se opera na vida do homem. Ao estudarmos a Epístola aos Romanos, com foco na doutrina da salvação (chamada pelos teólogos de “soterologia”), teremos condição de compreender aquilo que já sentimos e usufruímos e, assim, poder louvar a Deus com a profundidade das riquezas da sabedoria e da ciência de Deus, assim como fez o próprio apóstolo, enquanto escrevia esta carta: “Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos! Porque quem compreendeu o intento do Senhor? Ou quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém!” (Rm 11:33-36).

I. AUTOR, LOCAL, DATA E DESTINATÁRIOS

1. O autor (Rm 1:1). “Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para apóstolo, separado para o evangelho de Deus”. Aqui, Paulo se apresenta como o remetente da carta. Ele o faz com senso de humildade, chamando a si mesmo de servo de Cristo e, também, com senso de autoridade, afirmando seu apostolado (Rm 1:1). Paulo, contudo, não a escreveu de próprio punho, mas ditou-a a um amanuense chamado Tércio, conforme se encontra em Romanos 16:22 – “Eu, Tércio, que esta carta escrevi, vos saúdo no Senhor”. Amanuenses eram profissionais que escreviam textos à mão. Era o que se pode chamar de escrevente, ou copista. Entre os Romanos, os senhores, geralmente, tinham um escravo amanuense que fazia o trabalho de secretário, cuidando da escrita dos negócios de seu amo. Como Tércio envia à Igreja de Roma sua saudação pessoal, fica claro que ele também era cristão e que, muito provavelmente, estava prestando um serviço gratuito a Paulo.

Quanto a sua importância, a Epístola aos Romanos é o maior compêndio de teologia do Novo Testamento. É a epístola das epístolas, a mais importante e proeminente que Paulo escreveu. É uma exposição e uma defesa do evangelho da graça. John Stott considera Romanos uma espécie de manifesto cristão. Nenhum livro da Bíblia exerceu tanta influência sobre a teologia protestante e nenhuma carta de Paulo revela de forma tão clara o pensamento teológico do apóstolo aos gentios.

2. Local e data. Há um consenso geral de que Paulo escreveu a Epístola aos Romanos durante sua estada de três meses na Grécia (At 20:2,3), na província da Acaia, numa região próxima de Corinto. Isso é confirmado pela recomendação de Paulo a Febe, a portadora da Carta à igreja de Roma. Febe era da Igreja de Cencréia (Rm 16:1), uma pequena cidade a 12 quilômetros de Corinto, onde se situava um importante porto da capital da Acaia. Paulo estava encerrando sua terceira viagem missionária e se preparava para viajar a Jerusalém a fim de levar as ofertas levantadas entre as igrejas gentias que socorreriam os pobres da Judéia (Rm 15:30,31). É bastante provável que esta Carta tenha sido escrita por volta do ano 57 ou 58 d.C. É, portanto, a última Carta escrita por Paulo antes de seu prolongado período de detenção, primeiro em Cesaréia (At 23:31-26:32) e depois em Roma (At 28:16-31). Nesse tempo, o apóstolo Paulo já havia concluído suas três viagens missionárias.

3. Destinatários (Rm 1:7). “A todos os que estais em Roma, amados de Deus, chamados santos: Graça e paz de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo”. A Epístola foi destinada, originalmente, à Igreja de Roma, que era composta por judeus e gentios. Dirigindo-se a seus irmãos judeus, Paulo demonstra sua preocupação com eles e explica como podem ajustar-se ao plano divino (cf. Rm 9:1-11:2). Visto que o caminho para que judeus e gentios pudessem estar unidos no corpo de Cristo foi aberto pelo próprio Deus, os dois grupos poderão louvá-lo por sua sabedoria e amor (cf. Rm 11:13-36).

Mas, quem fundou a igreja de Roma? Com toda convicção podemos afirmar que Paulo não foi o fundador da Igreja, uma vez que ele escreve falando acerca de seu desejo de visitar aqueles irmãos (Rm 1:10-13). Tampouco a Igreja de Roma foi fundada por algum dos outros apóstolos. O catolicismo romano ensina que o apóstolo Pedro foi o fundador da Igreja, e seu episcopado na Igreja durou 25 anos, ou seja, de 42-67 d.C. Essa tese, porém, carece de fundamentação. Primeiro, porque Pedro era o apóstolo da circuncisão (Gl 2:9), e não o apóstolo destinado aos gentios, ou seja, o seu ministério era destinado prioritariamente aos judeus. Segundo, porque Paulo não menciona Pedro em sua carta aos Romanos, o que seria uma gritante falta de cortesia. Terceiro, porque Paulo diz que gostaria de ir a Roma para compartilhar o evangelho e distribuir algum dom espiritual (Rm 1:11), o que não faria sentido se Pedro já estivesse entre eles. Além disso, Paulo tinha o princípio de pregar o evangelho não onde Cristo já fora anunciado, para não edificar sobre fundamento alheio (Rm 15:20). Há três possibilidades para a origem da Igreja de Roma:

A primeira possibilidade é que essa Igreja foi estabelecida pelos judeus ou prosélitos de Roma, convertidos na Festa do Pentecostes em Jerusalém no ano 30 d.C., os quais retornaram à capital do império para plantar a Igreja (At 2:10). Em Roma estava o maior centro judaico do mundo antigo. Havia mais de treze comunidades sinagogais na cidade. Mantinham um contato intenso com Jerusalém. As pessoas viajavam para lá e para cá como comerciantes, artesãos e também como peregrinos devotos. Confessando sua fé, deram origem a um movimento cristão muito vivo. Desse modo, o cristianismo em Roma originou-se da atuação de crentes que nós chamamos de anônimos. As famosas estradas romanas facilitaram sobremodo a mobilização das pessoas e a rápida expansão do evangelho.

- A segunda possibilidade é que essa Igreja tenha sido estabelecida por cristãos desconhecidos, convertidos pelo ministério de Paulo, emissários de algum dos centros gentílicos que haviam compreendido plenamente o caráter universal do evangelho. Vale ressaltar que as três grandes cidades onde Paulo estivera por mais tempo - Antioquia, Corinto e Éfeso - eram justamente as três com as quais (assim como Alexandria) o intercâmbio com Roma se mostrava mais intenso.

- A terceira possibilidade é que a Igreja de Roma teria sido fundada por Áquila e Priscila. A Bíblia nos informa que este abençoado casal tinha morado na Itália, mais precisamente em Roma, de onde tiveram que sair por ordem do Imperador Cláudio que, no ano 49 d.C., expulsou de Roma todos os judeus – conheceram Paulo em Corinto – “E depois disto partiu Paulo de Atenas e chegou a Corinto. E, achando um certo judeu por nome Áquila, natural do Ponto, que havia pouco tinha vindo da Itália, e Priscila sua mulher (pois Cláudio tinha mandado que todos os judeus saíssem de Roma), se ajuntou com eles. E, como era do mesmo oficio, ficou com eles, e trabalhava; pois tinham por oficio fazer tendas” (Atos 18:2-3). Ao que tudo indica voltaram para Roma, pois, Paulo ao escrever a Epistola aos Romanos enviou saudações ao casal, como também para a Igreja que se reunia em sua casa - “Saudai a Priscila e a Áquila, meus cooperadores em Cristo Jesus...Saudai também a igreja que está em sua casa...” (Rm 16:3-5). É, pois, possível que eles tenham fundado a Igreja de Roma, antes, é claro, muito antes de terem sido expulsos, pelo Imperador Cláudio. Porém, não há qualquer comprovação bíblica, ou histórica. São hipóteses, apenas!

A verdade é que havia, em Roma, uma grande e poderosa Igreja formada tanto por gentios, como também por judeus. Se ela foi fundada pelos judeus, ou prosélitos que estavam em Jerusalém no Dia do Pentecoste, se ela foi fundada por Áquila e Priscila, ou se foi fundada por outro, em nada altera a História da Igreja!

II. FORMA LITERÁRIA, CONTEÚDO E PROPÓSITO

1. Forma literária. Segundo estudiosos do assunto, Paulo utilizou o estilo de diatribe na Epístola aos Romanos. Nesse modelo literário, que era um recurso muito usado pelos filósofos estóicos e críticos, o autor valia-se de uma exposição critica a respeito de alguma obra. Um exemplo claro dediatribe (crítica severa) no livro de Romanos está no capítulo 2 versos 1-16, onde Paulo responde a objeções de um interlocutor não identificado. Nos versículos 5-11, Paulo usa uma linguagem duríssima contra os soberbos e orgulhosos, porque sabe que são atitudes de difícil trato. Na verdade, a soberba não tem perdão porque jamais o pede. Talvez por isso Jesus tenha iniciado seu sermão do monte dizendo que o Reino dos Céus pertence aos humildes de espírito. Talvez por isso Jesus tenha condenado o fariseu de Lucas 18:9-14.

2. Conteúdo. O conteúdo da Epístola aos Romanos possui alguns dos maiores temas das Escrituras. São esses temas que tornam essa Epístola a mais teológica do Novo Testamento. É considerada a mais importante obra do apóstolo, não só pela sua extensão (é a mais longa das epístolas paulinas), mas também por ser uma exposição dos fundamentos da doutrina cristã, a mais sistemática de todas as Escrituras. É, pois, a Epístola paulina em que mais se percebe a estrutura costumeira das epístolas de Paulo, quais sejam, a de construção em quatro partes, a saber: a apresentação, a parte dogmática, a parte prática e a conclusão.

a) A apresentação de Paulo e dos seus destinatários. Nesta primeira parte da Epístola, o apóstolo se apresenta e apresenta os crentes de Roma. Abrange o capítulo 1, dos versículos 1 a 17, terminando com a apresentação do próprio tema da carta, qual seja: a justificação pela fé (Rm 1:17). Em nenhum outro lugar a doutrina da justificação aparece com tanta clareza quanto aqui.

b) Parte dogmática ou doutrinária. Aqui, o apóstolo traz o ensino a respeito do que considera ser a justificação pela fé em Jesus Cristo, o que o apóstolo considera como sendo o Evangelho de Cristo, esta boa notícia de que o homem pode ser justificado diante de Deus se crer em Jesus. Esta parte, que é a mais substanciosa da epístola e que a caracteriza como o principal tratado teológico da Bíblia, vai do capítulo 1, versículo 18, até o capítulo 11. A começar dos efeitos do pecado na humanidade, o apóstolo fala a respeito da justiça divina, do papel condenatório da lei, da submissão do homem ao pecado, do papel justificador da fé em Cristo Jesus, da graça divina e do efeito dela no homem e, por fim, da análise da questão da eleição divina e do livre-arbítrio, tomando-se como caso concreto a ser analisado o povo de Israel.

c) Parte prática. Esta parte do Conteúdo da Epístola abrange os capítulos 12 ao capítulo 15 versículo 13, quando o apóstolo disserta a respeito das ações esperadas de quem é justificado pela fé, o que mostra como não tem qualquer sentido as afirmações de que a Epístola aos Romanos é um livro teórico ou um livro que se contraponha a epístola de Tiago, como acreditou Martinho Lutero. Muito pelo contrário, ao terminar a sua exposição a respeito da justificação, o apóstolo começa a falar da necessidade de o crente viver em santidade, separado do pecado e que como suas ações, neste sentido, são indispensáveis, imprescindíveis para a demonstração de uma verdadeira vida cristã. Por isso, fala da consagração do crente, da ética cristã baseada no amor ao próximo, na submissão do crente às autoridades terrenas, na tolerância do cristão com os fracos na fé e na supremacia do amor como sentimento supremo no comportamento de cada salvo sobre a face da Terra.

d) Conclusão. Abrange desde o capítulo 15 versículo 14 até o final do capítulo 16. É um relato do apóstolo sobre as suas intenções e motivos que o levaram a esta exposição da fé para que os crentes de Roma o conhecessem. Nela, o apóstolo mostra a sua disposição de partir para Roma depois de entregar as ofertas que levava a Jerusalém e de ter a ajuda e o apoio da igreja em Roma para o início de sua missão na Espanha, fazendo questão de saudar vários amigos, que se encontravam na capital de César e que serviriam de referência e recomendação a ele para aqueles irmãos.

A Epístola aos romanos, portanto, deve ser lida como uma verdadeira defesa da graça e do amor de Deus em favor do homem. Não é por outro motivo, aliás, que Martinho Lutero, um dos maiores entusiastas desta Epístola, dizia que ela e o evangelho segundo João eram suficientes para que alguém tivesse pleno conhecimento da obra e do ensino de Jesus Cristo. É por isso que, ao longo da história da Igreja, comentários e estudos sobre Romanos tenham sido tomados como verdadeiras “sumas teológicas”, ou seja, como grandes sínteses e resumos da doutrina cristã como um todo.

3. Propósito. O propósito principal para esta Epistola de Paulo ser escrita naquele momento era preparar o caminho para sua visita a Roma, informar os crentes em Roma de seus planos de visita, e conseguir o apoio deles para o seu futuro ministério na Espanha. Paulo ansiava por visitar Roma e se Deus quisesse, logo ele estaria lá (Rm 1:10-13). O apóstolo sabia que Roma era a cidade mais importante do império, como uma influência que se espalhava por toda parte – ministrar ali seria estratégico. Ele estava para ir a Jerusalém (Rm 15:25), no entanto, seus olhos permaneciam na Espanha (Rm 15:24). O apóstolo já considerava cumprida a sua missão no Oriente: Macedônia, Acaia, Galácia e todas as regiões onde havia plantado igrejas. Seu interesse agora era o Ocidente. Roma seria o lugar onde o apóstolo receberia o apoio para avançar com a obra missionária, depois de ter ido a Jerusalém. Assim, Paulo cumpriria estrategicamente duas missões importantes: visitar Jerusalém levando a oferta angariada nas igrejas da Macedônia e Acaia, bem como, visitaria Roma, estabelecendo ali, um ponto de apoio para a sua missão no Ocidente.

Também, Paulo queria contra-atacar qualquer mal entendido a respeito de seus objetivos e de sua mensagem – havia uma difamação muito difundida dirigida a ele por alguns que se diziam cristãos e muitos judeus (veja, por exemplo, 1Corintios capítulo 3 e 2Corintios capítulos 10 e 11). Para muitos cristãos romanos, Paulo era apenas um nome; eles nunca o haviam encontrado e apenas tinham ouvido falar dele. Assim, Paulo consumiu algum tempo para construir sua credibilidade e autoridade demonstrando cuidadosamente sua teologia. É como se ele estivesse dizendo: “Aqui está quem seu sou e aquilo em que acredito”.

Outro propósito para Paulo escrever esta Epístola era edificar os romanos em sua fé, pois eles não tinham líderes ou mestres apostólicos. Ele conhecia os conflitos inevitáveis que se apresentariam aos cidadãos do Reino de Cristo na maior cidade do Império Romano. Esta era uma igreja que não possuía uma Bíblia completa – eles tinham as Escrituras hebraicas (o Antigo Testamento), mas os Evangelhos ainda não haviam sido escritos e as outras Epístolas haviam sido enviadas para outras igrejas. A Epístola aos Romanos, portanto, era a primeira peça de literatura estritamente cristã que esses crentes veriam. Assim, sob a inspiração do Espírito Santo, Paulo, de forma clara e cuidadosa redigiu esta obra prima teológica que traz a forte mensagem do supremo poder de Deus, da salvação pela graça - independentemente das obras, tanto para os gentios como para os judeus -, e da justificação pela fé.

III. VALOR ESPIRITUAL

1. Fundamentação doutrinária. Nas palavras do Rev. Hernandes Dias Lopes, a Epístola de Paulo aos Romanos é muito mais que simplesmente uma carta, é um tratado teológico. É o maior compêndio de teologia do Novo Testamento. É a epístola das epístolas, a mais importante e proeminente carta de Paulo. Os eruditos comparam a Epístola aos Romanos à cordilheira do Himalaia. Nela Paulo subiu às alturas excelsas e atingiu o ponto culminante da teologia cristã. Por inspiração divina, o velho apóstolo expôs de forma lógica as grandes doutrinas da graça. A Epístola aos Romanos trata de alguns dos temas mais profundos do cristianismo: as doutrinas da chamada eleição, da predestinação, da justificação, da glorificação e da herança eterna. É uma verdadeira enciclopédia teológica.

Todos os reformadores viam esta Epístola como sendo a chave divina para o entendimento de todas as Escrituras, já que nela Paulo une todos os grandes temas da Bíblia: pecado, lei, julgamento, destino humano, fé, obras, graça, justificação, eleição, o plano da salvação, a obra de Cristo e do Espírito Santo, a esperança cristã, a natureza e vida da igreja, o lugar do judeu e do não-judeu nos propósitos de Deus, a filosofia da igreja e a história do mundo, o significado e a mensagem do Antigo Testamento, os deveres da cidadania cristã e os princípios da retidão e moralidade pessoal. Romanos nos abre uma perspectiva através da qual a paisagem completa da Bíblia pode ser vista e a revelação de como as partes se encaixam no todo se torna clara.

Nesta Epístola, Paulo mostra que a justiça de Deus manifesta-se no Evangelho. Na cruz de Cristo Deus revelou sua ira sobre o pecado e seu amor ao pecador. A cruz de Cristo foi a justificação de Deus, uma vez que nela Deus satisfez plenamente sua justiça violada. Se a ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens, no Evangelho a justiça de Deus se revela para a salvação de todo o que crê. Paulo anuncia ainda que a justificação não é alcançada pelas obras da lei, mas pela fé na obra de Cristo. Não é a obra que fazemos para Deus que nos salva, mas a obra que Deus fez por nós em Cristo que nos traz a vida eterna. Não é nossa justiça que nos recomenda a Deus, mas a justiça de Cristo a nós imputada. O Justo Jesus justifica o injusto ser humano. O injusto que não tem justiça própria é justificado ao confiar na justiça de Jesus Cristo, o Justo. Romanos 4 é um brilhante ensaio no qual Paulo prova que o próprio Abraão, o pai fundador de Israel, foi justificado não por suas obras (Rm 4:4-8), nem por sua circuncisão (Rm 4:9-12), nem pela lei (Rm 4:13-15), mas pela fé. Em consequência, Abraão é agora "o pai de todos os que creem", sejam eles judeus ou gentios (Rm 4:11,16-25). A imparcialidade divina é evidente.

2. Renovação espiritual. Indubitavelmente, os destinatários originais da Epístola aos Romanos experimentaram um grandioso avivamento espiritual mediante a sua leitura. Todavia, a influência espiritual e moral do texto sagrado desta Epístola se estenderam por todo o período da Igreja, proporcionando avivamentos extraordinários na vida de muitas pessoas. Muitos líderes influentes da igreja, em diferentes séculos, dão testemunho do impacto produzido pela Epístola aos Romanos em suas vidas, tendo sido ela, em diversos casos, o instrumento para sua conversão. Esta Epístola, provavelmente mais que qualquer outro livro da Bíblia, tem influenciado a história do mundo de forma dramática. Vejamos três fatos contados por alguns expoentes historiadores do cristianismo:

- Aurélio Agostinho (354-430 d.C), conhecido no mundo todo como Agostinho de Hipona e que viria a tornar-se o maior dos Pais Latinos da igreja primitiva, por intermédio da leitura da Epístola aos Romanos, foi convertido a Cristo em 386 d.C. Agostinho viveu de forma devassa, entregue às paixões carnais, prisioneiro do sexo ilícito e ao mesmo tempo objeto das orações de Mônica, sua mãe, até que se assentou a chorar no jardim de seu amigo Alípio, quase persuadido a começar vida nova, mas sem chegar à resolução final de romper com a vida que levava. Ali sentado, ouviu uma criança cantar numa casa vizinha: Tolle, legel Tolle, legel (Pega e lê! Pega e lê). Ao tomar o manuscrito do amigo que estava ao lado, seus olhos caíram nestas palavras: "Andemos dignamente, como em pleno dia, não em orgias e bebedices, não em impudicícias e dissoluções, não em contendas e ciúmes; mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e nada disponhais para a carne no tocante às suas concupiscências" (Rm 13:13,14). Seus olhos foram imediatamente abertos, seu coração foi transformado e as sombras de suas dúvidas, dissipadas. O próprio Agostinho confessa: "Não li mais nada e não precisava de coisa alguma. Instantaneamente, ao terminar a sentença, uma clara luz inundou meu coração e todas as trevas da dúvida se desvaneceram". Agostinho tornou-se o maior teólogo da igreja ocidental.

Martinho Lutero (1483-1546) O monge agostiniano Martinho Lutero rompeu os grilhões da escravidão espiritual diante de Romanos 1:17 e descobriu que o justo vive pela fé. Até então, Lutero vivia atormentado pela culpa. A justiça de Deus o esmagava e o levava ao desespero. O monge afligia sua alma com intermináveis confissões ao vigário, no confessionário, flagelando seu corpo com castigos e penitências. Lutero recorreu a todos os recursos do catolicismo de sua época na tentativa de amenizar a angústia de um espírito alienado de Deus, diz Stott (STOTT, John.Romanos, p. 15).

- João Wesley (1703 -1791). Grande avivalista e despertador das igrejas reformadas no século XVIII, e do movimento metodista. Este grande bandeirante do cristianismo recebeu a certeza da salvação ao ouvir numa igreja morávia a leitura do prefácio do comentário de Romanos escrito por Lutero. João Wesley tornou-se um líder espiritual de grande expressão na Inglaterra. Criou depois a Igreja Metodista, uma igreja que buscava a santidade sem deixar de engajar-se firmemente na obra missionária. O reavivamento inglês salvou a Inglaterra dos horrores da Revolução Francesa. Esse movimento espiritual espalhou-se para a Nova Inglaterra e atingiu horizontes ainda mais largos.

Frase de João Wesley: “Uma pessoa pode ir à igreja duas vezes por dia, participar da ceia do Senhor, orar em particular o máximo que puder, assistir a todos os cultos e ouvir muitos sermões, ler todos os livros que existem sobre Cristo. Mas ainda assim tem que nascer de novo”.

CONCLUSÃO

A Epístola aos Romanos é a maior, a mais rica e a mais abrangente declaração da parte de Paulo sobre o Evangelho. Suas declarações condensadas sobre verdades imensas são como molas retraídas – quando são liberadas, elas voam pela mente e pelo coração até encherem o horizonte do indivíduo e moldarem a sua vida. O estudo desta Epístola é vitalmente necessário para a saúde e entendimento espiritual do cristão. Portanto, leiam esta Epístola, pois lhes dará a consciência da dimensão do grande amor de Deus por todos os homens. Ela nos conduzirá a amarmos mais Deus e honrarmos o Senhor Jesus Cristo em nossa maneira de viver.

Fonte ebdweb - Luciano de Paula Lourenço

segunda-feira, 21 de março de 2016

lição do 2º trimestre de 2016: MARAVILHOSA GRAÇA: O Evangelho de Jesus Cristo revelado na carta aos Romanos



No segundo trimestre de 2016 estaremos estudando a carta aos Romanos com o tema Maravilhosa Graça -  O Evangelho de Jesus Cristo revelado na carta aos Romanos,
O comentarista da lição é o  Pr. José Gonçalves
Um bom trimestre para todos os amantes da EBD.


Maravilhosa Graça
O Evangelho de Jesus Cristo revelado na Carta aos Romanos

Sumário
Lição 1 - A Epístola aos Romanos
Lição 2 - A Necessidade Universal da Salvação em Cristo
Lição 3 - Justificação, somente pela fé em Jesus Cristo
Lição 4 - Os Benefícios da Justificação
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
Lição 6 - A Lei, a Carne e o Espírito
Lição 7 - A Vida Segundo o Espírito
Lição 8 - Israel no Plano da Redenção
Lição 9 - A Nova Vida em Cristo
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e Espirituais
Lição 11 - A Tolerância Cristã
Lição 12 - Cosmovisão Missionária
Lição 13 - O cultivo das relações interpessoais

13 ª lição do 1º trimestre de 2016- O DESTINO FINAL DOS MORTOS



Chegamos ao final do primeiro trimestre de 2016. Considerando a relevância do tema abordado, (Escatologia)  é certo afirmar que cada aluno da EBD dessa faixa etária foi sobremodo agraciado com o vasto conteúdo exposto. No ensejo externo minha gratidão ao Pr. Elinaldo Renovato de Lima, Pr. Luciano de Paula Lourenço,  Dr. Ev. Caramuru Afonso Francisco e demais pastores que tem contribuído significativamente pelo desempenho da Escola Bíblica no Brasil.  Desejando a todos um bom aproveitamento no próximo trimestre. Pb. Efigênio Hortêncio

Texto Base: Lucas 16: 19-26


“Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens” (1Co.15:19).
INTRODUÇÃO
Nesta Aula estudaremos a respeito do destino dos mortos: dos cristãos salvos em Cristo Jesus e dos ímpios. Em todas as Aulas deste trimestre enfatizamos acerca deste assunto, porém, nesta Aula, daremos um enfoque mais detalhado e exaustivo a respeito do destino final dos crentes e dos ímpios que já morreram.

A experiência da morte é uma realidade para todos. Os cristãos, mesmo depois de terem sido justificados pela graça de Deus ao receberem o Senhor Jesus pela fé, e assim terem garantida a sua salvação, não são poupados da morte física, que é consequência do pecado original. O que acontece com nossa alma no período entre a morte até a ressurreição? Qual o destino final dos mortos? É o que vamos entender no decorrer deste estudo.

I. O ESTADO INTERMEDIÁRIO

A morte é uma realidade a qual nenhum ser humano pode negar; mais cedo ou mais tarde, de um modo ou de outro, todos a enfrentarão, exceto os salvos que se encontrarem vivos no momento do Arrebatamento da Igreja. Se a morte é uma triste realidade e a alma humana é imortal, para onde vão aqueles que morrem? O que acontece com a alma daqueles que morreram fisicamente?

1. O que é o Estado Intermediário? É a situação entre a morte física e a ressurreição, tanto dos salvos como dos ímpios. Entretanto, as Escrituras Sagradas dizem que os salvos terão um destino diverso dos ímpios - "Não vos maravilheis disso, porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz. E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal, para a ressurreição da condenação" (João 5.28,29; Dn 12.2).

A vida vai além deste mundo visível e perceptível aos olhos humanos. Após a morte, o corpo se desfaz no pó da terra, entretanto, existe uma parte espiritual no ser humano que não cessa de existir. As pessoas que não acreditam na existência de Deus, obviamente, negam a ideia de vida após a morte. Outros, mesmo entre aqueles que se proclamam seguidores de Jesus, ensinam que os injustos deixarão de existir, quando morrerem. Em contraste a isso, Jesus claramente ensinou que a existência não cessa com a morte (Mt 22:31,32; Lc 16:19-31). O problema fundamental nesta doutrina humana que diz que a existência cessa com a morte, é o erro de não entender que a morte é uma separação, e não o fim da existência da pessoa (veja Tiago 2:26). Algumas igrejas, seguindo doutrinas de homens, negam a existência do Inferno, mas a Bíblia mostra que todos serão julgados e separados: os justos para a vida eterna; e os ímpios para o castigo eterno, separados de Deus para sempre (João 5:28,29; Mt 25:41,46).

Como cristãos, sabemos que a nossa vida está nas mãos de Deus, e devemos lembrar que, apesar da vida findar-se aqui neste mundo, a alma humana é imortal e, por causa disso, o Senhor com justiça dará destino a esta alma que permanece viva e consciente após a morte. A Bíblia fala do homem como um todo (corpo, alma e espírito -1Ts 5:23), logo são necessárias a ressurreição e a redenção do corpo. Segundo a Bíblia, existe um local onde a alma e o espírito dos que morrem aguardam a ressurreição. Após a morte a alma passa para o que é chamado de Estado Intermediário.

2. O Sheol e o Paraíso. Sheol – é a morada dos mortos. No Antigo Testamento era considerado como uma região situada embaixo da terra (Nm 16:30,33; Am 9:2), sombria e escura, onde os espíritos desencarnados tinham uma existência consciente, mas amortecida e inativa (2Sm 22:6; Ec 9:10). O povo hebreu via o Sheol como o lugar para onde justos e ímpios iam, após a morte (Sl 9:17; Is 38:10; Dt 32:22; NTLH, o mundo dos mortos), um lugar onde se recebiam punições e recompensas.

No Novo Testamento, Sheol é traduzido por Hades. Tanto Sheol como Hades, ambas designam o lugar para onde, nos tempos do Antigo Testamento, iam todos após a morte: justos e injustos, havendo, no entanto nessa região dos mortos, uma divisão para os justos e outra para os injustos, separados por um abismo intransponível. Todos estavam ali plenamente conscientes. O lugar dos justos era de felicidade plena, paz e segurança. Era chamado de “Seio de Abraão” e “Paraíso”. Já o lugar dos ímpios era e é tenebroso, cheio de dores e sofrimentos, estando todos lá plenamente conscientes.

Paraíso – Lugar para onde vão os salvos depois que morrem, aguardando a ressurreição. A palavra “Paraíso” “aparece apenas três vezes no Novo Testamento (Lc 23:43; 2Co 12:4; Ap 2:7), e o contexto demonstra que está em relação com o 'Terceiro Céu', no qual cresce a árvore da vida - referindo-se necessariamente todas estas passagens a uma vida que se segue após a morte". (Elinaldo Renovato. O final de Todas as Coisas. CPAD).

O Paraíso está agora na imediata presença de Deus. Os salvos em Cristo, desde a ressurreição de nosso Senhor Jesus, não mais descerão ao Hades, isto é, para a divisão que antes era reservada ali para os justos. A mudança ocorreu entre a morte e a ressurreição do Senhor, pois Ele disse ao ladrão arrependido: “... hoje estarás comigo no paraíso” (Lc 23:43). Sobre este assunto, diz o apóstolo Paulo: “...quando ele subiu às alturas, levou cativo o cativeiro, e concedeu dons aos homens. Ora, que quer dizer subiu, senão que também havia descido até às regiões inferiores da terra?” (Ef 4:8,9). Entende-se, pois, que Jesus, ao ressuscitar, levou para o Céu os crentes do Antigo Testamento que estavam no “seio de Abraão”, conforme narra Lucas 16:22. Muitos desses crentes, Jesus os ressuscitou por ocasião da Sua morte, certamente para que se cumprisse o tipo prefigurado na Festa das Primícias (Lv 23:9-11), que profeticamente falava da ressurreição de Cristo (1Co 15:20,23).

O apóstolo Paulo foi ao Paraíso, o qual está no Terceiro Céu (2Co 12:1-4). Portanto, o Paraíso não está em baixo, como dantes; está agora lá em cima, na imediata presença de Deus. A mesma coisa vê-se em Ap 6:9,10, onde as almas dos mártires da Grande Tribulação permanecem no Céu, “debaixo do altar”, aguardando o fim da Grande Tribulação, para ressuscitarem (Ap 20:4) e ingressarem no reino milenial de Cristo.

Os crentes que agora “dormem” no Senhor estão no Céu, pois o Paraíso está lá agora, como um dos resultados da obra redentora do Senhor Jesus Cristo (2Co 5:8). No momento do Arrebatamento da Igreja, seus espíritos e almas virão com Jesus, unir-se-ão a seus corpos ressurretos e subirão com Cristo, já glorificados, e viverão no Céu eternamente.

3. O lugar dos mortos. Como eu disse, antes de Cristo, o Hades tinha dois lados separados entre si por um abismo intransponível: o Paraiso ou Seio de Abraão e o lugar de tormentos. O “Seio de Abraão” ou Paraíso era separado do lugar de tormentos. O Paraíso ou “Seio de Abraão” (Lc 16:22;23:43) era um lugar intermediário de felicidade, em um dos lados do Hades (região dos mortos), onde antes as almas dos salvos aguardavam conscientes a ressurreição (Lc 16:23-31). Essa região do Hades existiu até o dia da ressurreição de Cristo, quando eles então ressuscitaram (Mt 27:52,53). Depois de Cristo, os crentes, quando morrem, vão direto para o Céu “estar com Cristo” (Fp 1:23; 2Co 5:8). Por outro lado, o lugar de tormentos do Hades continua existindo, e é aonde os não-salvos vão depois que morrem, para aguardar o Grande Trono Branco (Juízo Final), que acontecerá depois do Milênio, quando, então, irão de lá para o Inferno (lago de fogo e enxofre), juntamente com Satanás e seus anjos (Ap 20:5,11-15). Quando Jesus morreu, não foi ao Inferno, Ele foi ao Hades (Ef 4:9), esteve no lado chamado “Seio de Abraão” e trouxe os salvos à ressurreição, e os levou ao Céu (Ef 4:9,10).

J. Dwight Pentecost, citando Scofield, acerca da região dos mortos (Hades), antes e depois da Ascensão de Cristo, diz o seguinte:

O Hades antes da Ascensão de Cristo. A passagem em que a palavra ocorre deixa claro que o Hades estava antigamente dividido em dois: as moradas dos salvos e a dos incrédulos, respectivamente. A primeira era chamada "Paraíso" e "Seio de Abraão". Ambas designações eram talmúdicas, mas foram adotadas por Cristo em Lucas 16.22; 23.43. Os mortos abençoados, que estavam com Abraão, eram conscientes e estavam "confortados" (Lc 16.25). O ladrão da cruz acreditou que estaria, naquele dia, com Cristo no "Paraíso". Os incrédulos estavam separados dos salvos por um "grande abismo" fixo (Lc 16.26). O representante dos incrédulos que agora estão no Hades é o homem rico de Lucas 16.19-31. Ele estava vivo, consciente, exercendo todas as suas funções, memória, etc., e em agonia.

O Hades desde a Ascensão de CristoQuanto aos mortos incrédulos, nenhuma mudança de lugar ou condição é revelada nas Escrituras. No julgamento do Grande Trono Branco, o Hades os entregará, eles serão julgados e passarão para o lago do fogo (Ap 20.13,14). Mas houve uma mudança que afetou o Paraíso. Paulo foi "arrebatado ao Paraíso" (2Co 12.1-4). O Paraíso, então, agora está na presença imediata de Deus. Acredita-se que Efésios 4.8-10 indique o tempo da mudança - "Quando ele subiu às alturas, levou cativo o cativeiro." Acrescenta-se imediatamente que antes Ele havia "descido até às regiões inferiores da terra", isto é, a parte do Hades chamada Paraíso. Durante a atual era da Igreja, os salvos que morrem estão "ausentes do corpo e presentes com o Senhor". Os mortos incrédulos no Hades e os mortos salvos "com o Senhor" esperam a ressurreição (Jó 19.25; 1Co 15.52). (J. Dwight. Pentecost. Manuel de Escatologia, p.562/563).

II. A SITUAÇÃO DOS MORTOS

Qual a real situação daqueles que já morreram? A vida não consiste apenas do breve percurso entre o berço e a sepultura. Há uma dimensão transcendental na vida. Nossa vida não se milita apenas a este mundo. O sepulcro frio não é o nosso destino final. Nossa existência não se finda com a morte. A falsa compreensão de que não existe vida depois da morte, e de que a morte tem o poder de pôr fim à existência carimbada pelo sofrimento, tem levado muitos indivíduos a saltar no abismo do suicídio em busca de um alívio ilusório. Na verdade, a morte não põe um ponto final na existência. A história do rico e do Lázaro mostra isso (Lc 16:19-31). Do outro lado da sepultura, há uma eternidade de gozo ou sofrimento, de bem-aventurança ou tormento. Depois da morte, há dois destinos eternos: Céu ou Inferno. Podemos descrer ou negar isso, mas não invalidar esta verdade.

1. O estado intermediário dos salvos. Quando o cristão morre, embora o corpo permaneça na terra e seja sepultado, no momento da morte, o homem interior (a alma e o espírito) vai imediatamente para a presença de Deus, ao Paraíso. Jesus disse ao ladrão que estava morrendo ao lado dele na cruz: “Hoje estarás comigo no paraíso” (Lc 23:46). Quando o apóstolo Paulo pensava em sua morte, ele afirmou: “Preferindo deixar o corpo, e habitar com o Senhor” (2Co 5:8). Deixar o corpo é estar com o Senhor, no lar. Ele também diz que seu desejo é “partir e estar com Cristo” (Fp 1:23).

- A doutrina do “sono da alma” é falsa. Esta doutrina ensina que a alma não é consciente entre a morte e a ressurreição. Os adeptos desta doutrina ensinam que, quando as pessoas morrem, elas entram em um estado de existência inconsciente e que voltarão à consciência somente quando Cristo voltar e ressuscitá-los para a vida eterna. Essa doutrina tem sido ensinada eventualmente por alguns ao longo da história da igreja. O Adventismo, seguidor desta doutrina, ensina que após a morte do corpo a alma é reduzida ao estado de silêncio, de inatividade e de inteira inconsciência, isto é, entre a morte e a ressurreição os mortos dor­mem. Dizem isso com base no texto bíblico de 1Tessalonicensses 4:13-15, quando Paulo se dirige aos cristãos Tessalonicenses, esclarecendo-lhes acerca daqueles que morreram fisicamente – “não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem... (1Ts 4:13). Todavia, este ensino contradiz vários textos das Escrituras, dentre os quais destacam-se Lucas 16:22-31 e Apocalipse 6:9,10.

·     Lucas 16:22-30 registra a história do rico e Lázaro logo após a morte, e mostra que o rico, estando no Sheol (Hades, no grego), levantou os olhos e viu Lázaro no seio de Abraão (v.23), clamou por misericórdia (v.24), teve sede (v.24), sentiu-se atormentado (v.24), rogou em favor dos seus irmãos (v.27), disse que ainda tinha seus irmãos em lembrança (v.28), persistiu em rogar a favor dos seus entes queridos (v.30).

·     Apocalipse 6:9,10 trata da abertura do quinto selo, quando João viu debaixo do altar "as almas daqueles que tinham sido mortos por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho que sustentavam". Segundo o registro de João, elas clamavam com grande voz (Ap 6:10), inquiriram o Senhor (Ap 6:10), reconheceram a soberania do Senhor (Ap 6:10), lembravam-se de acontecimentos da Terra (Ap 6:10), clamavam por vingança divina contra os ímpios (Ap 6:10).

As expressões “dormir” ou “sono”, usadas na Bíblia para tipificar a morte, falam da indiferença dos mortos para com os acontecimen­tos normais da Terra e nunca para com aquilo que faz parte do ambiente onde estão as almas desencarnadas. Assim como o sub­consciente continua ativo enquanto o corpo dorme, literalmente falando, a alma do ho­mem não cessa sua atividade quando o corpo morre.

A palavra de Cristo na cruz ao ladrão arrependido - "Em ver­dade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso" (Lc 23:43) - é uma prova da consciência da alma imediatamente após a morte.

No momento da transfiguração de Cristo, Moisés não estava inconsciente e silencioso enquanto falava com Cristo sobre a sua morte iminente (Mt 17:1-6).

Quando Paulo usa a expressão “dormem” (1Ts 4:13-15), em hipótese alguma estava dizendo que, quando uma pessoa morre, ela passa a ficar inconsciente, a ter um sono espiritual que somente terminará quando da volta de Cristo ou do julgamento final. Se Paulo estivesse dizendo isto, estaria contradizendo o próprio Jesus, que, ao relatar a história do rico e Lázaro, mostra claramente que, após a morte, a pessoa mantém plenamente a sua consciência, sendo levada a um lugar intermediário, onde aguardará a primeira ressurreição ou a ressurreição do último dia (Ap 20:5,12,13).  

Vemos, portanto, que não há como se defender que a morte física é uma circunstância de inconsciência por parte do homem, até porque a morte física é tão somente a separação do corpo do homem interior, pois o que Deus sentenciou foi o retorno do pó à terra e o homem interior não veio do pó da terra, mas do fôlego de vida inserido no homem pelo próprio Deus (Gn 2:7).

- A doutrina do “purgatório” é falsa. O fato de que a alma do cristão vai imediatamente para a presença de Deus nos leva, indubitavelmente, a concluir que não existe algo como o purgatório. Este ensino do purgatório é encontrado apenas nos livros apócrifos, incorporados ao Velho Testamento da Igreja Católica Romana em 1546. Na doutrina católica romana, o purgatório é o lugar onde a alma do cristão é purificada do pecado até que esteja pronta para ser aceita no céu. De acordo com esse pensamento, os sofrimentos do purgatório são dados a Deus como substitutos do castigo pelos pecados que os cristãos mereciam ter recebido, e não receberam. Este falso ensino vai de encontro ao que o apóstolo Paulo disse, por inspiração divina, que ao partir, estaria com Cristo – “tendo desejo de partir e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor” (Fp 1:23); ele não passaria por nenhum “purgatório”.

2. Os justos são recebidos pelo Senhor“E aconteceu que o mendigo morreu e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão” (Lc 16:22). Quando um crente morre, o corpo vai à sepultura, mas sua alma é recebida pelo Senhor no Paraíso (2Co 5:8; Fp 1:23). Na hora do Arrebatamento, o corpo do crente será ressuscitado da sepultura e reunido com o espírito e a alma (1Ts 4:13-18).  

Para o apóstolo Paulo a morte não era uma tragédia. Ele chegou a dizer: ”Para mim o viver é Cristo, e o morrer é lucro”(Fp 1:21). Para ele, morrer é partir para estar com Cristo, o que é incomparavelmente melhor (Fp 1:23). Ele desejava, preferencialmente, estar com o Senhor - “Desejamos, antes, deixar este corpo, para habitar com o Senhor”(2Co 5:8). Somente aqueles que têm o Espírito Santo como penhor (2Co 5:5) podem ter essa confiança do além-túmulo. O penhor do Espírito é uma garantia de que caminhamos não para um fim tenebroso, mas para um alvorecer glorioso; caminhamos não para a morte, mas para a vida eterna, para habitação de uma mansão permanente. Aqueles que vivem sem essa garantia se desesperam na hora da morte. Mas, o crente salvo em Cristo não se desespera, pois sabe que será recebido pelo Senhor.

Veja o exemplo de Estêvão em Atos 7:55.59: “e disse: Eis que vejo os céus abertos e o Filho do homem, que está em pé à mão direita de Deus. E apedrejaram a Estêvão, que em invocação dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito”. Aqui nesta passagem de Atos encontramos algo impressionante: Jesus se põe em pé no momento em que Estêvão estava pregando com ousadia e destemor a Palavra de Deus. No Novo Testamente você não encontra nenhuma passagem de Jesus em pé. As passagens são: “e assentou-se à destra da Majestade nas alturas” (Hb 1:3). Agora, nesta passagem de Atos 7:55 Jesus se põe em pé -  “e viu o Filho do Homem em pé à direita de Deus”; esta passagem é uma. Se alguém está assentado e depois se levanta, significa que saiu de uma atitude de inércia para uma atitude ativa. Quando Jesus se põe em pé significa que Ele vai agir. Quando Estevão viu Jesus em pé, queria dizer que Ele ia agir. Ele estava pronto para receber o espírito e a alma de Estêvão. É o próprio Senhor Jesus quem recebe o espírito dos justos após a morte.

O grande avivalista americano do século 19, Dwight L. Moody, na hora da morte, disse às pessoas que o cercavam: Afasta-se a Terra, aproxima-se o Céu, estou entrando na glória. O médico e pastor galês, Martyn Lloyd-Jones, prolífico escritor, estadista do púlpito evangélico, depois de uma grande luta contra o câncer, disse para os seus familiares e paroquianos: Por favor, não orem mais por minha cura, não me detenha da glória.  Estes dois servos de Deus sabiam que, ao morrer, a alma e o espírito deles seriam recebidos pelo Senhor.

3. O estado intermediário dos ímpios. Como eu disse acima, o “sono da alma” não existe. Se não existe, então, para onde vai imediatamente a alma de um incrédulo, depois que morre?  Vai para a região dos mortos (Hades, ou Sheol), um lugar intermediário, onde aguarda seu julgamento final. A Parábola do rico e Lázaro nos ensina que o rico foi imediatamente para o Hades (Sheol em Hebraico), para o lugar de tormentos, e não dá esperanças de que seja possível passar de lá para o Paraíso depois da morte, apesar do clamor do rico no Hades: “Pai Abraão, tem misericórdia de mim! E manda a Lázaro que molhe em água a ponta do dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama” (Lc 16:24). Abraão, entretanto, respondeu: “Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro, somente males; e, agora, este é consolado, e tu, atormentado. E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá, passar para cá” (Lc 16:25,26).

As escolhas desta vida determinam o nosso destino eterno, e, uma vez morto, o destino é determinado. Não há passagem do lar dos salvos para os condenados ao inferno, ou vice-versa. Lamentavelmente, a alma dos descrentes vai imediatamente para o lugar de tormentos e lá ficará até o Juízo Final, quando, enfim, será lançada no Fogo Eterno (Inferno). Não há segunda chance. A chance de receber o Senhor Jesus é aqui na Terra. Portanto, a Bíblia nunca nos incentiva a pensar que haverá segunda chance de aceitar a Cristo depois da morte. Na verdade, o quadro é exatamente o oposto - “E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo, depois disso, o juízo” (Hb 9:27).

III. O DESTINO FINAL DOS MORTOS

Após passarem pelo “estado intermediário”, os mortos ressuscitarão: “... uns para a vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno” (Dn 12:2). Está escrito em João 5:28,29: “Não vos maravilheis disso, porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz. E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal, para a ressurreição da condenação”.

1. O Estado Final dos salvos – “os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida” (João 5:29). O Estado Final dos salvos: a vida eterna com Cristo no Céu. A vida eterna é a maior promessa que o Senhor, pela sua graça nos concedeu. João afirmou isso com firmeza em 1João 2:25 – “E esta é a promessa que ele nos fez: a vida eterna”. Diz mais o apóstolo João: E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho. Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida. Estas coisas vos escrevi, para que saibais que tendes a vida eterna e para que creiais no nome do Filho de Deus (1João 5:11-13).

Vida eterna não é apenas uma vida que nunca vai acabar, porque aqueles que vão para o Inferno também nunca vão cessar de existir, com tormento. Vida eterna é uma qualidade superlativa excelente de vida, de santidade, de contentamento, de alegria, de pureza, que nunca vai terminar: é quando Deus vai enxugar de nossos olhos toda lágrima; é quando não haverá mais dor; é quando não haverá mais luta; é quando não haverá mais tristeza; é quando não haverá mais despedida; é quando não haverá mais velhice; é quando não haverá mais tropeço; é quando não haverá mais cortejo fúnebre; é quando não haverá mais cansaço; é quando estaremos com Deus e para Deus eternamente: numa festa e no melhor lugar; com as melhores companhias; com as melhores iguarias; com as melhores roupas; com as melhores músicas, desfrutando das venturas celestes que Cristo preparou para nós, e que haveremos de desfrutar para sempre e sempre e sempre.

Portanto, como filhos e herdeiros de Deus, temos a certeza da vida eterna. Esta garantia é para todos aqueles que um dia firmaram, por meio da fé, um compromisso com Cristo, isto é, creram em Jesus como Senhor e Salvador de suas vidas.

Em breve, a Igreja, a "Noiva do Cordeiro", há de se encontrar com "o Noivo", nos ares (1Ts 4:17), então haverá as "Bodas do Cordeiro", o casamento da Noiva (Igreja) com seu Noivo (Jesus) e a Noiva será elevada à condição de Esposa eterna, e viveremos felizes para todo o sempre. É o estado final dos salvos.

2. O estado final dos ímpios. O destino final dos ímpios é enfático na Palavra de Deus: “Os ímpios serão lançados no inferno e todas as nações que se esquecem de Deus”(Sl 9:17).

A Bíblia fala-nos da morte eterna ou “segunda morte” (Ap 20:14), que é a separação eterna de Deus, resultado da condenação no Julgamento Final, quando, então, aqueles que resolveram viver longe da presença de Deus, que recusaram o Seu senhorio em suas vidas, serão lançados no lago de fogo e de enxofre para todo o sempre, onde sofrerão eternamente juntamente com Satanás, a Besta, o Falso Profeta e todos os anjos caídos. Está escrito: “E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo”(Ap 20:15).

A eterna separação de Deus é o destino eterno dos incrédulos. É o que a Bíblia considera de segunda morte (Ap 20:14). Esta separação é definitiva e não representa aniquilamento ou fim da existência, mas uma separação eterna e irreversível de Deus. O pior da condenação é nunca mais ver a Deus.

O aniquilamento dos ímpios não é verdadeiro. Spicer, um dos mais lidos escritores adventistas, escreve: "O ensino positivo da Sagrada Escritura é que o pecado e os pecado­res serão exterminados para não mais existirem. Haverá de novo um Universo limpo, quando estiver terminada a grande controvér­sia entre Cristo e Satanás". É evidente que este ensino entra em contradição com as seguintes passagens: Daniel 12:2; Mateus 25:46; João 5:29 e Apocalipse 20:10.

- Daniel 12:2 e Mateus 25:46, respectivamente, estão de acordo ao afirmar que: “Os justos ressuscitarão para a vida e gozo eternos”; “Os ímpios ressuscitarão para vergonha e horror igualmente eternos”. Aqui, "vergonha e horror eterno" não significam destruição ou aniquilamento. Estas palavras falam do estado de separação entre Deus e o ímpio após a sua morte. Se for certo que o ímpio será destruído, por que então terá ele de ressuscitar e depois ser lança­do no Lago de Fogo? (Mt 25:41). Apocalipse 14:10,11 diz que os adoradores do Anticristo serão atormentados "e a fumaça de seu tormento sobe pelos séculos dos séculos". Isto não é aniquilamen­to.

- Apocalipse 20:10 diz que Satanás, o Anticristo e o Falso Profeta "serão atormentados no Lago de Fogo pelos séculos dos séculos", para sempre. Isto não é aniquilamento.

O sofrimento dos ímpios no Lago de fogo é indescritível. Esse terrível lugar será de choro e ranger de dentes (Mt 13:50; 22:13). Jesus diz que o tormento será eterno (Mt 25:46). O apóstolo Paulo diz: “Estes sofrerão penalidade de eterna destruição, banidos da face do Senhor e da glória do seu poder” (2Ts 1:9). Portanto, várias são as imagens que a Bíblia usa para descrever esse lugar de tormento: fogo; verme que morde sem cessar; vergonha eterna; choro e ranger de dentes; trevas; perdição e exclusão. Que Deus nos guarde desse lugar tenebroso!

CONCLUSÃO

Para os salvos a morte não é o fim da vida, mas um novo começo. É a ocasião em que é libertado de todo o mal e levado vitoriosamente desta vida para o Céu. Neste caso, a morte não é um terror (1Co 15:55-57), mas um meio de transição para uma vida plena de felicidade eterna. Para o salvo, morrer é ser liberto das aflições deste mundo (2Co 4:17) e do corpo terreno, para ser revestido da vida e glória celestiais (2Co 5:1-5). Enfim, para o crente a morte é a entrada na glória (Sl 73:24); é ser levado pelos anjos “para o seio de Abraão” (Lc 16:22); é ir ao “Paraíso” (Lc 23:43); é ir à casa de nosso Pai, onde há “muitas moradas” (João 14:2); é uma partida bem-aventurada para estar “com Cristo” (Fp 1:23); é ir “habitar com o Senhor” (2Co 5:8); é um dormir em Cristo (1Co 15:18; cf João 11:11; 1Ts 4:13); “é ganho...ainda muito melhor” (Fp 1:121,23); é a ocasião de receber a “coroa da justiça” (ler 2Tm 4:8).

“Ao Rei dos séculos, imortal, invisível, ao único Deus seja honra e glória para todo o sempre. Amém” (1Tm 1:17).

Aqui, concluímos o primeiro trimestre letivo de 2016. Espero que as Aulas tenham gerado nos corações de todos os leitores, alunos e professores, um superlativo anseio de servir ao Senhor, com fidelidade, sinceridade e devoção, e que tenham nutrido ainda mais na alma de cada pessoa o ardor da esperança de ver Jesus face a face; sua vinda é certa e pode acontecer a qualquer momento. Os sinais da sua vinda e a exatidão do seu cumprimento provam que Ele já está a caminho. Sinceramente, pela fé já posso ouvir os seus passos se aproximando. “Sede vós pacientes, fortalecei o vosso coração, porque já a vinda do Senhor está próxima” (Tg 5:8).

Deus os abençoe sobremaneira!
Fonte: ebdweb - Luciano de Paula Lourenço