Seguidores

terça-feira, 21 de junho de 2011

AVIVA Ó SENHOR A TUA OBRA



Texto Base: Habacuque 3:1-19
Ouvi, SENHOR, a tua palavra e temi; aviva, ó SENHOR, a tua obra no meio dos anos, no meio dos anos a notifica; na ira lembra-te da misericórdia“(Hc 3:2).

INTRODUÇÃO



Chegamos ao final de mais um excelente trimestre, não temos dúvida de que o presente trimestre, além de trazer um ótimo relato histórico da maior igreja Evangélica do Brasil, nos proporcionou um substancial conteúdo para servir de base para nossa trajetória  espiritual. A lição de hoje traz a tona a importância de mais uma forte reflexão para os nossos dias: "Avivamento",   avivamento traz nova vida para a igreja. Avivamento significa acordar e viver. Significa que os crentes que vivem na mornidão mornos, cansados, despertem para uma nova vida cheia do Espírito santo e entrem outra vez na águas que saciam a sede espiritual. Desejo que a igreja no Brasil prove do verdadeiro avivamento. Um a boa aula.



I. BUSCANDO O AVIVAMENTOA busca do aviamento deve ser uma constante na vida do povo de Deus. Nossa natureza carnal ainda não foi extirpada, ela continua em stand by, ou seja, a qualquer momento pode vir à tona se não houver uma rigorosa vigilância de nossa posição espiritual diante de Deus. Por isso Jesus alertou os seus discípulos: “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca”(Mt 24:41).
Na Bíblia, foram registrados grandes avivamentos em que um grande número de pessoas voltou-se para Deus e desistiu de seu modo pecaminoso de viver. Os avivamentos foram liderados por alguém que reconheceu a crise espiritual da nação, superou o medo e tornou a vontade de Deus conhecida às pessoas. Destacamos alguns:
· Moisés (Êxodo cap. 32,33). Aceitaram as leis de Deus e construíram o Tabernáculo.
· Samuel (1Samuel 7: 2-13). Prometeram colocar Deus em primeiro lugar em sua vida e destruíram os ídolos.
· Davi (2Samuel cap. 6). Levaram a Arca da Aliança para Jerusalém e louvaram a Deus com cânticos e instrumentos musicais.
· Josafá (2Crônicas cap 20). Decidiram confiar somente na ajuda de Deus, e o desânimo deu lugar à alegria.
· Ezequias (2Crônicas cap. 29-31). Purificaram o Templo, livraram-se dos ídolos e levara os dízimos à Casa de Deus.
· Josias (2Crônicas cap. 34,35). Fizeram um compromisso de obedecer às ordens de Deus e remover as influências pecaminosas de sua vida.
· Esdras (Esdras cap. 9,10; Ageu 1). Pararam de associar-se com aqueles que os faziam transigir em sua fé, renovaram seu compromisso com os mandamentos de Deus e começaram a reconstruir o Templo.
· Neemias e Esdras(Neemias cap. 8-10). Jejuaram, confessaram seus pecados, leram a Palavra de Deus publicamente e prometeram por escrito(Neemias 9:38) servir novamente a Deus, de todo o coração.
1. O Livro da Lei é encontrado. O avivamento é necessário, pois a tendência do homem é a de esquecer-se das coisas de Deus com o passar do tempo. A história de Israel nos mostra exemplos desse fato. Josias, rei em Judá, decidiu reformar o templo do Senhor. Nessa reforma, o sumo sacerdote Hilquias encontrou o Livro da Lei perdido na casa do Senhor(ler 2Cr 34:8-17). Quando o rei Josias leu o Livro da Lei, rasgou suas vestes e conclamou o povo a um conserto com Jeová(ler 2Cr 34:19-33). Dessa forma, aconteceu um avivamento em Judá, quando o povo se arrependeu e retornou às práticas descritas por Deus em sua Lei. Aquele avivamento trouxe maravilhosos resultados ao Reino de Judá. Os judeus puseram-se, com temor e com o coração cheio de júbilo a celebrar as festas do Senhor (2Cr 35:18).
Não é de estranhar que em muitas de nossas igrejas, o “Livro da Lei” de Deus esteja perdido. Não no mundo, mas na própria igreja, vemos a carência de que a pregação genuína e o ensino da Palavra de Deus sejam mais consistentes. Para que possamos ver o verdadeiro avivamento acontecer, precisamos retornar à Palavra. Nenhum avivamento é possível sem um retorno incondicional à Palavra de Deus.
2. Quando a Palavra de Deus é ensinada. Desde o Antigo Testamento, sempre vemos que os momentos de avivamento do povo de Deus são caracterizados por uma busca da lei do Senhor, por uma renovação no interesse e na observância das Escrituras. Todo e qualquer movimento que menosprezar a Palavra de Deus, que não der espaço ao estudo e ao ensino da Palavra, não é um verdadeiro avivamento espiritual, mas um movimento místico, que se misturará facilmente com manifestações sobrenaturais de procedência maligna.
Dizer que se está diante de uma igreja avivada sem que haja ensino, exposição e meditação na Palavra do Senhor, onde há uma seqüência interminável de cânticos, de “operações de maravilhas” (divulgações intermináveis de visões, de revelações, de diálogos intermináveis com demônios, de teatralizações, de sessões de exorcismo e de operações similares, carregadas de misticismo e histeria etc. etc.), é um engano, é mentira, é ilusão. Deus Se revela através da Sua Palavra e as operações e manifestações de poder existem para confirmar a Sua Palavra (Mc 16:20). Não há como se concordar com um “avivamento” que deixa de lado as Escrituras e se apegam a invencionices humanas. Sejamos vigilantes e não deixemos que o adversário, com seus ardis, que não podemos ignorar (2Co 2:10,11), venha a nos enganar e a nos golpear.
O avivamento no tempo de Esdras teve início com a volta incondicional de todos ao estudo e à obediência da Palavra de Deus (Ed 7:10) - “Porque Esdras tinha preparado o seu coração para buscar a Lei do SENHOR, e para cumpri-la, e para ensinar em Israel os seus estatutos e os seus direitos”. Esdras propôs no seu coração ensinar a Palavra de Deus para preservar a verdade, a retidão e a pureza entre o povo de Deus(ler Ed 10:10-12). A igreja, hoje, precisa de líderes como Esdras.
3. Os frutos do avivamento. O avivamento sempre resulta em frutos que denotam claramente mudança no padrão moral e espiritual das pessoas. Na época de Esdras e Neemias, como frutos do avivamento ocorrido no povo Deus, houve uma notória restauração moral e espiritual da nação judaica (ver Ne 8:1-18;0:1-38;10:29).
O avivamento liderado por Esdras conduziu a um firme compromisso do povo à vontade de Deus. O povo, uma vez dedicado, assim se manifestou: serviram fielmente ao Senhor, segundo os seus mandamentos(Ne 10:29); conservaram-se puros e separados do mundo(10:30,31; cf Tg 1:27); e sustentaram a obra de Deus, dando seu tempo, dinheiro e bens(10:32-39).
Podemos, ainda, dizer que o avivamento na vida do crente produz os seguintes frutos:
a) Mantém o crente afastado do mundo. Em Efésios 4:25-31 encontramos uma relação de vícios e práticas mundanas, emanadas do velho homem, que muitas vezes atingem sorrateiramente a vida do crente. Precisamos não somente abandonar, mas abominar estas coisas que entristecem o Espírito de Deus: “Não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas, antes, condenai-as”. Pela renovação espiritual nos mantemos firmes no processo de despir-se do velho homem e revestir-se do novo (Ef 4:22-24).
b) Aprofunda o crente na Palavra de Deus. Quando somos renovados, nosso espírito é impelido pelas verdades eternas da Palavra (João 6:63), e nossa fé cresce abundantemente (Rm 10:17).
c) Perseverança nas orações. Uma igreja avivada não pára de orar, faz contínua oração. A história dos avivamentos mostra que sempre o povo foi levado a buscar ao Senhor, a orar, a jejuar e a adorá-lo na beleza da Sua santidade.
Diz a Bíblia que a igreja recém-nascida era uma igreja que perseverava na oração (At 2:42) e que todos viviam orando, desde os apóstolos (At 3:1) até os crentes mais jovens (At 12:12,13). Paulo afirmou que devemos orar em todo o tempo, sendo a oração o verdadeiro exercício que mantém o soldado de Cristo em forma para que use com eficácia da armadura de Deus (Ef 6:18). A oração é a forma pela qual nos comunicamos com Deus e, se temos comunhão com Ele, quereremos, sempre, orar.
d) Louvor a Deus(At 2:47). Um avivamento exalta o nome de Deus, coloca-o acima de tudo. Quando falamos em louvor, falamos em exaltação de Deus, em cânticos, hinos e salmos que enalteçam o Senhor e não o homem, que trazem enlevo à alma e ao espírito, e, por conseguinte, não agridem o corpo, nem promovem qualquer sentimento carnal. “Avivamentos” feitos com base em “louvorzões”, que suprimem a Palavra do Senhor, que promovam a sensualidade e a emoção, que agitem as pessoas e que se utilizem de ritmos criados para adoração ao diabo ou a seus agentes, que privilegiem o “eu” do crente em detrimento do Senhor, nunca podem ser verdadeiros e autênticos avivamentos.
e) Temor a Deus (At 2:43). Um verdadeiro avivamento não produz bagunça ou anarquia. É um ambiente de ordem e de decência, onde o nome do Senhor é glorificado e onde os incrédulos, ao invés de se escandalizarem, sentem a presença do Senhor. Um avivamento traz ao povo uma devida reverência às coisas de Deus, um respeito a tudo o que se relaciona com o culto.


II. O CLAMOR DO PROFETA HABACUQUEO profeta Habacuque foi contemporâneo de Jeremias e viveu numa época de crescente deterioração moral e espiritual em Judá (o reino do sul). Ele sabia que o juízo de Deus se aproximava e viria por meio da invasão babilônica, ocorrida em 586 antes de Cristo. Ele não se conformava com a iniquidade do seu povo nem com o avanço de Nabucodonosor. É nesse contexto que aparece o famoso clamor por avivamento de Habacuque: “… aviva, ó SENHOR, a tua obra no meio dos anos, no meio dos anos a notifica; na ira lembra-te da misericórdia“(Hc 3:2).
“… NO MEIO DOS ANOS…”. É uma frase difícil de interpretar e muitos simplesmente a ignoram. Alguns estudiosos entendem assim: “Nestes últimos tempos de nossa história, faze a tua obra conhecida”. Esse é o momento mais adequado para que Deus traga o avivamento para o seu povo. É no meio dos anos que a frieza vem, que o desânimo e a incredulidade nos assaltam em meio à obra de Deus. É no meio dos anos que muitos crentes se acomodam com este mundo. E justamente nesse momento Deus traz o avivamento necessário para que seu povo permaneça fiel. Com o avivamento, Ele nos enche de amor por sua obra e Palavra, renovando-nos com seu Espírito e removendo os obstáculos humanos e espirituais que tentam impedir o prosseguimento de sua obra.
1. Um homem preocupado com o estado espiritual do seu povo. Habacuque, apesar de seus questionamentos, sempre demonstrou uma fé inabalável na soberania divina (Hc 2:4; 3:17-19). Como profeta de Deus, tinha ele consciência que o povo de Deus havia pecado, e, consequentemente, seria submetido ao juízo divino. Nestas circunstâncias, faz duas petições:
a) Pede a Deus que apareça entre o seu povo com nova manifestação de poder. Habacuque está ciente de que o povo não sobreviveria se o Senhor não interviesse com um derramamento de sua graça e de seu Espírito. Somente assim haveria verdadeira vida espiritual entre os fiéis.
b) Habacuque ora para que Deus se lembre da misericórdia em tempos de aflição e angústia. Sem a sua misericórdia, o povo haveria de perecer.
Hoje, com os alicerces da igreja sendo abalados, quando há aflição por todos os lados, imploremos ao Senhor que torne a manifestar sua misericórdia e poder para que haja vida e renovação entre o seu povo.
2. A restauração virá(Hc 3:3-16). Lembrando-se dos atos portentosos de Deus na história da nação, principalmente do êxodo do povo de Israel do Egito (Ex 14:1-31), o profeta roga ao Senhor que faça novamente as mesmas obras realizadas no passado. Habacuque estava ciente de que o mesmo Deus que viera com salvação no passado, voltaria em toda a sua glória. Todos quantos esperavam sua vinda viveriam e veriam seu triunfo sobre impérios e nações.
Mesmo em meio ao castigo divino derramado sobre Judá(Hc 3:16), o profeta opta por regozijar-se no Senhor. Deus seria a sua salvação e o manancial inesgotável de suas forças. Ele sabia que um remanescente fiel haveria de sobreviver à invasão babilônica. Essa convicção trouxe-lhe alegria e ânimo: “Todavia, eu me alegrarei no Senhor, exultarei no Deus da minha salvação” (Hc 3:18).
3. Avivamento gera mudança de vida. Habacuque estava ciente de que o povo pecara contra o Senhor. Havia injustiças, violência e idolatria entre o povo de Deus (Hc 2:9-11,17-19). Desta feita, era necessária uma mudança de comportamento entre os filhos de Israel. Então, o profeta clama por um avivamento (Hc 3:2).
O avivamento é necessário, porque o pecado é excessivo, a religião é decadente e o julgamento é iminente(Hc 1:4; 2:18-20). O tempo do avivamento é hoje, agora - no meio dos anos. O modo do avivamento é pela oração. A esperança do avivamento está na misericórdia de Deus.
Somente um real e contínuo avivamento é capaz de restringir, deter e neutralizar na igreja a atual avalanche de secularismo, de mundanismo, de comodismo, de conformismo, de transigência com o erro, com o pecado e com o mal. Segundo o modelo bíblico, o reavivamento resulta em santidade do crente em toda a sua maneira de viver (1Pe 1:15). Se um avivamento não resultar nisso - nessa mudança de vida -, tudo não passará de mero entusiasmo, mecanicismo e emoção, como acontece com certos ‘avivamentos’ orquestrados pelos homens. O avivamento sob Esdras e Neemias, nesse sentido, obteve grandioso resultados (Ne 8; 9:1-38).
Portanto, à semelhança de Habacuque, clamemos a Deus para que a igreja destes últimos dias empenhe-se por uma vida de justiça, pureza e santidade e, assim, venha a desfrutar de um genuíno avivamento (1João 1:9).


III. CONSERVANDO A CHAMA DO AVIVAMENTOMuitas pessoas foram batizadas com o Espírito Santo, viveram dias maravilhosos, foram usadas por Deus, mas depois se esfriaram na fé e se esqueceram da gloriosa experiência que tiveram. Para conservar uma vida renovada, cheia da graça divina, é preciso:
1. Leitura bíblica. A Bíblia Sagrada é o único padrão inerrante e infalível de avivamento. Uma vez que a Bíblia é a nossa única regra de fé e prática, é ela e somente ela que nos pode dar a direção certa deste assunto. A relação entre a Bíblia e o avivamento é tão intrínseca que é impossível um avivamento de verdade sem que a Bíblia faça parte dele.
A Bíblia foi, é e sempre será a espada do Espírito Santo em todo avivamento bíblico. Não existe verdadeira espiritualidade sem a Bíblia. Observando os avivamentos ocorridos na Bíblia e na história da igreja, notamos que os objetos do Espírito eram sempre persuadidos com e para a Bíblia. Avivamento onde a Bíblia não está presente não passa de um mero pentecostalismo convencional.
Estabilidade na vida espiritual é resultado de um conhecimento profundo da Palavra - “Não cesses de falar deste Livro da Lei; antes, medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer segundo tudo quanto nele está escrito; então farás prosperar o teu caminho e serás bem-sucedido”(Js 1: 8).
A conservação do avivamento só é possível quando a Igreja de Cristo se volta ao estudo sistemático e à obediência incondicional da Bíblia Sagrada.
2. Oração. O livro todo de Habacuque é um diálogo entre ele e Deus. É o único livro na Bíblia apresentado dessa maneira. Como profeta, Habacuque teve de alimentar e liderar o povo, mas, antes, teve de interceder pelo povo. Quantas vezes muitos dos líderes, que assumem posições de liderança, são “agentes” que se esquecem desse papel tão importante. No Novo Testamento, Pedro disse que estabeleceria para si duas prioridades: a Palavra de Deus e a oração. Essa é a primeira responsabilidade de um líder espiritual.
Os cristãos primitivos estavam sempre cheios do Espírito e renovados porque viviam em oração (At 4: 31). É triste ver como muitas igrejas estão perdendo o calor em suas mensagens porque o fervor da oração está desaparecendo. Muitos crentes estão se vendo confusos porque os bens materiais têm tomado o tempo da oração. Oração é questão de disciplina pessoal. Procure reservar alguns minutos, todos os dias, para estar na presença do Senhor.
3. Santificação. A santificação deve ocorrer em ‘todo o vosso espírito, e alma, e corpo’, conforme lemos em 1Tessalonicenses 5:23. Isso significa que devemos ser santos em nosso viver, e em nossa conduta, isto é, em nosso caráter, internamente, e em nosso proceder, externamente. Mantenhamo-nos, pois, separados do mundo pecaminoso. Não nos conformemos, pois, nem com a vida nem com o modo de pensar deste mundo (Rm 12:2).
4. Buscar constantemente a face de Deus. “Muitos, por estarem interessados apenas em milagres, curas e prosperidade material, já não buscam a Deus pelo que Ele é. Na verdade, não querem conhecera Deus, mas somente barganhar com o Senhor. A Bíblia, contudo, através do profeta Oséias, ensina-nos que devemos agir piedosamente: “Conheçamos e prossigamos em conhecer o Senhor: como a alva, será a sua saída; e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra” (Os 6:3). Que possamos ter fome e sede de Deus. Se nos achegarmos a Ele, certamente Ele a nós se achegará (Tg 4:8; Sl 24:3-6)”(pr. Elienai Cabral - LBM-CPAD).


CONCLUSÃOO fogo arderá continuamente sobre o altar; não se apagará” (Lv 6:13). Que possamos nos colocar inteiramente nas mãos do Pai, orando como fez o profeta Habacuque: “Aviva, ó Senhor a tua obra no meio dos anos” (Hc 3:2) e obedecendo incondicionalmente a Palavra de Deus.
A chama do avivamento deve permanecer brilhante, pois Deus deseja que a Igreja cumpra sua missão aqui na Terra integralmente. “Uma igreja sem renovação espiritual constante cai na rotina, isto é, fica parada no tempo, no espaço e no trabalho. Ela pode até trabalhar, mas não avança, não progride, porque algum fruto que surja é destruído pelas contendas, inveja, ganância, desunião e outras obras da carne. Tal igreja não resiste, nem supera as rápidas mutações de comportamento da sociedade ímpia ao seu redor”. Que o Senhor Jesus desperte um grande avivamento na sua Igreja; estamos precisando urgentemente.

Fonte: ebdweb

2 comentários:

  1. Shalon amado!
    Estou em Viçosa, e ai não quer sua camisa do centenário? O André ta com dois dias que não tira a dele, kkkkk. Estive em Belém, cidade do Centenário e lembrei de vc. Valeu as orações. Um forte abraço. Márcio Andrade

    ResponderExcluir
  2. Quero te agradecer pelo link no seu blog. Saiba que no meu blog também está o seu. Tudo que vc posta aqui é mostrado lá. Valeu!

    ResponderExcluir