Seguidores

terça-feira, 29 de maio de 2012

O GOVERNO DO ANTICRISTO


Texto Básico: Ap 13:1-9

“Filhinhos, é já a última hora; e, como ouvistes que vem o Anticristo, também agora muitos se têm feito anticristos; por onde conhecemos que é já a última hora” (1João 2:18).

INTRODUÇÃO


Antes que Deus dê cabo ao sistema mundial gentílico, diz a Bíblia Sagrada que se levantará o último grande imperador do mundo, o mais terrível de todos, pois será um instrumento direto de Satanás entre os homens, quase que uma encarnação do próprio diabo, que sintetizará todo o ódio, revolta e indignação contra Deus. Este último déspota mundial, o mais tenebroso e iníquo de todos, é chamado pelo apóstolo João na sua primeira carta de “Anticristo” (1João 2:18). Será de um mundo envolto em inquietude, angustias, perplexidade e guerras; convulsões sociais, políticas e econômicas; e incertezas, que Satanás levantará este novo e grande líder que, a curto prazo, oferecerá a esse mundo uma aparente e falsa paz. Será o pior período da história da humanidade. Esse tenebroso tempo será de julgamento divino sobre um mundo ímpio que rejeitou a Cristo, mas também um tempo de ira e perseguição satânicas contra os que recebem a Cristo e sua Palavra (Ap 12:12). Durante esse período, muitos cristãos sofrerão terrivelmente como objetos da ira de Satanás e dos ímpios (Ap 6:9-11; 7:9-14;; 20:4; cf 14:13). O conflito entre a retidão e o mal será tão grande que somente pode ser chamado “Grande Tribulação”. "Uma boa leitura e um ótimo aprendizado"!!!!!

 I. QUEM É O ANTICRISTO

O “Anticristo” é um ser humano, é uma pessoa (Dn 7:7; Ap 13:18). Na visão dos quatro animais, Daniel diz que na “ponta” [ou chifre] havia olhos, como olhos de homem, a comprovar que se trata de alguém e não de reinos, estruturas ou sistemas, como defendem alguns. Este homem, porém, será diferente de todos os outros homens, porque será uma pessoa usada pelo inimigo como nenhuma outra em toda a história. Como afirma o apóstolo Paulo, o Anticristo operará segundo a eficácia de Satanás, de onde virá todo o seu poder, sinais e prodígios (2Ts 2:9). Assim, ao contrário dos outros “anticristos”, o Anticristo será um instrumento direto do adversário, alguém que será um mero instrumento da vontade do diabo, que atuará com todo o poder do inimigo, que se manifestará numa intensidade nunca antes vista, porque não haverá a resistência que hoje ainda existe para tal manifestação (cf 2Ts 2:7). 1. Definição etimológica. De origem grega, a palavra Anticristo significa, etimologicamente, tanto “contra Cristo” (2Ts 2:4) como “em lugar de Cristo” (2Ts 2:3,4; 1João 2:22). Ou seja, este último dominador do sistema mundial gentílico será alguém que tentará se dizer Cristo, que tentará se apresentar como o Messias, o Ungido de Deus, como o Enviado de Deus, como o próprio Deus, ao mesmo tempo em que procurará se voltar contra tudo o que representa o verdadeiro Deus, contra tudo o que estiver relacionado a Jesus, o verdadeiro e único Messias. Pela Bíblia é possível verificar que, de fato, o Anticristo será mesmo um enganador, visto que não há qualquer semelhança, ou identidade entre o verdadeiro Cristo e o Anticristo. Vejamos alguns exemplos:

· Cristo desceu do Céu (João 6:41); o Anticristo subirá do “mar” (Ap 13:1).

· Cristo é o Cordeiro (Ap 5:12); o Anticristo é a besta (Ap 13:1).

· Cristo é o Filho de Deus (Mt 3:17); o Anticristo é o filho da perdição (2Ts 2:3).

· Cristo é o Santo e o Justo (Ap 16:5); o Anticristo é o homem do pecado e o iníquo (2Ts 2:38).

· Cristo é o mistério de Deus (Cl 2:2); o Anticristo é o mistério da injustiça (2Ts 2:7).

· Cristo é a Segunda Pessoa da Trindade Divina (Mt 28:19); o Anticristo é a segunda pessoa da trindade satânica (Ap 16:13).

· Cristo é aquele que é, que era e que há de vir (Ap 1:8); o Anticristo é a “besta” que foi e já não é e que irá à perdição (Ap 17:8).

· Cristo é aquele que veio em Nome do Pai (João 5:43); o Anticristo é aquele que virá em seu próprio nome (João 5:43).

· Cristo é aquele que subiu para o Céu (Mc 16:19); o Anticristo é aquele que descerá para o lago de fogo e enxofre (Ap 19:20).

2. Definição teológica. A palavra “Anticristo” só aparece nas epístolas de João (1João 2:18,22; 4:3; 2João 7), mas o conceito se acha em outros lugares. No Apocalipse, o próprio João o chama de “besta”, significando uma pessoa cruel como uma fera, o qual conseguirá o domínio político, econômico e religioso do mundo durante o seu “império do mal”. O profeta Daniel o descreveu como o “Pequeno Chifre” (Dn 7:8,11,20-26) e o Príncipe que há de vir (Dn 9:26), cuja característica principal é a guerra contra o povo de Deus e o desejo de ocupar o lugar de Deus. Jesus fez referência ao “Anticristo”, chamando-o de “[…] o abominável da desolação” (Mt 24:15). Na teologia do apóstolo Paulo, o Anticristo é visto como o “[…] o homem da iniquidade, o filho da perdição, o iníquo” (2Ts 2:3,8). Ele surgirá da grande apostasia (2Ts 2:3); será uma pessoa (2Ts 2:3); será objeto de adoração (2Ts 2:4); usará falsos milagres (2Ts 2:9); só pode ser revelado depois que aquilo e Aquele que o detém for removido (2Ts 2:6,7) e será totalmente derrotado por Cristo (2Ts 2:8).

2.1) Algumas decisões a serem tomadas pelo Anticristo no auge do seu governo. O Anticristo será a mais completa personificação de Satanás e o seu mais autêntico representante. Uma vez no poder, este líder político tomará algumas decisões importantes, a saber:

a) Estabelecerá a paz no Oriente Médio, fazendo um acordo com Israel, no qual permitirá que o templo de Jerusalém funcione por sete anos, o que lhe trará o apoio dos judeus (Dn 9:27; Ap 12:12-17).

b) Alcançará enorme popularidade em toda a Terra, pois, a partir da estrutura institucional que o apóia, mostrará grande habilidade de comunicação e de resolução de problemas que afligem a população mundial, fazendo com que os homens creiam que chegou uma era de paz e de segurança.

c) Fará proezas, sinais e prodígios que convencerão o mundo de que se trata de um ser sobrenatural, de um super-homem, digno de respeito, adoração e veneração. Será o desejado por todos os credos existentes sobre a Terra.

d) Através do Falso Profeta (a segunda besta), determinará criará uma nova religião e fundará uma super Igreja Mundial, com religiosidade plenamente falsa. Concordará com a religião apóstata que agirá na primeira metade da grande tribulação; dependerá dela para realizar suas atividades, somente assim poderá se erigir como deus. Sua religião será a única da face da Terra: “(…) poder para continuar por quarenta e dois meses. E abriu a sua boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar do seu nome, e do seu tabernáculo, e dos que habitavam no céu. (…) E adoravam-na todos os que habitam sobre a terra” (Ap 13:5,6,8).

e) Destruirá os que se hão de converter durante a Grande Tribulação. Apocalipse 7:4-17 descreve uma multidão de judeus e gentios que serão salvos durante a “Grande Tribulação”. Muitos dizem que só haverá salvação, nesse período, para os judeus. Dizer isso é negar as próprias Escrituras. Em Ap 6:9-11 não é revelada a nacionalidade destas almas, porém, quando lemos Ap 7:9, fica claro que estes mártires são provenientes de todas “nações, tribos, povos e línguas”, ou seja, tanto judeus quanto gentios. Nem se diga que estas pessoas são os salvos arrebatados (como defendem os midi-tribulacionistas), porque a Bíblia afirma que estes vieram da “Grande Tribulação” (Ap 7:14) e, mais, que estavam com vestidos brancos, vestidos que lhes foram dados quando da revelação do quinto selo (Ap 6:11), a mostrar que se trata do mesmo grupo. Sabemos, também, que se trata do mesmo grupo porque estão no mesmo lugar, pois é dito que estão debaixo do altar em Ap 6:9 e, em Ap 7:9, diante do trono, perante o Cordeiro. Ora, pelo que vemos de Ap 8:3, o altar de ouro está diante do trono. Portanto, se a Bíblia diz que há salvos e santos que vieram desse período e, inclusive, morreram por causa do testemunho de Jesus, por que haveremos de negá-lo?.

2.2) Descrição do Anticristo. Em Apocalipse, temos uma descrição simbólica dessa figura sinistra (Ap 13:1-10). O Apostolo João o chama de a Besta que sobe do Mar. Nesta expressão e pela sua descrição temos a possibilidade de podermos avaliar sua crueldade, bem como sua força e poder - sempre lembrando que mar ou águas, na Bíblia, fala da inquietude dos povos, multidões, nações e línguas, como diz o Profeta Isaias: “Mas os ímpios são como o mar bravo que se não pode aquietar e cujas águas lançam de si lama e lodo” (Is 57:20). Vejamos como será a “besta” que “subiu do mar”, conforme descrição de João: “E eu pus-me sobre a areia do mar e vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e, sobre os chifres, dez diademas, e, sobre as cabeças, um nome de blasfêmias“ (Ap 13:1).

· Cabeça sempre fala de capacidade, de liderança, de inteligência, de sabedoria.

· Chifre simboliza força, poder destruidor.

· Diademas, ou coroas estão ligados a capacidade de governo. Assim, o Anticristo será, pois, um homem, segundo cremos, especial, profundamente inteligente e astucioso, conforme indicam as “sete cabeças“; portador de um poder sobrenatural, recebido do próprio Satanás, conforme indicam os “dez chifres“; e o maior de todos os reis e imperadores, conforme indicam os “dez diademas“, ou coroas. O Apóstolo Paulo chama o “Anticristo” de “homem do pecado”; “o filho da perdição”; “o iníquo” (2Tes 2:3,8). Por esta descrição de Paulo é possível imaginar seu caráter, sua personalidade.

O Profeta Daniel descreve o “Anticristo” como sendo “o rei feroz de cara” (Dn 8:23); “o príncipe que há de vir” (Dn 9:26); “o rei que fará conforme a sua vontade” (Dn 11:36). Ou seja, ele será um homem sem limites, que não reconhecerá a existência de qualquer superior - “…se levantará e se engrandecerá sobre todo deus; e contra o Deus dos deuses falará coisas incríveis e será próspero…e não terá respeito aos deuses de seus pais, nem terá respeito ao amor das mulheres, nem a qualquer deus, porque sobre tudo se engrandecerá”(Dn 11:36-37).

O profeta Daniel, também, o chama de “Chifre Pequeno” (Dn 7:8 - “…eu continuava olhando nas visões da noite, e eis o quarto animal, terrível e espantoso e muito forte… e tinha dez pontas. Estando eu considerando as pontas, eis que entre elas subiu outra ponta pequena, diante da qual três das pontas primeiras foram arrancadas; e eis que nessa ponta havia olhos, como olhos de homem, e uma boca que falava grandiosamente… e eis que essa ponta fazia guerra contra os santos e os vencia“(Dn 7:7, 8 e 21). “Pontas”, aqui, tem o mesmo significado de “chifres”. As “dez pontas” correspondem aos “dez dedos dos pés da estátua” vista, em sonhos, por Nabucodonosor, e que eram “… em parte de ferro e em parte de barro“. Estas “dez pontas” e estes “dez dedos” representam uma Confederação de “dez reis”, ou de dez governos que, no futuro, farão parte do novo Império Romano, “ressuscitado“, conforme foi dado a saber a Daniel: “E, quanto às dez pontas, daquele mesmo reino se levantarão dez reis…“(Dn 7:24). Esta é uma pálida descrição do Anticristo. Não queira ficar aqui para conhecê-lo. Lembre-se que nós estamos esperando pela vinda de Jesus, e não do Anticristo.

II. A MANIFESTAÇÃO DO ANTICRISTO

O Anticristo será uma personagem de uma habilidade e capacidade desconhecida até hoje. Será o maior líder de toda a história; acima mesmo de qualquer famoso general ou governante mundial já conhecido. Ele surgirá da área do antigo Império Romano, porque em Daniel 9:26 está escrito que o seu povo (isto é, o povo donde procede o Anticristo) destruíra a cidade de Jerusalém, e esse povo foi o romano, como bem documenta a história. Talvez ele seja nativo da Síria, porque Antíoco IV Epifânio - que profanou o templo, quando o consagrou ao deus grego Zeus e mais tarde sacrificou porcos em seu altar , tipo do futuro Anticristo -, era da Síria. Para o apóstolo João, o Anticristo sempre esteve presente nos seus precursores (os anticristos - 1João 2:28), mas ele se levantará no tempo determinado como expressão máxima da oposição a Cristo e aos cristãos. Sua ascensão se dará num tempo de muita turbulência (Ap 13:1) - “Vi emergir do mar uma besta“. O que isso significa? As águas do mar são multidões, ou seja, as nações e os povos na sua turbulência político-social (Ap 17:5). As águas são símbolos das nações não regeneradas em sua agitação (Is 57:20). Antes do levantamento do Anticristo, o mundo estará em desespero, num beco sem saída. Ele emergirá desse caos. A Manifestação do Anticristo acontecerá logo após o Arrebatamento da Igreja. Baseamo-nos, principalmente, no ensino de Paulo, quando diz: “(…) porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição; E, agora, vós sabeis o que o detém, para que a seu próprio tempo seja manifestado. Porque já o mistério da injustiça opera; somente há um que agora resiste até que do meio seja tirado; e, então, será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo sopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da sua vinda” (2Ts 2:3,6-8). Após o Arrebatamento da Igreja, o Anticristo estará livre para enganar o mundo com seus sinais, reunindo a humanidade econômica, política e religiosamente. Ele surgirá oferecendo solução aos problemas mundiais. O mundo estará seduzido pelo seu poder. Os homens estarão dizendo: “Paz, paz”, quando lhes sobrevirá repentina destruição. Começará sua carreira de forma insignificante(por isso ele é chamado de “chifre pequeno” - Dn 7:8), mas pouco a pouco, se levantará para ocupar o espaço mais proeminente na esfera política mundial. Ele abaterá os outros para se tornar líder. Quando ele se manifestar, o mundo estará em um estágio em que a humanidade sentirá a necessidade de ter um único líder, forte e com capacidade de trazer soluções reais a um mundo em colapso. Nesse momento, a humanidade verá no Anticristo a pessoa certa para ser o governador capaz de unir a raça humana, mas para realizar os desígnios de Satanás: a contínua rebelião contra Deus. Fará um pacto com a nação de Israel logo após o arrebatamento da Igreja e início da Grande Tribulação. O pacto será tão inebriante que impressionará Israel, que o receberá com as honras devidas a um grande líder. Entretanto, após esse período, ele mostrará suas verdadeiras intenções: governar o mundo em prol do Diabo, destruir os escolhidos de Jesus e ser adorado como Deus. Ele mostrará, por meio de seus atos, seu ódio a Deus e ao seu povo. Por ocasião de sua aparição, o Anticristo terá uma de suas cabeças feridas mortalmente (Ap 13:3), mas é curada, trazendo admiração de toda a humanidade, que se põe a adorá-la e adorar ao dragão, que lhe deu poder. Sua capital religiosa será Jerusalém. Nela, ele estabelecerá um novo culto de adoração à sua imagem(Ap 13:15). Ordenará a cessação de sacrifícios e oblações no Templo e se assentará nele. Veremos, portanto, a abominação da desolação no lugar santo, a que Cristo se referiu em Mt 24:15, ambicionando, para si, a honra divina: “Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no Lugar Santo (quem lê, que entenda)”. O historiador Arnold Toynbee disse: “O mundo está pronto para endeusar qualquer novo César que consiga dar à sociedade caótica unidade e paz”. Ele surgirá num tempo de profunda desatenção à voz do juízo de Deus (Mt 24:37-39). Esse tempo será como nos dias de Noé.

 III. O SUSTENTO DO GOVERNO DO ANTICRISTO

O governo do Anticristo terá como principais pilares de sustentação as outras duas personagens da trindade satânica: Satanás(o Dragão) e o Falso profeta(a segunda besta).

1. Satanás - o Dragão(Ap 13:2). O Anticristo vai governar na força de Satanás. “Deu-lhe o dragão o seu poder, o seu trono e grande autoridade” (Ap 13:2). Quem vai mandar será Satanás. Os governos subjugados por ele vão estar sujeitos a Satanás. O que Satanás ofereceu a Jesus, e Jesus rejeitou, então ele dará ao Anticristo, e este receberá. Ao Senhor Jesus, lá no deserto, Satanás “…mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles. E disse-lhe: tudo isto te darei se, prostrado me adorares” (Mt 4:8-9). O Senhor Jesus, como resposta à oferta de Satanás, disse-lhe: “…Vai-te, Satanás, porque está escrito: ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a ele servirás“(Mt 4:10). Como homem o Senhor Jesus poderia aceitar a oferta de Satanás, mas, não aceitou, preferindo expulsá-lo de sua presença. Há quem ensine que Satanás estava blefando quando fez esta oferta a Jesus. Afirmam que ele, na verdade, nada tinha para dar. Nós, contudo, pensamos diferente. Lucas informa, em seu Evangelho, que Satanás disse: “…Dar-te-ei a ti todo este poder e a sua glória, porque a mim me foi entregue, e dou-o a quem quero” (Lc 4:6). O Senhor Jesus não negou a afirmação de Satanás; apenas rejeitou. Satanás não estava blefando e nem estava prometendo o que ele não poderia dar. Ele é chamado de “deus deste século” (2Co 4:4); “príncipe deste mundo” (João 12:31 e 14:30). Ele detém, na verdade, o poder e a glória dos reinos deste mundo. É claro que esse poder e essa glória foram usurpados, sendo que o Senhor Jesus os recuperará de suas mãos. Assim, quando Satanás disse: “…dou-o a quem quero“, ele não estava mentindo. O Senhor Jesus rejeitou sua dádiva, porém o Anticristo irá aceitar conforme escreveu João: “E a besta que vi era semelhante ao leopardo, e os seus pés, como os de urso, e a sua boca, como a de leão; e o dragão deu-lhe o seu poder, e o seu trono, e grande autoridade” (Ap 13:2). O poder que o Anticristo recebeu do “dragão”, aqui, uma figura de Satanás, era, realmente, grande. Ele está simbolizado pelo leopardo, símbolo do Império da Grécia; pelo urso, símbolo do Império Medo-Persa, e pelo leão, símbolo do Império Babilônico. Os Imperadores destes três Impérios foram detentores de poderes quase ilimitados. Pela simbologia, ao que parece, o poderio, ou poder dado por Satanás ao Anticristo, significa a soma do poder daqueles três grandes Impérios. Satanás podia dar, como afirmou a Jesus, e dará ao Anticristo: “E foi-lhe permitido fazer guerra aos santos e vencê-los; e deu-se-lhe poder sobre toda tribo, e língua, e nação” (Ap 13:6-7). Ele será, de fato, o ungido de Satanás; o instrumento que Satanás usará para dominar e governar a Terra, por um período de sete anos. O governo universal do anticristo será extremamente cruel e controlador (Ap 13:16,17). O seu poder será irresistível (Ap 13:4). Terá a aparência de um inimigo invencível. Vai blasfemar contra Deus e os santos que estão no Céu (Ap 13:6). Durante o governo do Anticristo, será determinada a morte de todos que se recusarem a adorar o governante mundial e sua imagem. Noutras palavras, muitos que resistirem ao Anticristo e permanecerem fiéis a Jesus, selarão sua fé com suas vidas (ver Ap 13:7; 15). Esse vai ser o pior período da história da humanidade. Esse será o tempo da Grande Tribulação.

2. O Falso profeta(Ap 13:11; 2Ts 2:9-11). O Anticristo será apoiado pela segunda besta, o Falso profeta (Ap 13:11-18; 16:13; 19:20). A primeira besta agirá no campo político; a segunda, no campo religioso. O Falso profeta, líder religioso (Ap 13:11), promoverá a união de todas as seitas e credos existentes. Época em que o ecumenismo se fortalecerá, formando um tempo de operações de sinais e prodígios de mentira (2Ts 2:9). O seu trabalho será o de promover a adoração do Anticristo pela humanidade. À frente da liderança religiosa do mundo, o Falso profeta promoverá o reencontro do poder político com o poder religioso, pois, uma vez no controle dos movimentos religiosos mundiais, fará com que todos reconheçam o poder do Anticristo. Por isso, é dito em Apocalipse 13:12 que ele exercerá todo o poder da primeira besta na sua presença, ou seja, levará todas as religiões do mundo a reconhecer o Anticristo como sendo um verdadeiro deus, o salvador do mundo. O Falso profeta usará a arma do controle para garantir a adoração do Anticristo (Ap 13:16-18). Esse será um tempo de cerco, de perseguição, de controle, de vigilância, de monitoramento das pessoas, no aspecto político, religioso e econômico. Todo regime totalitário busca controlar as pessoas e tirar delas a liberdade. A recusa na adoração à primeira besta implicará em morte (Ap 13:15b). O Falso profeta fará, também, sinais e maravilhas, a fim de levar o povo a adorar o Anticristo (Ap 13:13). Entendem alguns que será o falso profeta quem explicará a suposta ressurreição do Anticristo (cf. Ap 13:12), mostrando aos homens que essa ressurreição será verdadeira e a prova de que o Anticristo é um deus, um homem superior e que merece adoração. Diz-nos, porém, a Escritura Sagrada que o falso profeta fará cair fogo do céu (Ap 13:13), o que, certamente, provocará na população a mesma reação que tiveram os israelitas no monte Carmelo (vide 1Rs 18:25-39), bem como aparentemente dará vida a uma imagem do Anticristo (cf Ap 13:15), que mandará que seja construída para que todos a adorem. Estes e outros sinais darão suporte para o estabelecimento da religião mundial de adoração ao Anticristo. O Falso profeta foi visto como tendo “dois chifres semelhantes aos de um cordeiro” (Ap 13:11). Ora, o fato de ter a aparência de um cordeiro é a indicação de que surgirá com uma aparência de pureza, de santidade, de grande religiosidade. O falso profeta aparecerá como um homem santo, um homem que se encaixará, perfeitamente, nas descrições religiosas de devoção, de espiritualidade elevada e de santidade. Uma das principais características das falsas religiões é se prender à aparência. Sabendo disto, o diabo promoverá o surgimento de um homem que “será semelhante ao cordeiro”, ou seja, terá a aparência, o perfil, o comportamento exterior de um santo homem. Entretanto, o texto bíblico diz que será semelhante, ou seja, não será como o cordeiro, apenas parecerá com ele. Seu interior, porém, será iníquo, extremamente mau, pois, diz-nos o texto sagrado, que este falso profeta falará como o dragão, ou seja, no seu interior, a exemplo do que ocorre com a outra besta, este falso profeta estará totalmente dominado e envolvido pelo diabo, que será quem falará por ele. Sua missão será ser o porta-voz do próprio diabo. Quando o falso profeta abrir a boca, será o próprio diabo que estará falando. Com todos esses prodígios que o Falso profeta realizará à vista das pessoas e da mídia, certamente não terá dificuldade para convencer todos a aceitarem a plataforma de governo do Anticristo.

IV. O FIM DO GOVERNO DO ANTICRISTO

Apesar dos seus feitos e poder, o Anticristo e o falso profeta já possuem um fim pré-determinado na Bíblia. No Dia da Revelação do Senhor, o Anticristo, pessoalmente, estará no comando de um gigantesco exército formado por milhões de soldados, de todas as nações que aderiram o seu império maligno, conforme João declarou ter visto: “e vi a besta, e os reis da terra, e os seus exércitos reunidos para fazerem guerra àquele que estava assentado sobre o cavalo e ao seu exército” (Ap19:19). Será nesse confronto - conhecido como a Batalha do Armagedon - que o Sistema Governamental corrupto que vem dominando a Terra, desde Ninrode, será aniquilado. Paulo escreveu que o Anticristo será destruído pela Palavra de Deus (2Ts 2:7,8). No Apocalipse, assim está narrado o fim do Anticristo e do Falso profeta: “E a besta foi presa e, com ela, o falso profeta, que, diante dela, fizera os sinais com que enganou os que receberam o sinal da besta e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no ardente lago de fogo e enxofre” (Ap 19.20). O Senhor Jesus mostrará a todos que o seu poder é irresistível. Ele é o Rei dos reis e Senhor dos senhores. Portanto, o Anticristo e o Falso profeta, na Batalha do Armagedon, serão aniquilados pela espada que sai da boca de Cristo(isto é, por sua Palavra), e serão lançados vivos no lago de fogo e enxofre, que é o inferno propriamente dito(Ap 19:20). É o fim das duas “bestas”. Que assim seja!

CONCLUSÃO

A estrutura institucional, ou seja, o conjunto de regras, pessoas, poderes e todos os elementos necessários para que o Anticristo erija o seu Governo já existe. A União Européia está aí, com suas convulsões sócias, políticas e econômicas em plena evidência. Falta apenas a indicação dos dez países e a ascensão do “homem do pecado”. Vigiemos, pois, porque a vinda do Senhor está muito, muito próxima.

FONTE: EBDWEB



2 comentários:

  1. Meu amado irmão muito obrigado por sua colaboração estamos gratos pelos subsídios postados pelo amado, que O Senhor continue lhe abençoando.

    ResponderExcluir